29 de dez de 2015

A Luz das Estrelas


Capítulo 48 
"Casar?"






Lua sentiu a brisa noturna bater em seu rosto e ao sentar-se no banco de couro da picape azul sentiu-se acolhida.
 O rapaz deu a volta no carro entrando do outro lado.

- Vou te pedir para colocar o cinto, senhorita.

Ele deu partida no carro e esperou ela colocar o cinto de segurança.

Arthur dirigiu pela rodovia principal até que chegou em um ponto que entrou em uma pequena travessa sem asfalto.

- Arthur, onde estamos indo?

- Vai ver - ele sorriu a preocupando de certa forma. As árvores ali eram altas e estavam só os dois, longe de qualquer parte civilizada.

Ela começou a bater a perna nervosamente.

- Arthur?

- Estamos chegando. Gosta de estrelas?

- Ahn... Sim.

Assim que responder as árvores se acabaram e deram de cara com um grande campo aberto e o céu mais estrelado que Lua já havia visto.

- Ah meu Deus! - assim que a picape estacionou ela pulou para fora do carro recebendo a lufada de ar frio em seus braços a fazendo estremecer.

 Mas não se importou com aquilo já que estava maravilhada olhando o céu 
-Minha pai me trouxe aqui uma vez quando eu era criança -Arthur falou chegando e a abraçando Lua por trás, aquecendo-a -Me trás a sensação de estar em outro planeta.
-É...Um lindo planeta, sem poluição, pais cupidos ou ex-namoradas malucas -Lua fala e Arthur solta um riso, que fez o peito dele tremer e Lua senti-lo em suas costas, dando a ela a vontade de rir também.

-Como caímos nisso? -ele perguntou enquanto a puxava pela mão para a parte da traseira da picape, aonde subiu habilidosamente e ofereceu ajuda para a menina subir.
Lua deu de ombros e sentou-se na caçamba e apoiou sua cabeça no peito de Arthur que estava sentado encostado na janela picape.
Eles ficaram em silêncio alguns minutos apreciando as estrelas até este ser cortado por Lua.
-Thur...Posso perguntar uma coisa?... Porque você e a Helena...bom terminaram?
Ela continuou após ouvir um murmúrio de concentimento
 - Helena é uma garota complicada, Lu. Eu nunca fui o suficiente para ela. Se é que me entende. Então ela terminou comigo.

Lua ficou em silêncio por alguns minutos então ergueu o rosto passando o polegar pelo rosto de Arthur. A barba começava a crescer e lhe pinicava.

- Você é mais que suficiente para mim, Arthur.

Ele a puxou para seu colo selando os lábios nos dela ferozmente. Seu brilho labial tinha gosto de amoras silvestres.
Lua enlaçou o pescoço de Arthur com o braços e aproximou mais seus corpos, deixando o beijo mais profundo e ainda mais feroz.
Arthur foi descendo uma de sua mãos, da cintura, para o quadril do quadril até a bunda de Lua, depositando ela ali, coisa que não pareceu incomodar Lua.
- Lua... - ele sussurrou contra os lábios dela e desceu os próprio para seu queixo e pescoço fazendo ela suspirar e se agarrar a seus cabelos. Arthur só parou quando os lábios chegaram ao tecido da camiseta que lhe bloqueava a passagem. Fez menção a retirá-la mas Lua lhe parou.

- Thur... - ela sussurrou arfante - Eu não sei...

- Tudo bem - ele disse escondendo o rosto no pescoço dela.
 -Er...-Lua murmurou ainda arfante, enquanto tentava formular uma frase e começou a sair do colo de Arthur que não protestou, apenas bagunçou os cabelos e se recostou melhor.
Lua encostou a cabeça em seu ombro e falou:

-É só que...Nunca passei para esse nível, nem brinquei do jogo da garrafa...também nunca escolhi entre pêra, uva ou maçã...-ela falou e no tom de sua voz dava para perceber nuances de vergonha -Eu não sou muito experiente sabe...apesar da maioria das pessoas não acreditarem, elas falam "Você é bonita é claro que você não tem problema em ficar com garotos" como se não ficar fosse...um pecado... -ela se interrompeu ao perceber que estava falando rápido demais.

 - Ei, relaxa. Tá tudo bem - ele deu um riso curto. Arthur passou a mão pelo cabelo loiro de Lua o enrolando no dedo - Que bonitinha!

Ela lhe deu um tapa no braço depois desse comentário irônico

- Arthur!

- Ei, calma! - ele ria - Foi um comentário sincero, eu acho super bonitinho garotas como você.
Lua revirou os olhos para Arthur e desencostou de subito dele.
-Que horas são? -ela perguntou para logo depois se autoresponder -Temos que voltar -ela falou -Leo falou que precisa conversar comigo -Lua completou, respondendo a pergunta silênciosa de Arthur.

-Você tem um noção do que ele quer falar? -Arthur pergunta.
-Como assim? -Ela pergunta pulando da traseira para o chão.
-Eu não sei...Vai que ele quer sua aprovação para um plano maligno que inclua a minha tortura e morte? -Arthur pergunta também pulando e Lua solta uma gargalhada.
-Ele não é tão perigoso, achei que vocês já estavam até amigos -Lua fala sentando-se no banco do carona.

-Eu não falaria dessa forma -Arthur fala soltando um riso.
No caminho de volta eles ficaram em silêncio ouvindo uma música que tocava na rádio e o fundo harmonioso do canto dos grilos.

Arthur parou em frente a casa temporária de Lua.
-Está entregue madame -ele sorriu e Lua retribuiu.
-Você também acha bonitinho meninas que tem horário para chegar em casa? -ela perguntou e ele soltou um riso nasal e inclinou-se para ela dizendo:
-A gente começa a quebrar essa regra em breve.
Eles deram um selinho longo e depois Lua saiu do carro.
-Te vejo amanhã -ela falou batendo a porta do carro.
E ele acenou, dando partida em seguida.


Lua caminhou até os fundos da casa encontrando Leo deitado na rede mexendo no celular.
-Oi -ela falou aproximando -se dele
 - Eai? Onde você estava? - ele bloqueou o celular olhando para ela.

- Fui dar uma volta com Arthur - ela mordeu o lábio lembrando do que passeio.

Lua se sentou no chão de frente para o irmão.

- Só uma volta? Não fizeram mais nada? - ele levantou as sobrancelhas sugestivamente. Lua odiava quando ele fazia isso.

- É. Só uma volta. O que você precisava conversar comigo? Se for sobre camisinha eu não preciso de conselhos. Não que eu já as use - ela fez uma careta que fez com que Leo risse.

- Na verdade - ele mostrou a mão onde tinha uma aliança de noivado.

- AH MEU DEUS!

Lua se jogou nos braços do irmão o abraçando com força.
 -Como? Quando? Espera...Sua namo...noiva? - Lua soltou as perguntas desenfreadamente enquanto soltava-se do abraço e sentava na rede ao lado do irmão -Você vai casar? -Lua parecia agora processar a informação.
Seu irmão sempre foi a parte fora da realidade da sua vida, seus pais eram maravilhosos ela jamais negaria isso, mas eles eram apesar de espôntaneos e carinhosos, seus pais.
Leo era...o super-herói que contava aventuras sobre garotas e identidades falsas, Aurora...Aury o fizera mudar, fizera ele ficar fiel, mais sério...Mas casado, ela nunca imaginou.
 -Aury tá lá dentro, eu pedi a mais ou menos uma hora, foi tudo muito rápido, eu venho pensando nisso a um tempo, quando o pai me chamou para vir para cá, eu comprei o anel, e pensei...perfeito...eu não sei...Eu a amo.
 - Bem... Ahn... Uau! Demais! E quando vai ser o casamento?!

- Logo, provavelmente - ele passou a mão pelo cabelo como sempre fazia quando estava ansioso - Vamos fazer a festa de noivado amanhã à tarde.

- Estou feliz por vocês - o irmão a abraçou de lado afundando o queixo em seu cabelo - Léo... Você não vai me abandonar, não é? Mesmo casado... Vamos continuar unidos, não vamos?

- É claro que vamos, sua bobona!!! - ele a afastou e a segurando pelos ombros - De onde tirou essa ideia de girico?!

 -Acho que eu tenho medo de te perder...-Lua falou e olhou para os olhos verdes do irmão que eram tão parecidos com os seus- Porque eu te amo.
Leo a abraçou forte, aquele abraço que deixa as pessoas sem ar.

-Também te amo minha loirinha -Leo falou e depois prossegiu -Até quando eu sei que você está se pegando com aquele garoto do porche nojento -ele terminou e Lua soltou uma gargalhada aliviada.

Um comentário:

  1. Melhor a cada capítulo!!!
    Posta mais!!!
    Beijos, Giselle

    ResponderExcluir

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo