25 de jan de 2015

Nervous Girls



Espero que gostem!

Inspirada na música Nervous Girls -Lucy Hale



-Posso? -ele perguntou puxando a cadeira vazia a minha frente.
-Era realmente uma pergunta? -eu indago quando ele já estava sentado a minha frente na mesa do refeitório,minha mesa estava vazia,em um refeitório lotado.
-Não queria ser rude -ele fala se inclinando para frente e encarou minha bandeja de comida,intocada,antes de me olhar diretamente,eu não sou particularmente impressionante.
-Não está funcionando -eu falo e desvio o olhar para comida,tentando desprezar a repulsa que me causa - O que quer aqui? -levanto o olhar novamente -Não me preocupo em ser rude.
-Eu reparei -ele fala -E não me impressiona.
-E o que te impressionaria?Uma alma bela por trás disso?-passo a mão pelo meu rosto rapidamente -Ainda não entendi o que quer aqui.
-Eu era seu melhor amigo -ele fala e encara meus olhos novamente.
-Ainda bem que sabe usar os tempos verbais -falo encarando os olhos castanhos dele até o momento que ele se levanta e sai andando.


...

"Lua.
É assim que me chamam.
Olhos castanhos.Cabelos escuros.Sorriso falso e triste no rosto.
A noite estava fria,já está quase na hora de dormir,o meu jantar já havia descido pela descarga sem um único toque.Foi um dia feliz.Eu acho."

O barulho de pedregulhos contra o vidro tiraram minha atenção do papel a minha frente,tinta preta manchava o ponto aonde eu presionava.
Levantei-me e andei até a porta da sacada e Arthur estava lá em baixo me olhando por trás dos óculos de armação quadrada e com um casaco cinza.

-O que faz aqui? -perguntei me encolhendo pelo vento gelado.
-Eu posso subir? - ele pergunta e eu encaro a rua deserta e cinzenta antes de assentir.
A árvore ao lado da minha sacada ajudava,em alguns instantes ele estava parado a minha frente arrumando os óculos e se encolhendo de frio.

-O que quer aqui? -pergunto indo em direção ao quarto,e me viro para ele depois que sei que ele fechou a janela.
-Eu quero conversar com você -ele fala e fica novamente de frente para mim -Eu sinto sua falta.
-Não sei porque -respondo cruzando os braços em frente do corpo.

-Porque?Porque eu cresci ao seu lado,porque você sumiu-ele fala e respira fundo antes de completar:
-Porque eu amo você
Eu fico em silêncio,absorvendo aquelas palavras que já havia escutado antes,e que agora pareciam ter um gosto diferente,um significado diferente,amargo,como se não fossem reais.
-Mas eu não sei mais quem você é...você não é mais a garota...

-Não,eu não sou,eu sou a garota que você acha que sabe tudo - falo dando ênfase ao "acha" -Sim Arthur,sabe quem eu sou? Eu sou aquela garota que se olha no espelho e vê o que não é,que quer tudo que não tem! Eu sou essa garota -eu falo sentindo as lágrimas pararem a beira de rolar pelo meu rosto.

Ele me olhava de forma intensa mas não era como se tivesse pena,como quem olhava para mim demonstrava,só era tristeza.
-E o que você quer? -ele perguntou se aproximando da cama aonde eu havia,me sentado.
-Você não entende -eu falo me encolhendo e puxando mais a manga do casaco preto de moletom sobre os pulsos.

-Tente.
-Eu cheguei perto de ser perfeita,ou perto o suficiente...Para ver as peças se espalharem -direcionei meu olhar para ele que estavam marejados -É cruel
-É - ele se senta na cama -O mundo é muito cruel,mas não tem que se importar com o que os outros pensam.

Eu olhei para as minhas mãos pálidas e sorri triste antes de dizer:
-Você não...Os outros...as  palavras mais cruéis ditas sobre mim - Eu limpo uma lágrima solitária que cai - Vêm da minha própria boca.

-E porque? De que isso vale? -ele passou o olhar pelo meu rosto doente.Sim tenho consiência disso.Doente.Anorexica.Trágico não?

-A tentativa -eu falo normalmente.
-De que?
-De ser...perfeita -falo o obvio,a doce expectativa de sentir a perfeição comigo.
-Baseada em que?Em quem? Lua perfeição não existe e nunca existirá!

-E porque não? -eu pergunto com as lágrimas voltando a querer descer -Eu quase consegui,eu vou conseguir,eu...-eu olho para o meu corpo magro e encurvado...quase -Eu quase...
-Você está se destruíndo,você está doente...e você sabe disso!Então porque? -ele pega as minhas mãos as apertando e aquecendo.

-E o que vai me restar se eu desistir? Eu já desisti do meu coração,ele não vale a pena -eu falo sorrindo triste novamente para o garoto de cabelos castanhos a minha frente novamente.

-Ele vale...não tem ideia de quanto vale - ele coloca uma das mãos em meu rosto fazendo olhá-lo -O mundo é muito cruel,eu sei disso e você também sabe,assim como todas as pessoas que acreditaram em...perfeição.

-Mas..
-Pensa...pense na Collie quando não consegui a coroa de rainha do baile,ou quando a Penny teve aquele segredo horrível revelado para todos...
-O que isso tem haver?
-Uma acreditou que alcançaria a perfeição a outra na perfeição de outra pessoa...de um momento,eu não sei,só sei que nenhuma delas saiu feliz.
-Então somos todas iguais no fim? - eu pergunto e ele assente -Meninas estúpidas.
-Meninas nervosas -ele fala e eu olho para seus olhos sem nem perceber mais se eu estava chorando já que ele chorava,e aquilo me machuva.

-Como assim?
-Nervosas,ansiosas...para provar coisas desnecessárias,eu sei quem você é Lua,mas você tem que  se aceitar e ser feliz.
-E quem eu sou?
-Uma garota forte,e tragicamente confusa -ele começa a acariciar meus cabelos com uma mão enquanto a outra ainda segura meu rosto -Você tem medo e é corajosa...está entre essas duas coisas.Eu não me importo...eu só quero que você fique bem...realmente bem,e que os seus sorrisos sejam sinceros.E que toda aquela luz volte para você.

Eu não respondi,deitei minha cabeça em seu peito e passei meus braços em volta de sua barriga apertando forte e me aconchegando enquanto ele passava os braços em minha volta.
-Eu sinto muito -falei entre soluços.

-Eu também.
Após minha respiração se acalmar me soltei de Arthur e olhei para ele que tinha os olhos vermelhos e inchados.
-Eu ainda acredito em amor -falo com a voz ainda levemente embargada.

Arthur se inclinou e beijou minha testa e me abraçou novamente,suavemente,só para mostrar que estava ali.Ele se afasta em seguida e pega meus pulsos,puxando a manga comprida que cobre as cicatrizes,ele olha para os meus braços e beija cada um deles, em cima das cicatrizes.

-Vamos conseguir Lua -ele fala puxando as mangas de volta e me abraçando novamente,meu rosto já estava molhado por lágrimas novamente - Sei que vamos.
-Obrigada -falo e sinto ele beijar o topo da minha cabeça.

"E eu acho que todas nós somos
Iguais, no fim das contas
Sim, eu sou aquela garota
Que é exatamente como você".


Obrigada por lerem até o fim.

12 comentários:

  1. as cicatrizes nunca se apagam......
    ass: menina suicida......

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ou "menina suicida" se mata logo e para de comentar merda aqui o mundo ficará bem melhor sem você e o blog também

      Excluir
    2. Pessoas como vc causa isso

      Excluir
    3. Meu deus gente isso é comentário pra uma garota que precisa de apoio? "Se mata " ...bom (menina suicida)não sei quem você mas um conselho realmente nunca se apagará mas você pode dar a volta por cima de tudo isso

      Excluir
    4. As cicatrizes mostra o que você foi e que você é agora
      Ass: g.s.

      Excluir
    5. como dizem vocês conhecem as cicatrizes, não a história......
      só achei que pudesse expressar minha opnião em relação a hiso´ria da web pois sei oque é passar por isso....
      ass:menina suicida......

      Excluir
    6. Eu tbm sei menina suicida
      Ass g.s.

      Excluir
    7. Então g.s. sabe que comentários como do "anônimo" são só pra destruir...
      Ass:menina suicida

      Excluir
    8. As vezes destroem o que já não tem menina suicida
      Ass g.s.

      Excluir
    9. triste realidade....
      ass:menina suicida

      Excluir
  2. Ai que emocionante , sim vcs vão conseguir

    ResponderExcluir

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo