20 de set de 2014

Obsessed - Capítulo 2 - Você me deve sua vida





                                                                        Arthur Aguiar P.O.V

Acordei assustado com as turbulências do avião e quando olhei pro lado o
Bernardo ,  Guga  e o Chay estavam com o cu na mão de medo. Encarei o Mika
e o Lucas que riam da situação na maior cara de pau e cocei os olhos
me espreguiçando, suspirei fundo e me ajeitei na poltrona.

- Falta muito pra chegarmos? -Bernardo perguntou-

"Senhores passageiros, preparem-se para o desembarque, o avião irá
pousar em alguns minutos"
Uma das comissárias de bordo fez o anúncio que
soou pelos auto falantes e eu encarei o Bernardo como quem diz "isso
responde a sua pergunta?"
Retirei o iphone do bolso e me aconcheguei de
qualquer jeito na poltrona. O Lucas se aproximou e sentou-se do meu
lado, eu tinha recebido alguns torpedos com informações do Canadá, o
Candic podia até sair do Canadá mais o Canadá não saia do Candic de
jeito nenhum, aquele lugar é vigiado 24 horas e qualquer coisa que
aconteça por lá eu sou o primeiro a saber já que eu tenho milhares de
empregados trabalhando para me manter informado. Nenhuma das mensagens
que eu tinha recebido era do meu interesse então eu bloqueei o iphone e
o guardei novamente.

O avião estava pousando e eu estava morrendo de vontade de mijar, me
levantei e caminhei até o banheiro onde fiquei por alguns minutos até
estar totalmente descarregado. Quando sai de lá o avião já tinha pousado
e as pessoas já estavam desembarcando. Encarei a primeira classe e não
avistei os meninos por ali, provavelmente já devem ter decido, encarei o
espelho e me ajeitei, dei uma piscadinha pra mim mesmo e sorri me
conduzindo até a porta. No caminho quando eu estava prestes a respirar
ar fresco o meu ombro se encostou em outro violentamente o que me fez
dar um impulso pro lado, eu tinha trombado em alguém, que ótimo, meus
primeiros minutos em Atlanta e eu já estava começando com o pé esquerdo.

- Ai, me desculpa, eu machuquei você? Você esta bem? -uma voz doce e
delicada vinda de uma mulher preocupada soava nos meus ouvidos enquanto
eu me ajeitava-

Quando eu me virei e a encarei os meus olhos se encontraram com aquelas
chocolates que eram os olhos daquela garota. Ela estava parada em pé do
meu lado me encarando, sem tirar o olhar do meu ela abriu um sorriso que
acendeu ainda mais o brilho dos seus olhos me deixando paralisado com
aquela visão do paraíso, que sorriso é esse? Que olhar é esse? Que
menina é essa? Da onde ela surgiu e por que eu estou tão fascinado com
esses detalhes?

- Oi! Me desculpa por isso, eu sinto muito, eu. -devo confessar que eu
não estava ouvindo nada do que ela estava falando, a minha concentração
naquele momento estava focada naqueles olhos e naqueles belos seios
saltados bem ali na minha frente- Tudo bem?

- O que? -perguntei confuso ao sair do transe-

- Perguntei se esta tudo bem, sabe, a gente se esbarrou e. -tentava
se explicar-

- Ah, não, não se preocupe, ta, ta de boa. -disse desviando o olhar-

- Tem certeza? -insistiu-

- Foi só um esbarrão, você não me derrubou, não me bateu nem nada do
tipo. -disse-

- Tem razão, mas mesmo assim eu sinto muito. -disse- Mas já que esta
tudo bem eu vou indo, me desculpa mais uma vez.

- Não por isso. -disse ao admira-la sair, a encarei dos pés a cabeça
enquanto ela andava, cocei o queixo e dei um sorrisinho de lado-

- Arthur? -uma voz feminina desconhecida me chamava-

Virei de costas e procurei com o olhar a autora da voz e logo avistei a
comissária de bordo caminhando na minha direção, "o que essa vadia quer
comigo?"
-pensei-

- Arthur, que bom que eu te encontrei, eu estava te procurando. -disse
ao se aproximar-

- Não me diga, sério? -disse debochado-

- É que tem alguns meninos lá em baixo perguntando por você. -disse-

Ah, claro. Perdi tanto tempo aqui em cima com aquela garota que até me
esqueci que ainda estou dentro de um avião que acabou de pousar em
Atlanta. Assenti e desci indo ao encontro dos meninos, quando cheguei lá
em baixo senti alguém segurar no meu ombro.

- Arthur? -aquela comissária de bordo mais uma vez estava gastando o meu
tempo-

A olhei como se fosse mata-lá por estar tocando em mim sem o meu
consentimento e encarei a sua mão no meu ombro, ela a retirou dali
rapidamente e eu a encarei, ela estava me encarando nervosa, arqueei a
sobrancelha e ela desviou o olhar tentando procurar as palavras certas.

- Eu não tenho o dia todo. -disse firme-

- Ah, não, não é nada eu só. -dizia gaguejando-

- Diz logo antes que eu meta a mão na sua cara, eu não to com paciência
e nem tempo pra aguentar vadia enchendo os meus ouvidos
hoje. -disse explodindo com aquela enrolação-

- Não, não é nada. -disse dando meia volta e voltando ao seu lugar-

Bufei e fui ao encontro dos meninos que estavam encostados em um carro,
provavelmente era o motorista que tinha vindo nos buscar.

- Podemos ir ou a madame tem que dar atenção a mais alguém? -Mika
perguntou debochando-

- Eu acho melhor você calar a porra da sua boca por que eu não to com
paciência nenhuma hoje pra aguentar falatório desnecessário. -respondi a
altura-

Todos permaneceram em silêncio e em seguida nós entramos no carro, nos
ajeitamos ali e o motorista deu a partida rumo a minha casa, finalmente
chegaríamos, a viagem não foi tão longa mas foi o suficiente pra me dar
um cansaço daqueles, eu não dormi direito noite passada e fui acordado
de madrugada hoje, eu estava precisando de um belo cochilo. Ainda mais
agora que temos diversos compromissos por aqui, eu preciso descansar um
pouco.

- Quem era a garota que você estava flertando na porta do avião? -Mika
perguntou, por que você tem que ser tão incherido moleque?-

- A vadia esbarrou em mim, ela precisa de um óculos ou irá acidentar
alguém. -respondi-

Desviei a atenção dele e o assunto também, eu não estava interessado em
conversar sobre garotas no momento. Quando chegamos em casa todos os
empregados que ali trabalhavam estavam nos esperando no jardim, abriram
a porta pra mim e eu desci colocando o óculos.

- Senhor Aguiar. -me cumprimentaram e eu só acenei-

Entrei em casa seguido por todos os puxas sacos que enchiam a minha
cabeça com informações desnecessárias do tipo "preparei o quarto do
jeito que o senhor gosta" "preparei a sua comida preferida" e blá blá
blá.
Tirei o óculos e o joguei na mesinha, me joguei no sofá e coloquei
os pés na mesa, me aconcheguei ali de qualquer jeito e respirei fundo.

- O senhor precisa de alguma coisa? -Nick perguntou-

- Silêncio. -respondi o encarando com ironia-

Ele saiu e nós permanecemos ali, o silêncio dominava o ambiente e eu
estava caindo de sono. Fechei os olhos e quando estava prestes a pegar
no sono alguém interrompe o meu momento, será que eu não vou conseguir
pregar os olhos nem por um segundo hoje?

- Temos que arrumar as coisas, o desfile é hoje. -Nolan comentou-

- E do que nós precisamos? -Bernardo perguntou-

- Bebida. -Chay respondeu-

- Drogas. -Lucas acrescentou-

- Calma na alma. -Mika disse e todos o encaramos- O que foi?

- Se não tem o que falar não fala nada. -Guga disse o encarando-

- Cala a boca Guga. -Mika rebateu-

- Cala a boca você vacilão. -Guga continuou-

- Você vai ver o que. -Mika dizia-

- Calem a boca os dois porra. -disse levantando a voz-

Todos se calaram e me encararam sérios, suspirei fundo e fechei os olhos
colocando a mão no cabelo. Eu tinha me esquecido que a porra desse
desfile era hoje.

- Guga, Bernardo e Lucas. Vocês cuidam da parte da segurança, câmeras,
áudios e essas paradas, vocês são hackers, são bom nisso. -disse
levantando- Chay fica de guarda, vigia, nos mantenha informados. Mika e
eu cuidamos do resto.

Todos assentiram e foram cuidar dos seus afazeres, fui pro quarto e
entrei direto no banheiro, eu precisava de um banho, um banho longo e
demorado. Fui pra baixo do chuveiro e ali fiquei por um longo tempo, eu
poderia morar ali, quando sai, me sequei, me enrolei na toalha e fui pro
closet. Coloquei uma calça jeans, uma regata branca, uma camisa jeans
por cima, um supra branco, arrumei o topete, coloquei algumas correntes,
ajeitei o alargador e me perfumei. Terminei de me arrumar, peguei o
iphone, a chave de um dos carros, o óculos e desci.

- Ta tudo certo Candic. -Guga disse- Tudo nos conformes.

- Ótimo. -disse- Vamos até lá, precisamos checar o local.

Saímos e seguimos rumo ao local do desfile, ao chegarmos lá vários
paparazzis cercavam o local. Estacionei em uma vaga afastadas e seguimos
a pé o resto do percurso, várias fotos e vídeos foram feitos da gente e
várias pessoas gritando e pedindo informações nos cercavam. Tampei o
rosto com as mãos e entrei rapidamente no local.

- Imagina se fossemos famosos. -LucasAlfredo comentou-

- A gente não é, mais certas pessoas. -Mika disse me encarando-

- Ser famoso por seus crimes é uma fama aceitável Candic. -Guga disse e
todos riram-

Revirei os olhos e seguimos teatro a dentro, observamos o local e ele
estava vazio, as coisas já estavam todas arrumadas e prontas para o
desfile de mais tarde. Os maiores traficantes do mundo todo estarão aqui
essa noite, todos disfarçados de empresários bem sucedidos, tipico. Quem
sabe eu não tenho sorte e descubro alguma pista sobre o meu querido
papai? Afinal, eu não vim pra cá atoa, eu tenho planos em mente.

- Candic? -Mika me chamou-

- Diga. -o encarei-

- O que vai acontecer quando você encontrar o seu pai? -ele perguntou e
todos focaram a atenção em nós e no rumo da conversa-

- Primeiramente, ele não é o meu pai, por acaso ele é o homem que
covardemente deixou escapar um esperma dentro da minha mãe. -respondi
simples-

- Já pensou que ele pode ser um traficante como você? -Guga perguntou-

- Já. -respondi-

- O que você sabe sobre ele? -Chay perguntou-

- Só o que eu ouvi da minha mãe. -respondi-

- E pra que isso serve? -Mika perguntou- Muitas mulheres sofreram igual.

- É Candic, não será fácil encontra-lo. -Guga respondeu-

- Tenho a vida inteira pra procurar e não irei descansar enquanto não
achar. -disse-

- Sabe que isso pode ser arriscado não sabe? -Lucas perguntou-

- Eu não tenho medo. -respondi-

- Não sabemos quem ele é, como ele é, o que ele faz. -Bernardo disse-

- Ele pode ser um criminoso muito mais perigoso que nós. -Mika perguntou-

- Estão com medo? -perguntei- Por que eu não estou.

- Medo não existe no nosso vocabulário. -Guga respondeu-

- Nós estamos com você. -Lucas disse-

- Perder, ganhar. -Chay dizia- Não importa, o importante é não perder o
foco.

- Certo, agora vamos focar nos negócios por que temos muito o que
fazer. -Bernardo disse-

- O garoto esta certo, precisamos monitorar o lugar. -Lucas disse-

- Lucas, eu e o Bernardo iremos instalar as câmeras. -Guga disse-

- Chay fica de vigia e o Mika vem comigo. -disse e sai-

- Algum problema? - Mika perguntou me seguindo-

- Precisamos agilizar as coisas. -respondi-

- Certo mas, como? -perguntou- Nada é tão simples como parece.

- Kátia chega de viagem essa semana, ela não pode saber de jeito nenhum
que eu estou atrás desse homem, se ela souber os meus planos irão por
água abaixo. -respondi-

- Ela não aceita que você queira conhece-lo? -perguntou-

- Ta maluco Mika? Ele a estuprou, abusou dela praticamente a sua
juventude inteira. Se ela souber que eu estou atrás dele, se ela sonhar,
imaginar isso, ela irá surtar. -respondi-

- E o que você vai fazer? -perguntou-

- Eu ainda não pensei nisso mas algo me diz que eu estou perto de
descobrir alguma coisa. -respondi- Esse desfile acontece uma vez no ano,
diversos traficantes, criminosos de todas as áreas comparecem nele. Quem
sabe eu não tenho sorte?

- Eu não ficaria tão confiante se fosse você, essas coisas não são
fáceis. -disse-

- Eu estou a procura dele desde que me entendo por gente, já tive muitas
pistas falsas e não desisti, não é agora que irei parar. Afinal, eu sou
o Candic, lembra? -perguntei-

- Eu nunca vou me esquecer disso. -respondeu-

- Faremos uma reunião amanhã de manhã, quero todos os homens
presente. -disse-

- Algo em mente? -perguntou-

- Sempre tenho. -respondi-

Voltamos pra onde os meninos estavam e eles já tinham instalado todas as
câmeras em todos os locais pra ficarmos bem atentos a todos que estariam
ali. O desfile começaria em algumas horas, nós temos tempo de sobra pra
voltarmos, nos arrumarmos e nos fingirmos de modelo, apesar que vários
desses traficantes de quinta já devem ter ouvido falar do Candic aqui
não é mesmo? Mas mesmo assim, depois dessa chatice eu ainda quero
terminar a noite curtindo em uma boate e quando cair na cama, quero
passar uns 3 dias dormindo.

- Vamos? -Guga perguntou-

- Ta tudo certo por aqui? -Mika perguntou-

- Tudo nos conformes. -Bernardo respondeu-

- Certo, então vamos. -disse-

*...*

Assim que chegamos em casa, comi alguma coisa, deitei um pouco e depois
fui pro chuveiro. Tomei um longo banho, sai, me sequei, fui pro closet,
coloquei uma box Calvin Klein preta, uma calça preta, uma camisa de
botão cinza e um supra cinza, me perfumei, ajeitei o topete, coloquei
algumas correntes, alargador combinando, peguei o iphone, a carteira, o
óculos, a chave do meu Fisker Karma e sai.

Os meninos já tinham ido na frente pra não chamarmos muito a atenção
quando a gente chegasse. Embora o Candic aqui chamasse a atenção em
qualquer lugar de qualquer jeito. Cheguei, estacionei, desci, ativei o
alarme e coloquei os óculos, as vadias e os broxas pararam, todas as
atenções estavam desviadas pra mim, os vários paparazzis ali presentes
apontaram suas câmeras na minha direção e os flashes rolavam soltos pra
mim. Caminhei sorrindo satisfeito com a recepção que eu sabia que teria
de qualquer jeito, as vadias gritavam, e tentavam encostar em mim, os
broxas só me encaravam e cochichavam entre si.

Entrei no teatro onde seria o tal desfile e abaixei o óculos pra poder
ver melhor, encarei os meninos que flertavam com algumas novinhas em um
canto qualquer e balancei a cabeça negativamente. Todas as vadias ali
presente estavam focadas somente em mim, é sempre assim, em todos os
lugares, eu já estou mais do que acostumado com isso. Me aproximei da
mesa pra pegar um ponche e encarei em uma salinha afastada se ajeitando
pro desfile aquela garota, sim, aquela do avião, a dos peitões
turbinados, olhos chamativos e sorriso encantador. Como será que ela se
chama? Foquei a atenção nela que estava sendo arrumada por um dos
estilistas ali presentes, peguei meu copo e fui me aproximando, cheguei
bem perto e me encostei na parede admirando aquela visão encantadora e
fascinante.

Quando o estilista saiu pra buscar alguma coisa, não pude deixar a
oportunidade passar, ela estava de costas pra porta ajeitando a roupa e
olhando pra baixo quando eu me aproximei.

- É uma bela peça. -comentei e ela levou um susto-

- Ah, como? -perguntou sem graça e desentendida-

- A roupa, é uma bela peça, muito rara por sinal. -respondi-

- Conhece a marca? -perguntou-

- Não, na verdade eu nunca ouvi falar dela e nunca vi alguém vestindo
isso. -respondi-

- É de uma coleção nova, a marca é muito famosa, são raras como você
disse. -comentou-

- Eu fico me perguntando quem é que tem coragem de usar esse
negócio. -disse-

- Por que? -perguntou se olhando no espelho e descendo do pequeno palanque-

- Você usaria? -perguntei-

- Eu estou usando agora. -respondeu-

- É, mas eu não acho que esses modelos façam parte do seu dia a
dia. -comentei-

- E não fazem. -disse-

- Viu só como eu tenho razão. -disse e dei um gole na bebida-

- Não fazem por que eu não tenho dinheiro pra comprar uma roupa como
essa. -disse-

- Ah, não deve ser tão cara assim. -disse-

- Não é pra vocês que tem condições mas é pra mim. -comentou-

- Eu pensei que você fosse uma modelo. -disse-

- Não sou profissional, na verdade eu nem deveria estar nesse
desfile. -disse-

- Por que não? -perguntei-

- É um desfile pra profissionais, eu só consegui o trabalho por que uma
das modelos convocadas pra vir se machucou e estava muito em cima
da hora pra chamar outra. -respondeu- E como eu tenho o mesmo manequim
me convidaram e eu não pude recusar.

- Então você é uma garota de sorte, além de ter sido convocada pra fazer
um desfile profissional ao lado de várias profissionais, estar usando
essas roupas chiques de uma marca famosa, você ainda teve a honra de me
conhecer. -disse debochado e dei mais alguns goles na bebida-

- Ou você que teve sorte da outra modelo ter se machucado e terem me
chamado pra substitui-la. Era pra ela estar aqui, se ela tivesse eu não
teria esbarrado em você no avião e você não estaria me flertando
agora. -disse debochada e arqueou as sobrancelhas sorrindo-

- Curti o seu senso de humor. -disse retribuindo o sorriso-

- Querida, querida, querida. Rápido que estamos super, hiper, mega
atrasados. Vamos agilizar isso aqui que o desfile esta prestes a
começar. -o estilista tinha voltado e estava dando um piti, já deu pra
perceber que ele joga no time adversário né?-

Sai dali e fui me sentar em uma das cadeiras da primeira fila, logo os
meninos se juntaram a mim e ficamos esperando aquela enrolação começar o
que já estava me dando sono e eu ainda queria ir pra uma boate depois
disso mas nesse rumo eu vou é pra cama. De qualquer jeito eu irei acabar
nela, afinal, sexo não pode faltar não é?

O desfile começou e toda aquela baboseira também, paparazzis
fotografando, as modelos desfilando, palmas, gritos, musica, e todo
aquele blá blá blá. Quando aquela morena entrou, a minha respiração
sumiu, ela estava tão fascinante que eu nem reparei na roupa que ela
estava usando, eu só consegui focar no seu corpo e no seu sorriso que
não se fechava por nada. Quando foram desfilar o último modelo de roupa
aquela garota entrou e toda a atenção se desviou para ela, as outras
modelos ficaram bufando de raiva e inveja, mas como na vida nem tudo é
um mar de rosas, quando ela foi fazer meia volta pra voltar ela acabou
tropeçando e caindo no meio da passarela o que arrancou risos de todos
que estavam ali presentes, inclusive de mim. Quando eu me dei por mim já
tinha caído na gargalhada.

Quando ela foi se levantar ela me encarou, os seus olhos estavam
marejados e a sua expressão era de tristeza, eu estava rindo, eu estava
rindo sem sentir, sem querer, eu estava apenas rindo, não pude segurar
ou conter aquilo. Ela saiu correndo da passarela e todos continuaram
rindo, as modelos mais do que satisfeitas cochichavam e me encaravam se
abrindo, só faltava elas se jogarem em cima de mim e abrirem as pernas
ali mesmo em cima da passarela, respirei fundo e levantei, os meninos
continuaram nos seus lugares, todas as modelos ainda iriam cumprimentar
o público mais eu não quis ficar ali pra ver aquela baboseira nem ser
assediado por todas aquelas vadias que não tiravam os olhos de mim.

Caminhei até a porta e escutei algumas vozes vindas de um corredor
vazio, me aproximei da entrada dele e escutei um choro, um choro seguido
por soluços e vozes de um homem. Fui me aproximando e escutando melhor o
que estava acontecendo, o choro vinha de uma garota e a voz do homem
aumentava cada vez mais. Me aproximei o suficiente pra encarar o homem
autor daquela voz, ele estava prendendo aquela garota na parede e ela
chorava de soluçar, ela estava com as pernas abertas e ele com as calças
abaixadas até o joelho, os imbecis estavam transando ali, em pleno
corredor do teatro, então ela tem alguém? Alguém muito mais velho por
sinal, mais se eles estão juntos por que é que ela esta chorando? Ou
será que.

- Estão dando uma festinha particular? -perguntei me aproximando com as
mãos no bolso e ela me encarou assustada, os seus olhos estavam
vermelhos e marejados, as suas lágrimas escorriam e a sua expressão era
de medo, ela parecia estar apavorada com aquela situação-

- Você não foi convidado moleque, agora vaza daqui. -ele disse sério e
autoritário-

- Desculpe, eu não quis interromper os pombinhos. -disse e fui me afastando-

- Me ajuda por favor me ajuda. -ela gritou desesperada e ele deu um tapa
no seu rosto-

Voltei rapidamente e ele estava batendo nela, me aproximei e o agarrei,
o tirei de perto dela e o derrubei no chão, o segurei com todas as
minhas forças e subi em cima dele, dei-lhe alguns murros até que a sua
boca começou sangrar, me levantei e o enchi de seguidos chutes. Ele
tirou uma arma da cintura e apontou pra mim, a garota se escondeu atrás
de mim e ficamos imóveis ali com a respiração ofegante e com aquela arma
apontada na minha direção.

      Minha inspiração voltoooou brincadeira esse capítulo quem escreveu foi meu amigo :3 Mais espero que gostem próximo capítulo eu vou parar de folga e e vou escrever! Até o próximo

8 comentários:

  1. Está no "pretérito" mais-que-perfeito!

    ResponderExcluir
  2. mirella vasconcelos20/09/2014 21:56

    Amando posta +++++++++++++

    ResponderExcluir
  3. Mais,Mais continua escrever,Perfeita xAdriana

    ResponderExcluir
  4. Palmas pro seu amigo . Será q esse cara mais velho é o "pai" do thur ?? Xx adaline To amandooooooo

    ResponderExcluir
  5. Pois seu amigo ta de parabéns hahahaha quero mais urgente

    ResponderExcluir

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo