16 de fev de 2015

A Proposta. - Everything Is Starting



Flórida, Miami. 
Lua Blanco. - Point Of View. - 13;10pm

— Larga isso, Mel! - Fisher discutia com Mel por causa de um pacote de biscoito.

— Não eu quero isso. - Mel puxou.

— Solta agora. Lua me ajuda aqui! - Fisher pediu.

— Desculpa...To ocupada. - Falei, peguei um shampoo que era cheiroso pelo visto.

— Você quer essa porcaria? Toma. - Mel empurrou o pacote contra o peito de Fisher a fazendo ir pro chão.
— Filha de uma...- Mel a cortou.

— Fala da minha mãe que eu te mato. - Mel ameaçou, rolei os olhos.

— Dar pra vocês duas agirem que nem duas adultas? Tão parecendo criança em busca de doce. - Falei.

— Ela começou eu só quero o biscoito. - Mel protestou.

- Pega essa merda. - Dei pra ela. - Come tudo até sair pelo seu olho.

 Empurrei o carrinho de compra e fui pra sessão de limpeza, meu apartamento precisava de uma ótima limpada. Peguei o necessário pra hoje.

— Eu to esquecendo de algo? - Perguntei, Fisher bufou.

— Se não quer que seu cachorro morra de fome. Compra a ração. - Fisher falou.

— Obrigadoo.- Falei e mandei um beijinho pra Fisher, que o jogou longe.

Peguei o saco de ração e umas novas vasilha, meu cachorro não é de Deus ele come as vasilias. Levantei meu olhar e vi um homem me encarando, assim que percebeu que o encarava pegou no ouvido e sussurrou algo saindo dali. Deus...só pode ser algo da minha cabeça.

—Mel, pega aquele refrigerante pra mim? - Fisher falou.

— Pega você. - Ela se apoiou no carrinho.

— Para de ser rabugenta! Pega logo! - Fisher bateu o pé.

— Eu não bebo refrigerante. - Mel  falou.

- Depravada. - Fisher foi até no freezer. - Eu bebo.

— Sabe o significado de depravada? - Mel arqueou a sobrancelha ao falar.

— Não. - Fisher rolou os olhos.

— Então não fala o que não sabe. - Mel falou. - Eu gosto se suco.

— Porra. - Respirei fundo. - Parem de brigar! Juro que se vocês aparecesse no hospital eu não salvaria nenhuma.

— Tá se achando só porque vai virar médica. - Fisher falou e Mel  gargalhou.

— Querida Lua. - Mel me encarou. - Eu vou ser advogada, vou te processar em dois tempo.

— Calada Fisher. Não quero saber sua profissão eu já sei.- Falei antes que Fisher se gabasse da profissão dela.

— Vamos pra casa. - Mel me deu um soco de leve.

 Rolei os olhos e ri, pagamos aquelas compras e as meninas me ajudaram a colocar as compras no porta-malas e coloquei as delas junto com as minhas. Seguir pro meu apartamento ouvindo as meninas brigarem...novamente, me pergunto até hoje como elas moram no mesmo apartamento, juntas.

Abrir a porta do carro e destravei o porta-malas, peguei minhas compras e fechei o porta-malas.

— Meninas to subindo. - Falei, quase morrendo com tanta sacola.

— Tudo bem iremos subir depois. - Mel falou.

— Vão lá em casa mais tarde? - Perguntei.

— Talvez...Cala boca, Fisher. - Mel a empurrou.

Bufei e travei o carro enquanto as meninas iam pro carro delas, era engraçado a gente morava no mesmo prédio só que em andares diferentes e elas ainda saíam de carro pra ia a outra garagem. O elevador chegou e  entrei mexendo no celular e apertei o número 8 , o elevador fechou a porta e eu vi o mesmo cara do mercado me olhando. Um arrepiou subiu e eu comecei a tremer, meu peito começou a subir e descer e eu derrubei as compras no chão, minha respiração começou a falhar,  procurei minha bombinha pra asma, sentindo cada vez mais o ar me faltando. Levei ela até minha boca e apertei ela sentindo a minha respiração controlar e eu conseguir respirar direito, passei a mão no cabelo e respirei fundo, recolhi as compras e continuei com a bombinha na mão. Olhei pro corredor e comecei a dar passos rápidos, abrir a minha porta e a fechei seja quem for não to afim de brincadeira.

— Oi, meu amor. - Marley começou a pular.

Levei as compras até a cozinha e comecei às desfazer enquanto Marley continuava pulando. Meu celular começou a tocar e o peguei vendo número desconhecido na tela.
— Alô? - Falei.

O outro lado da linha ficou mudo apenas ouvi a respiração de outra pessoa.

— Alô? - Falei novamente. - Bom, se não quer falar não liga. - Nada novamente. - Okay...Tchau.

Coloquei meu celular na mesa e balancei a cabeça, minha tarde já não ta muito boa é fica pior com gente pregando peça nem era Hallowen ainda.

                        ******

Ouvia música enquanto varria a casa, Marley estava brincando com novo osso que eu havia comprado. Meu telefone começou a tocar pensei que fosse aquele número novamente pois iria mandar ele tomar sol em um ótimo lugar.

— Alô? - Falei.

Lua? - Mel.

— Oi, Mel. - Falei e abaixei o som da TV. - O que houve?

Nada. - Falou. - Queria ouvir sua voz.

— Ta sozinha em casa né? - Falei.

Uf...To. - Falou e eu gargalhei. - Não é motivo pra graça, Lua!

— Vem pra cá. - Falei.- Ai você me ajuda a arrumar aqui.

Abre a porta então. - Falou.

Fiz careta e abrir a porta vendo Lauren olhando pra todos os lados.

— Oi, medrosa. - Falei e ela entrou se jogando no sofá. - Fique a vontade. - Debochei.

— Lua, eu tava pensando. - Mel caminhou até a cozinha. - Que tal irmos pra Las Vegas?

— Las Vegas? não eu to bem aqui. - Falei.- Pra falar a verdade, Flórida e quase Las Vegas.

— Não é...- Mel veio até mim.- Qual é a graça de morar aqui?

— A graça? É que você irá se formar aqui...É trabalhar também. - Falei.

— Lua. - Mel me chamou. - Você ta com medo.

— Medo? Medo de quê? - Falei.

— Sabia...- Mel apontou o dedo pra mim.- Você tem medo de viajar.

— Claro que não. - Falei.

— Avião, avião Lua. Você tem medo de avião. - Mel gargalhou.

— É fobia ta? - Falei.

— Sei...- Mel cessou o sorriso. - Lembra do cara que conheci na boate semana passada? - Ela mudo de assunto tão rápido.

— Lembro...

— Ele me ligou e me chamou pra sair. - Falou.

— É o que eu tenho haver com isso? - Falei.

— Você vai me emprestar um vestido. - Falou.

— NÃO...NÃO! Lembra da última vez? - Falei. - Você rasgou meu vestido.

— Não fui eu...-Ela encolheu os ombros. - Foi o cara.

— Mesmo assim.- Falei. - Pede a Fisher.

— Ela não me empresta nada. - Fez bico.

— Azar o seu. - Mandei um beijinho. - Sai daqui, quero arrumar a sala.

— Idiota. - Mel murmurou e saiu batendo o pé.

Aumentei o som novamente, mas o som do meu celular fez eu abaixar novamente.

— Alô? - Falei assim que atendi

Lua Blanco?

— Ela mesma.

Tenho um aviso pra você. - Tome cuidado as pessoas que você mais confia podem ser as mais falsas. - Desligou.

— Lua?- Mel me chamou. - Está bem?

—Estou por que? - Perguntei

— Está pálida. -Mel falou.

— É só a crise que voltou. - Falei.

— Quer a bombinha? -Mel pegou minha mão.

— Água está bom. - Falei e ela assentiu indo até a cozinha.

Oh, Deus...faça que isso seja uma brincadeira.

          Tudo está apenas começando...


                          ******
      Estou até com vergonha desse capítulo kkk mais essrecap foi pra mostrar as ameaças e tal...Posto o outro amanhã :3

2 comentários:

  1. Vergonha dessa perfeição pra que!? Ta pft *-*,LuMel kkkkkkkkkk ❤

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo