19 de ago de 2014

UMA PATRICINHA MENTIROSA - 3°Chance?

Heey amores, espero que gostem do capítulo... 
Queria avisar que já, já eu irei finalizar a fanfic, daqui a dois ou três capítulos, então... 
rs' Beijocas, comentem muito e... Até mais!
Boa leitura! :*




 [...]
 – Mãããããe, por favor, eu preciso tomar um ar... Preciso sair, por favor!  –  E mais uma vez eu tentava convencer a minha mãe a me tirar deste castigo idiota.
 – Não vai sair... Já falei... Está falado!  
         Bufei e revirei os olhos, nós estávamos na cozinha minha mãe lavava a louça do almoço. 
 – Atenta a porta.  –  Pediu minha mãe quando ouviu a campainha tocar .
 – Droga .  – Falei baixo, mas ela ouviu.
 –  Como é?  –  Ela parou de lavar a louça e me olhou, eu dei de ombros e fui atender a maldita porta.
        Nem me dei ao trabalho de olhar no olho mágico para ver de quem se tratava, então atendi a porta com a cara mais brava possível. Quando eu abri a porta tive uma surpresa ao ver quem era a tal pessoa: Roland? O que ele faz aqui? 
 –  O que você quer ?  –  Perguntei um pouco brava, afinal ele tinha me ameaçado!
 – Nossa, que recepção!  – Ele fingiu espanto. Quem é filha?
        Minha mãe gritou da cozinha.
 – Ninguém mãe !  –  Gritei de volta.
 – Quer dizer que agora eu sou um ' Ninguém ' ?  –  Ele perguntou debochado e eu sai para varanda fechando a porta de minha casa.  –  Não sabia que você era tão mal educada assim, Lua nem me convidou para entrar !  –  Revirei os olhos e bufei.
 –  O que você quer aqui?  
 – Eu quero você!  –  Ele respondeu, e naquele momento eu fiquei com tanto nojo dele que mal consigo explicar, ele se aproximou de mim e eu o empurrei.
 – Fora!  –  Falei em u tom de autoridade.
 – Nem pensar, só vou sair daqui quando eu conseguir um beijo seu!  – Declarou .
        Neguei com a cabeça e tentei entrar novamente para minha casa, mas ele não deixou. Puxou o meu braço, fazendo com que eu me aproximasse dele mais do que o necessário e então ele tentou me beijar, eu tentei sair de todas as formas daquele abraço, eu só sentia nojo dele. Roland é um cafajeste da pior espécie!
        Ele tentava me beijar de verdade, com língua e tudo, mais eu não iria e nem dei abertura para isso. Apenas o dei um chute no meio das pernas e depois empurrei-o para longe. Foi aí que eu olhei para a frente de minha casa e pude ver que o Arthur fechava a porta de sua casa.
 – Arthur ! –  Chamei-o mas ele não respondeu, era só o que faltava  –  Suma daqui!  – Disse ferozmente .  –  Se ele entender tudo errado, eu te mato!  – Gritei irritada, Roland apenas sorriu e se levantou da minha varanda;
 – Depois eu termino o que comecei!  – Ele me deu um beijinho na bochecha e eu limpei meu rosto imediatamente. O que eu sinto por ele, não passa de nojo!
        Ele foi embora e eu fui até a casa do Arthur, tentar explicar o que ele tinha visto.
 – Arthuuuuur!  – Gritei ao lado de fora da casa dele, eu já havia tocado várias vezes na campainha, mas ninguém me atendeu. Preferi pensar que a mesma estivesse ruim, então comecei a chama-lo feito uma louca .  –  Você intendeu tudo errado!  –  Avisei e então ouvi alguns passos se aproximando pelo lado de dentro da casa, talvez ele fosse me atender.
 –  Vai embora!  –  Avisou sem ao menos abrir a porta.
 –  Por favor, me dê uma chance pra eu te explicar o que aconteceu!   – Implorei e então ouvi o barulho da porta sendo destrancada, quando ele abriu eu me aproximei ao máximo dele e o abracei com toda a força, mas como era de se imaginar ele não correspondeu o meu abraço. De início fiquei meia sem graça e então me soltei dele .  –  Ele me agarrou!  –  Sussurei.
 –  Pare de resmungar, diga logo o que você quer !  –  Acho que ele não ouviu da primeira vez que eu disse, talvez eu tenha dito muito baixo.
 – Ele me agarrou! 
 – Aham, e você estava adorando que eu vi!  –  Ele falou um pouco seco demais .
 – Arthur, você tem que acreditar em mim!  –  E aquele nó na garganta tão conhecido por mim apareceu, eu estava prestes a chorar, mais tinha que ser forte !
 – Porque?  – Ele perguntou.  –  Eu te dei uma segunda chance, Lua.... E olha como você me agradece, é assim que você me ama? É assim que você quer mudar ?  –  Ele estava tão bravo, e tudo isso por culpa do Roland, aquele desgraçado! 
 – Nunca duvide do meu amor por você !  –  Bravejei, sei que não era hora para isso, mas tive que dizer tal coisa, era o maior erro de uma pessoa duvidar do amor de outra... E o pior, da pessoa que realmente o ama!  – Eu vou mudar, eu vou mudar por você. Porque eu te amo!  – Diminui o tom de voz e deixei uma lágrima solitária cair pela minha face.   –  Você só tem que confiar e acreditar em mim!   –  eu tentei me aproximar dele mas foi em vão pois ele deu recuou, e eu pude entender que lá estávamos nós de novo... Na estaca 0.
        Eu só assenti e dei um meio sorriso triste, eu vou aceitar a escolha dele... Mais.Uma.Vez!
 – Tudo bem!  –  Sequei o meu rosto com a palma da minha mão e então voltei para a minha casa. 
        Era o melhor a fazer naquele momento!

3 comentários:

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo