24 de nov de 2014

RebeldeS - Uma banda diferente.


Capítulo 1 – A manhã antes da detenção. Parte 1
Antes de vocês começarem a ler, eu queria dizer umas coisas. 1) Eu estava morrendo de saudade do blog. 2) Eu meio que misturei a historia do filme com uma que eu "criei", então algumas coisas no decorrer da fanfic não tem no filme. 3) Boa leitura, espero que curtam. 

Poetas. Gênios. Revolucionários.

Nós fomos chamados disso tudo! Mas a historia de como nos conhecemos, a historia de como nossa banda surgiu, é um mistério para todos os fãs.

Será que eles acreditariam se eu dissesse que tudo começou, na sala da detenção?  – espera. Se eu vou te contar isso, tenho que contar direito. Do inicio. Mostrar como foi a manhã onde tudo começou.

A manhã em que os RebeldeS começou a existir.

- Filha desligue esse amplificador e vamos para a escola! Não vai querer se atrasar no primeiro dia, não é? – gritou sua mãe do corredor.

Melanie Fronckowiak, uma jovem que costumava morar na cidade de Pelotas, Rio Grande do Sul. Tudo ia bem até seus pais resolverem se mudar para o Rio de Janeiro, no segundo mês de aula. Agora ela teria que se acostumar com uma cidade estranha e pessoas esquisitas.

Ela tocou mais alguns acordes só para irritar sua mãe, e então soltou a guitarra, pegou a mochila e foi para o carro. No caminho para a escola, o silencio reinava.

- Olhe, filha – sua mãe começou – eu sei que é difícil.
- Não, mãe. Esta tudo bem – Melanie disse enquanto sua mãe estacionava o carro – mudar para uma escola nova no segundo mês de aula é uma maravilha.

Berenice revirou os olhos.

- Não fale assim comigo, mocinha – Mel desceu do carro, ignorando sua mãe.
- Mas quem liga, não é? – Mel voltou a dizer.
- Eu ligo! – sua mãe disse tentando acompanhar os passos rápidos de Melanie.
- Então, você e o papai deveriam ter me perguntado antes de se mudar com a família para... – o celular de Berenice começou a tocar interrompendo totalmente o que Mel estava dizendo, ela suspirou e voltou a caminhar indo em direção ao portão de entrada. Aquele seria um longo dia.

Arthur estava a caminho do colégio, mas antes, seu pai passou na universidade de sua namorada para deixá-la, e agora estava se despedindo dela com um aceno. O moreno suspirou pela milésima vez naquela manhã.

- Pai – ele murmurou incomodado – não acha estranho a sua namorada ainda estar na faculdade? – Leonardo, seu pai, riu e encarou o filho.
- Ela tem 28 anos e só foi fazer um curso de fotografia – o garoto revirou os olhos.
- olha, pai – Arthur começou – quando os homens entram para a crise da meia-idade, eles compram carros esportivos, né? – ele falou empolgado – eu super apoio você trocar a Sidney, por um conversível.
- Filho, da uma chance para a Sidney.
- Por que? – ele bufou – Por que é tudo pela Sidney? – ele olhou para a janela irritado – “A Sidney quer comida chinesa”, “Olha, não posso te pegar no piano porque a Sidney me ligou”, “Vamos assistir o canal favorito da Sidney?” – ele falava com a voz grossa tentando imitar seu pai.
- Me desculpa por isso filho, mas... – Arthur suspirou dando de ombros.
- Tudo bem, pai. Deixa pra lá – voltou a olhar para a janela – Vamos logo se não vou perder a aula de historia.

Seu pai acelerou e eles foram o caminho inteiro em silencio.

No caminho para a escola, Micael não parava de batucar nas coisas. No banco, no porta-trecos, no encosto do banco. Praticamente tudo no carro já havia sido atingido por suas baquetas.

Assim que chegaram à porta da escola, seu pai parou o carro e os dois – seu pai e sua mãe – olharam para ele. O moreno olhou para baixo, sem saber o que fazer.

- Empolgado, Mica? – perguntou Antonia, mãe de Micael, sorrindo de orelha a orelha.

Micael arqueou a sobrancelha, sem saber do que ela estava falando. Sua mãe sorriu.

- A inscrição para o futebol é hoje!
- Ah – “o teste idiota de futebol”, pensou – claro! – completou, mesmo não estando nem um pouco a fim de fazer o maldito teste.
- Micael, sua mãe...
- Nós, querido – Antonia o corrigiu - Nós queríamos te dar algo – ela pegou uma bola de futebol um pouco “velha” – Tome. Essa foi a bola que o seu irmão fez o teste para a faculdade – a essa beira do campeonato sua mãe já se derrubava em lagrimas.

Micael nunca entendeu essa idolatria que seus pais tinham pelo seu irmão mais velho. Tudo bem que ele era ótimo no futebol, mas e daí?

O moreno apenas sorriu em agradecimento, colocou suas baquetas na mochila e saiu. Ele olhava para os lados distraído e viu Sophia conversando com seu pai dentro do carro. O moreno sorria feito bobo, ele tem uma queda por Sophia desde quando eles foram parceiros de laboratório na sexta serie. Acabou se distraindo, acompanhando o carro com o olhar, o que não foi uma boa idéia.

O garoto tropeçou e caiu de barriga para baixo, chamando a atenção de todos que começaram a zombar e rir dele.

- Bela maneira de começar o dia, idiota – ele resmungou baixo ignorando os comentários e olhares maldosos.


Curtiram? Posto a segunda parte se tiver comentários =))

10 comentários:

  1. Não demora não , pelo jeito essa vai ser nossas 😍😍😍♥✌👊👌👏👏

    ResponderExcluir
  2. Posta ameiiiii

    #Bru

    ResponderExcluir
  3. Posta +++++++++++!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Curtiii muitooooi... Anciosa pelo proximo!!!

    ResponderExcluir
  5. Maiiiisssss!

    Paty valverde

    ResponderExcluir
  6. Nossa que fic perfeita, posta mais hoje ou amanhã?!

    #Thamires

    ResponderExcluir
  7. CADE A LUAAAAA!!!!!???? posta a 2 parte *-*

    ResponderExcluir
  8. Amooo Lemonade Mouth .. Tipo .. Muito .. Tenho todas as músicas no celular !! E essa web ta perfect ��*--*

    Ameeei .. Posta mais um *-*

    ResponderExcluir
  9. mirella vasconcelos25/11/2014 22:23

    Amei

    ResponderExcluir

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo