14 de jun de 2015

Dangerous Woman - Capitulo 28




Permaneci no quarto com Arthur até ele terminar de tomar o soro e poder
sair. O médico já havia passado todas as suas recomendações e tinha
assinado a alta de Arthur. O soro acabou e logo uma enfermeira baixinha
surgiu quarto a dentro. Era a mesma que havia me ajudado na entrada do
hospital.

 - Se sente melhor? - ela perguntou tirando a agulha do braço dele e
Arthur fez uma careta que me deu vontade de rir.

 - Sim, eu estou bem. Para falar a verdade, eu estou ótimo - ele disse
sorrindo em minha direção e a enfermeira acompanhou seu olhar e riu
compreendendo.

 - Entendo - ela riu - Você formam um belo casal. Cuide bem dele.

 Ela sorriu para nós dois mais uma vez e saiu do quarto levando a agulha
e a embalagem que antes continha o soro. Arthur se virou com cuidado
colocando as pernas para fora da cama. Fui até ele o ajudando a ficar de
pé e passei seu braço pelo meu ombro o dando suporte e segurando em seu
tronco como podia. Saímos do quarto e andamos por aquele corredor juntos
até chegarmos a sala de espera. Os garotos e minhas amigas se levantaram
e Katia e Alex foram as primeiras a virem abraçar Arthur. Ele afagou
os cabelos da irmã sem poder pega-la no colo por conta das costelas
fraturadas.

 - E aí, cara? Como se sente? - Mika perguntou batendo no ombro do amigo.

 - Estou melhor, Mika. Vou ficar bem e eu tenho alguém para cuidar de mim
- ele me deu um beijo na bochecha e eu sorri deitando a cabeça em seu
peito.

 - Yey! Vocês se acertaram - Beca disse sorrindo.

 - Eu acho que não conheço você - Arthur disse risonho olhando para ela.


- Me sinto até ofendida. Como você não se lembra da garota que ajudou a
sua garota a te carregar para dentro de casa quando você levou uma
surra? - ela estreitou os olhos cruzando os braços e rindo.

 - Ah! Você estava lá também! Perdão - Arthur sorriu e acenou para ela.

Mel não estava com a melhor das caras e estava quieta agarrada com
Chay. Eu falaria com ela depois. Joe apareceu acompanhado por Kenny e eu
soltei Arthur por um momento para ir abraçá-lo.

 - Você está bem? - perguntei o apertando com cuidado.

 - Estou sim, Lu. Nada de anormal para quem é seu segurança há algum
tempo já - ele disse rindo e eu dei um tapinha de leve em seu ombro bom,
mas depois comecei a rir também.

 Sorri para Kenny e voltei para perto de Arthur o abraçando novamente.

 - Joe, eu tenho que voltar para casa correndo que minha esposa me
ligou, tem alguém que possa vir te buscar ou te levar embora? - Kenny
perguntou depois de ler alguma coisa no celular.


Antes que eu pudesse dizer qualquer coisa ou me oferecer para levá-lo
Beca tomou a minha frente.


- Bom, eu vim sozinha e não tenho compromisso nenhum. Posso te levar
embora, se você não se importar - ela disse sorrindo para ele.

 - Pode ser - ele sorriu de volta e pude perceber certo clima se formado
entre aqueles dois.  - Problema resolvido então - Kenny disse sorrindo -
Tchau parceiros, se cuidem e vejo vocês amanhã.

 Kenny me deu um beijo na testa e deu um toque com os garotos antes de
sair. Os garotos ficaram conversando com Arthur por um tempo e ele já
parecia um pouco melhor.


- Bom, vamos deixar o bundão aqui ir para casa descansar - Bernardo disse
fazendo um toque com Arthur e os garotos fizeram os mesmos.


Mel mesmo com cara de brava me abraçou forte, assim como Beca e Katia
e os meninos me deram um beijo na bochecha ao se despedirem. Saímos do
prédio e quando Arthur fez menção de ir para o lado do motorista eu o
impedi.


- Nem pensar. Quem vai dirigir sou eu, bonitinho - falei o guiando para
o lado do passageiro.

 - Isso é sério? Eu tenho amor pela minha vida, Lua - ele disse
rindo e sentando no carro.

 - Nossa, como você está engraçado, né? - o fuzilei com os olhos e dei a
volta no carro tomando o volante.

 - Sempre, linda.

 - Isso tudo é saudade, só pode.


- Você está certa - ele disse e me roubou um beijo antes de eu dar
partida no carro.

 Separei nossos lábios e liguei o carro. Começou a tocar "Just The Way
You Are" do Bruno Mars no carro e Arthur aumentou o volume um pouco.

 n/a: vocês podem colocar pra tocar se quiserem, vocês que sabem
hsjabaiaka o link


* - Oh, her eyes, her eyes
Makes the stars look like they're not shinning.
*


Ele cantarolou olhando para mim e eu sorri sem tirar o olhar da estrada.

* - Her hair, her hair
 Falls perfectly without her trying
 She's so beautiful and I tell her everyday
* - ele continuou passando a
mão pelo meu cabelo.


A voz de Arthur era maravilhosa e eu estava me derretendo com ele
cantando só para mim. Podia parecer bobo, mas aquilo aquecia meu coração
do frio que eu havia sentido enquanto ele estava longe.

* - Yeah, I know, I know
When I compliment her she won't believe me
And it's so, it's so
Sad to think that she don't see what I see
But every time she asks me, do I look okay
I say* -
ele se inclinou um pouco para frente para que eu pudesse ver o
seu rosto - *When I see your face
There is not a thing that I would change
Cause you're amazing
Just the way you are*



Decidi parar o carro no primeiro lugar que encontrei no caminho. Eu
precisava prestar atenção nele e eu já estava ficando distraída em
relação a direção.

 *- And when you smile* - ele segurou meu queixo e eu instantaneamente
sorri -  *The whole world stops and stares for awhile
Cause, girl, you're amazing
Just the way you are, hey
*


 Ele se aproximou de mim me puxando para perto e deixou nossos lábios a
milímetros de distância.

* - Her lips, her lips
I could kiss them all day if she let me
Her laugh, her laugh
She hates but I think it's so sexy
*



Ele fez cócegas na minha barriga e eu ri ganhando um sorriso dele de volta.
 - *She's so beautiful
And I tell her everyday
Oh, you know, you know
You know I'd never ask you to change
If perfect's what you're searching for
Then just stay the same
So don't even bother asking if you look okay,
You know I'll say*



 Ele me puxou de volta para perto e eu toquei seu rosto com cuidado.

 - *When I see your face
There is not a thing that I would change
Cause you're amazing
Just the way you are
And when you smile
The whole world stops and stares for awhile
Cause, girl, you're amazing
Just the way you are*



 Arthur entrelaçou os dedos entre os meus cabelos e encostou sua testa
na minha.
 - *The way you are
The way you are
Girl, you're amazing
Just the way you are
*
 Ele sussurrou a última parte com a boca rente a minha.

 - *When I see your face
There's not a thing I would change
Cause you're amazing
Just the way you are
And when you smile,
The whole world stops and stares for awhile
'Cause, girl, you're amazing
Just the way you are, yeah
*

 A música parou e Arthur me olhou bem nos olhos e  quebrou a distância
de nossas bocas. Segurei em sua nuca e ele apertou minha cintura. Beijar
Arthur superava todas as minhas expectativas, cada beijo era uma
sensação diferente e um misto de emoções ocorria dentro de mim todas as
vezes que nossos lábios de tocavam. Quando o ar nos faltou ele parou o
beijo puxando meu lábio inferior com os dentes e e sorriu para mim.

 - Eu senti tanto a sua falta - falei dando um selinho demorado nele,
que tentou aprofundar, mas eu quebrei o beijo rindo e passei os dedos
pelo seu rosto - E a propósito, sua voz é linda.

 Ele abaixou o olhar sem graça e eu puxei seu rosto de volta para mim o
beijando mais uma vez.

 - Eu senti falta de poder te tocar. Porra, Lu! Você não pode fazer
isso comigo. Eu estava a ponto de enlouquecer!

 - Ou de morrer - falei rindo - Mas eu percebi que perto de mim você
fica mais seguro do que longe.

 - É bom que a senhora pare com aquela história de não ser boa o
suficiente para mim. Lua, você é tudo o que eu preciso e tudo o que
eu quero.

 Ele segurou na lateral do meu rosto e eu sorri para ele. Roubei outro
beijo dele e voltei a me sentar certo no banco.

 - Hora de ir para casa, gordinho.

 Ele riu e eu liguei o carro novamente.

 (...)

 Abri a porta do quarto com Arthur beijando o meu pescoço e me abraçando
por trás. Ri por conta dos arrepios que aquilo estava me causando e
fechei a porta logo em desvencilhando de seus braços.

 - Ei! Volte aqui - ele disse me puxando pelo braço e voltando a beijar
o meu pescoço.

 - Arthur, você sabe que tem que fazer repouso! - falei tentando escapar
dele de novo, mas ele estava me segurando firme pela cintura.

 Seus beijos pela minha clavícula estavam me deixando mole e meu corpo
estava começando a ficar em chamas. Eu estava quase empurrando ele na
cama e fazendo tudo o que eu tanto queria, mas meu lado são me fez criar
forças e empurrar ele devagar para longe de mim antes que a tentação
tomasse conta.

 - Nada disso até o senhor melhorar - falei enfim conseguindo me soltar
dele.

 - Lu, qual é. A gente fez isso até quando eu tinha tomado um tiro.
Qual o problema em fazermos agora? - ele perguntou fazendo a melhor cara
de cachorro sem dono que ele tinha e eu ri indo até meu closet.

 - Eu já disse que não, gordinho.

 - Você e esse apelido agora. Só eu te chamo assim - ele disse cruzando
os braços desdenhoso.

 Revirei os olhos e peguei uma camisola e uma calcinha em minhas gavetas
e passei por ele, indo em direção ao banheiro. Ele me seguiu e eu
comecei a me despir.

 - Você só está tornando as coisas mais difíceis - ele disse fazendo
bico e eu fui até ele o dando um selinho.

 - Toma banho comigo? - perguntei ligando o registro.

 Ele sorriu malicioso e veio já se despindo. Ele entrou no box e me
abraçou beijando meu ombro.

 - Só banho, Arthur - falei rindo.

Arthur tentou algo a mais, mas como eu havia dito, não faríamos nada de
mais com ele machucado como estava. Assim que saí do banho, me sequei e
peguei uma toalha para Arthur. Eu precisaria ajudá-lo com os curativos e
a passar os remédios que ele precisava por conta dos machucados. Me
vesti e ele fez o mesmo, ficando apenas com uma calça de moletom e o
tronco nu. Karma pulou na cama e se aconchegou no meio das pernas
cruzadas de Arthur e ele sorriu afagando sua cabeça. Aquela bolinha de
pelos já estava ficando grande.


Me sentei em frente a ele com os remédios em mãos e comecei a passar o
algodão com o produto pelos ferimentos. Precisei reenfaixar o tronco de
Arthur por conta de suas costelas, o médico havia me ensinado como
fazê-lo. Ele resmungou de dor e eu terminei de prender a faixa com um
esparadrapo para que ficasse firme e não se soltasse. Karma estava
cochilando no colo de JustinArthur e eu o peguei o levando até a sua caminha,
aonde ele se ajeitou e continuou como estava. Voltei para a cama e me
sentei sobre as pernas de Arthur. Ele tirou meu cabelo do meu rosto e eu
me aproximei roçando meu nariz no dele.


- Vamos dormir. Já é de manhã e nós precisamos descansar.


Ele assentiu e eu saí de cima do seu colo ajeitando os travesseiros e
depois me deitando. Arthur se deitou também me puxando para perto e
colocando suas pernas misturadas com as minhas. Coloquei minha mão sobre
a dele em minha barriga e entrelacei nossos dedos. Não demorou muito
para que o sono chegasse e logo eu apaguei aos poucos, deixando o sono
tomar conta do meu corpo.

 Arthur P.O.V.


Acordei com o meu corpo ainda pouco dolorido por conta dos machucados,
mas senti aquele cheiro impregnando minhas narinas e sorri. Era o cheiro
dela. Apertei mais Lua contra o meu corpo e afundei meu rosto em seu
pescoço. Lua se remexeu e ainda inconsciente pelo sono se virou
ainda em meus braços ficando de frente para mim. Ela suspirou e parou
seu rosto próximo ao meu. Toquei seus lábios entreabertos e ela
continuou imóvel. Eu poderia passar horas a fio olhando para ela sem me
cansar, decorando cada detalhe seu.  Beijei o canto de sua boca e depois
seus lábios seguidas vezes. Lua se espreguiçou abrindo os olhos e
sorrindo e depois se agarrou ao meu pescoço me dando um beijo mais
profundo. Segurei sua coxa trazendo sua perna para a minha cintura e ela
gemeu fraco.


- Eu já disse que nós não podemos fazer isso por enquanto - ela disse
com a boca grudada a minha e riu de leve.

 - Isso é tão injusto - falei a beijando e ela negou com a cabeça.


Ela voltou a me beijar e eu aproveitei o contato a deixando o mais perto
possível.


- Amo você - ela sussurrou e sorriu.


- Diz de novo - pedi beijando seu sorriso.

 - Amo você. Amo você. Amo você - ela disse eu me abraçou afundando o
rosto no meu peito.


- Também amo você. Muito.


Fiquei com ela deitado por um bom tempo até me lembrar de uma coisa e
dei um pulo da cama fazendo Lua me olhar assustada. Peguei o celular
na mesinha e quando vi as horas praguejei me vestindo correndo,
ignorando meus machucados.


- O que está acontecendo, seu doido? - ela perguntou franzindo o cenho
ao olhar o meu desespero.


- Eu tenho uma entrevista de emprego e já são 14:10. Não posso chegar
atrasado.

 - Uma o que? Como assim entrevista de emprego? - ela perguntou se
levantando e vindo em minha direção.

 - Lua, eu não vou mais receber para ficar por perto de você. Isso
não é certo.

 - Mas dai você fica mais tempo comigo - ela disse manhosa me abraçando
- Não te quero longe e além do mais, você está machucado.

 - Eu vou conversar com o pessoal e mostrar a minha licença. Se eles
concordarem, eu começo a trabalhar assim que possível - falei e vesti
meu moletom.

 - Eu não estou 100% de acordo com isso, mas... - ela suspirou - Boa sorte.

 Dei um beijo rápido nela e peguei o celular e saí correndo. Eu havia
combinado com Kenny de ele me trazer o meu carro até a casa de Lua e
ele assim o fez. Entrei no meu Audi e saí cantando pneu dali.

Lua P.O.V.

 Depois de Arthur sair de casa eu tive que me obrigar a levantar da
cama. Me troquei e saí com Kenny para receber algumas cargas, já que Joe
iria ficar uma semana se recuperando do tiro. Efetuei pagamentos e
passei receber o balanço do mês de todos os meus homens e depois
retornei para casa. Já passavam da 17:00 e quando estacionei a Range na
entrada vi que  o Audi de Arthur já estava parado em seu lugar
novamente. Travei meu carro, me despedi de Kenny e entrei em casa,
encontrando Arthur sentado no sofá da sala assistindo TV.

 - Você está muito folgado, gordinho - falei rindo ao ver ele comendo um
pacote de Skittles.

 Me joguei ao seu lado no sofá e roubei o pacote de sua mão virando um
pouco do conteúdo na boca.

 - Ei! - ele protestou e eu ri devolvendo o pacote para ele.

 - Como foi a entrevista? - perguntei tirando meus sapatos e apoiando os
pés na mesa de centro. Arthur ficou quieto - O que foi? Não deu certo?


Ele continuou quieto e eu franzi o cenho preocupada. Por mais que eu não
quisesse ele longe eu queria que ele conseguisse o que queria e eu sabia
o quanto a luta era importante para ele. Arthur olhou para mim e depois
começou a rir.

 - Eu consegui! Eles concordaram em esperar eu me recuperar para começar
a dar as aulas por causa das recomendações do meu mestre.

 - Parabéns, parabéns, parabéns! - falei o beijando e o abraçando feliz.

 - Obrigada, meu amor.

 Sorri com o jeito que ele me chamou e o beijei mais uma vez e depois
deitando em seu peito. Ficamos assistindo TV por um bom tempo até que
por volta das 20:00 meu estômago roncou alto e Arthur olhou para mim rindo.

 - Não ouse falar o que está nessa sua cabecinha, moço - o alertei e ele
levantou as mãos rendido - Vem, vamos comer alguma coisa.


Me levantei e o puxei pela mão o ajudando a ficar de pé. Fomos até a
cozinha e Luz estava no fogão preparando algo.

 - O que temos para hoje, Luz? - perguntei me sentando no balcão ao lado
do fogão.

 - Sopa. O clima está frio e ela irá ajudar a esquentar - ela disse
sorrindo - Desça dai, menina!

 Ri e pulei ficando de pé ao lado dela e lhe dando um beijo na bochecha.

 - Olha quem está de volta, Luz - apontei para Arthur e ela sorriu ao
vê-lo.

 - Vejo que finalmente conseguiu a Srta. Lua de volta - ela riu.

 - O que você quer dizer com finalmente? Luz, tem dedo seu na vez que
ele entrou no meu quarto? - perguntei a olhando chocada e ela não
respondeu e só riu continuando a mexer na panela - Olha isso é um motim.

 - Deixa de ser chatinha - Arthur passou o braço por cima do meu ombro e
nos guiou até a mesa para nos sentarmos. 

 Luz nos serviu a sopa e ela estava realmente deliciosa. Arthur e eu
subimos para o meu quarto depois que terminamos de comer. Arthur ficava
tentando alguma coisa a mais e eu tinha que ficar, mesmo a contragosto,
fugindo dele.


- Lu, por favor. Não me faça ficar implorando. Eu preciso de você - ele
disse puxando meu lábio inferior para si.

 -Arthur, você sabe que isso não está sendo fácil para mim também -
falei gemendo fraco quando ele apertou minha bunda.

 - Então para de fugir.

 Arthur ficou por cima de mim e começou a descer seus beijos pela minha
clavícula e eu agarrei seus cabelos fechando os olhos em puro êxtase.
Ele puxou meu shorts para fora do meu corpo e o jogou em um canto
qualquer. A razão já havia fugido completamente da minha cabeça e eu não
sabia mais o que eu estava fazendo. Empurrei o shorts de Arthur com os
pés para fora do se corpo e ele puxou minha regata pelos meus braços me
deixando só de lingeri. Enfiei minhas mãos por baixo da camiseta de Arthur e a levantei retirando-a do seu tronco. Meu corpo estava entrando
em combustão. Ele tirou minha calcinha de mim, abaixou sua cueca e
entrou em mim de uma vez. Gemi alto com tal ato e Arthur segurou em
minha cintura. Agarrei suas costas com as unhas e prendi minhas pernas
em sua cintura nos aproximando mais. Meu corpo havia sentido falta do
seu e só agora isso era perceptível. Arthur aumentou sua velocidade e eu
me agarrei aos lençóis revirando os olhos e perdendo o ar por alguns
segundos. Tomei seus lábios para mim e mordi sua boca quando meu corpo
se retraiu em prazer com seu toque. Arthur sorriu sacana e desacelerou
me puxando para ficar em seu colo. Quase gritei com a profundidade que
ele atingiu dentro de mim e precisei me apoiar em seus ombros para
manter o equilíbrio. Quando eu estava quase em meu máximo, Arthur se
deitou sobre mim novamente e começou a ir mais fundo. Puxei os cabelos
de sua nuca e senti meu corpo entrar em torpor. Me senti nas nuvens e
Arthur beijou meu pescoço e depois minha boca. O puxei para perto e ele
caiu cansado por cima de mim. Ele poderia ser pesado, mas ter seu corpo
tão próximo ao meu era bom.

Arthur resolveu se deitar ao meu lado e me puxou para cima de si. Puxei
o lençol nos cobrindo e ele sorriu puxando meu rosto para o seu e
fazendo nossos lábios se encontrarem.

 - Suas costelas não estão doendo com o meu peso? - perguntei apoiando o
queixo em seu peitoral.

 - Como se você fosse muito pesada, né gordinha? - ele disse rindo e eu
o olhei feio.

 Arthur tirou o cabelo suado que estava grudado em minha testa e ele
parou me encarando. Eu ficava sem graça com tanta atenção e abaixei a
cabeça fugindo dos seus olhos.

 - Não foge - ele disse puxando meu rosto de volta e eu sorri tímida.

 - Sabe o que eu estive pensando durante a tarde? - questionei passando
a unha devagar por seu peito e fazendo círculos na região.

 - O que você esteve pensando? Compartilhe comigo - ele sorriu
deslizando as mãos pelas minhas costas e eu me arrepiei com seus toques.

 - Ah, é uma ideia boba. Esqueça - me levantei, mas ele me puxou de
volta se sentando na cama e me colocando sobre suas pernas.

 - Agora você vai me dizer. O que esteve pensando? - ele me olhava atento.


- Eu estive pensando se... Se você não gostaria de vir morar aqui comigo
na mansão. Já que não vamos poder ficar perto por tanto tempo já que
você vai começar a trabalhar, você poderia se mudar para cá. Ia dizer
também para você trazer sua mãe e seus irmãos também, eles ficariam mais
seguros aqui. Só tive quem trabalha comigo como companhia por um bom
tempo e aí... Bom, você apareceu. Suas irmãs e sua mãe, por mais que
ela tenha ficado daquele jeito comigo, foi o mais perto de família que
eu já tive depois de perder meus pais e meu irmão. Eu só... - Arthur
estava em silêncio e com uma expressão indecifrável no rosto. Me
arrependi na hora - Ah, eu disse que era uma ideia boba. Esqueça que eu
disse isso, ok?


Justin me olhava com um misto de surpresa e não sei o que mais em seu
rosto. De repente vi um sorriso brotar no canto do seu rosto e ele
segurou na lateral do meu rosto acariciando minha bochecha.

 - E se eu quiser vir morar com você, am? - ele perguntou ainda sorrindo.



Arthur P.O.V.


 - É sério? Você está falando sério sobre aceitar vir morar comigo?

Lua olhava surpresa para mim e eu ri da sua expressão.

 - Sim, eu estou falando sério. Ah menos que você tenha mudado de ideia e...

 - Não! - ela disse afobada - Ah meu Deus! Eu mal posso acreditar!


Lua pulou no meu |pescoço me beijando e eu a beijei de volta
segurando em sua nuca.

 - Vou conversar com a minha mãe, mas por mim está fechado, linda.


- Eu estou tão feliz! Sério, eu mal consigo acreditar!


Depois daquela conversa eu e Lua tomamos banho e ficamos jogando
papo fora por um bom tempo até ambos ficarmos com sono.


(...)

 Minha mãe abriu a porta e sorriu ao ver a mim e a Lua na porta.Mitch apareceu correndo e abraçou minhas pernas. Lua a pegou no colo
a trazendo para cima para que ela conseguisse me abraçar e eu sorri com
aquilo.

 - Entrem! Você precisa se sentar, Arthur - minha mãe disse dando espaço
para que nós entrássemos e ela fechou a porta atrás de nós.

Alex estava na sala brincando na sala e assim que nos viu veio
correndo ao nosso encontro.


- Aguiar!

 Me abaixei com cuidado e abracei minha baixinha afagando seus cabelos
loiros.

 - Tudo certo? - perguntei e ela assentiu.


- Venham para a cozinha! Acabei de preparar um bolo - minha mãe disse e
nós a seguimos.


As crianças falavam ao mesmo tempo fazendo barulho e Lua ria da
situação enquanto nos servíamos com o café da tarde preparado pela minha
mãe.


- Coma devagar - Lua riu limpando o chocolate da bochecha de Alex
enquanto ela estava em seu terceiro pedaço de bolo - Você vai ter dor de
barriga desse jeito!

 Minha irmã não deu atenção e continuou comendo. Neguei com a cabeça e
passei a mão pelo cabelo de Mitch e ela sorriu tomando seu suco.


- Mãe, hoje nós é que viemos falar com você - disse limpando a boca com
o guardanapo e peguei a mão de Lua e ela sorriu para mim.

 - Podem falar.


Minha mãe havia voltado ao seu tom doce com Lua novamente, sua
paranóia havia passado ou ela estava aceitando melhor a situação.


- Katia, eu fiz uma proposta para Arthu e queria saber o que você acha.


- Sou toda ouvidos.


- Eu convidei o Arthur para morar comigo - ela parou de comer e olhou
para Lua, assim como minhas irmãs - Mas isso também inclui você e as
crianças. Eu acho que vocês ficariam não seguros morando comigo, eu
poderia cuidar da segurança de vocês mais facilmente.


Katia ficou estática nos olhando. Ela não parecia brava, só parecia bem
surpresa e isso já havia me deixado mais aliviado.

 - Vamos, por favor! - Mitch pediu olhando para Katia.

 - Por favor, tia Katia! - Alex levantou indo para o lado dela e
juntando as mãozinhas em súplica.


- Eu... - minha mãe estava sem saber o que dizer.

 - Mãe, isso é uma boa ideia. Eu vou ver mais vocês e vou me sentir
melhor sabendo que vocês estão protegidos.

 - Eu... - ela fez uma pausa de novo - Bom, se é pela segurança das
crianças... Eu aceito.


Minha mãe sorriu e as crianças vibraram em comemoração. Lua se
levantou e Katia também e as duas se abraçaram.

 - Posso pedir para os meus homens virem buscar as coisas no final da
semana? Acho que é tempo suficiente para vocês arrumarem as suas coisas
- Lua questionou e minha mãe assentiu.

 - Tudo bem. Não preciso nem perguntar se vocês estão de acordo, certo
crianças? - Katia perguntou e eles comemoraram mais uma vez.


Lua e Mitch ficaram na cozinha ajudando minha mãe e conversando e eu
fui até a sala jogar videogame com o minha irmã. Depois de eu deixar
Alex ganhar pelo menos 5 vezes no jogo do Mário, Lua apareceu na
sala com Mitch no colo e minha mãe. Elas estavam rindo e eu gostei daquilo.


- Vamos sair jantar, amor? - Lua me perguntou se sentando ao meu lado.

 - Claro!


- Katia e as crianças irão com a gente! Será um jantar de comemoração
por vocês irem morar comigo.


Lua irradiava felicidade. Eu podia ver seus olhos brilharem mais que
o comum e aquilo era bom demais. Dei um beijo nela e ela me abraçou.

Nós rimos e conversamos por mais uma meia hora. Ficou combinado que eu e
Lua iríamos para a casa dela tomar banho e depois voltaríamos buscar
as crianças e minha mãe. Lua dormiria ali depois e me ajudaria a
organizar as minhas coisas para levar para a sua casa.


Eu e Lua e nos despedimos e seguimos de volta para a sua casa. Melhor
dizendo agora, a nossa casa.

Notas Finais.
Sim. A Lu vai ficar gravida de novo...

9 comentários:

  1. Ebaa... Ansiosaaaaaaa... Postaaa maiiis amoree....

    ResponderExcluir
  2. Linda de maissssss ... Amo essa Webb!!!!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Quando ela vai ficar grávida?! Amando a web ♥♡☆★

    ResponderExcluir
  5. Amo demais essa web, mais desde o começo tenho uma duvida. Alex é menino ou menina? Posta mais. By; Lê

    ResponderExcluir
  6. Saudades dessa webbbb !!!!! Amoreee pelo amor se deus quando vc volta ?

    ResponderExcluir
  7. Você não vai mas posta essa web não ?

    By:ana

    ResponderExcluir

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo