24 de ago de 2014

Dangerous Woman - Capítulo 14

Esse capítulo eu dedico para a fã da minha web Luciana ou como conhecida Luci . Obrigado Luci e esse capítulo eu dedico pra vc princesa!.

Lua P.O.V.

Acordei com uma dor de cabeça dos infernos e tudo parecia rodar ao meu
redor. Levantei e fui me escorando nas coisas até chegar no banheiro.
Pelo jeito eu havia dormido com meu cabelo molhado, porque a situação
dele estava deplorável. Prendi ele em um rabo de cavalo e escovei meus
dentes.

Parecia que tinha um borrão na minha cabeça, eu simplesmente não
conseguia lembrar de nada do que havia acontecido na noite anterior após
Arthur sair para socorrer sua mãe e sua irmã. Vesti uma calça de moletom
folgada, uma regata branca e coloquei meus chinelos.

Assim que abri a porta tive uma surpresa: Arthur estava sentado no chão
encostado na parede que ficava de frente a porta do meu quarto. Franzi o
cenho e abaixei ao seu lado e percebi que ele dormia.

- Ei - dei tapinhas de leve em sua bochecha - O que faz aqui? Por que
não está no quarto?

Ele esfregou os olhos e finalmente os abriu me encarando.

- Ah, você acordou. Ótimo.

Ele ia se virar e sair, mas eu o impedi segurando seu braço e em seguida
entrando em sua frente.

- Opa, perai! O que aconteceu pra você estar me tratando desse jeito?
Até ontem nós estávamos de boa.

- Sério que você não lembra, Lua? - ele disse revirando os olhos
impaciente.

De repente vieram flashs das cenas da noite anterior em minha mente. Jake me embebedando. Arthur e ele brigando. Arthur me dando banho e me
colocando pra dormir.

- Viu como você lembra - ele disse irônico assim que viu minha cara.
Ele tentou sair novamente, mas eu o segurei.

- Você realmente acha que foi minha culpa? Nem bêbada eu deixei aquele
babaca tocar em mim, pelo amor de Deus, Arthur.

- Quando eu cheguei você estava alegre demais pro meu gosto.

- EU ESTAVA BÊBADA PORRA.

- EU VI, MAS VOCÊ NÃO DEVERIA TER ACEITADO BEBER COM AQUELE BABACA.

- MAS QUE MERDA NÃO FOI MINHA CULPA.

- ADMITA QUE VOCÊ AINDA GOSTA DELE LUA. PORQUE EU SEI QUE GOSTA.

- PARA COM ISSO ARTHUR QUE MERDA. EU NÃO GOSTO DELE.

- EU NÃO ACREDITO NISSO.

Naquele momento minha única reação foi agarrar seu pescoço e o beijar.
No começo ele até retribuiu, mas poucos segundos depois ele me afastou.

- Para de graça porra.

- Não to com graça, Lua.

- Entra no meu quarto, a gente vai conversar certo.

- Eu não vou entrar - ele disse e cruzou os braços parando na minha frente.

- Eu não perguntei nada, eu to mandando, sou sua chefe e você tem que me
obedecer. Pra dentro do meu quarto. Agora.

Ele bufou e entrou praticamente marchando no meu quarto. Entrei logo
atrás, tranquei a porta e guardei a chave no bolso da minha calça.
Quando ele ia abrir a boca pra falar alguma coisa eu o interrompi.

- Eu sei, eu sei. Nada justifica eu ter ficado bêbada ontem e ter ficado
naquele estado deplorável, mas não foi minha culpa caramba.

Ele estava sentado na minha cama e relaxou os ombros assim que eu
terminei de falar. Me sentei ao seu lado e ele parecia pensativo.

- Não vai dizer nada? - perguntei o encarando.
Ele não me respondeu e evitava me olhar nos olhos. Subi na cama e fiquei
de joelhos atrás dele e o abracei.

- Você não vai mesmo me responder? - perguntei baixinho em seu ouvido e
ele estremeceu, mas mesmo assim se mantinha calado.

Beijei sua nuca e afundei meu nariz em seu pescoço sentindo aquele
perfume maravilhoso que ele sempre usava. Arthur continuou quieto. Me
levantei saindo da cama e fui até a frente dele.

- Tá tão calor, se importa se eu tirar? - perguntei arrancando minha
calça de moletom e minha regata branca e ficando só com a minha lingerie
preta.

Ele pareceu se perder olhando para o meu corpo, mas apenas fez sinal
negativo com a cabeça, como se quisesse afastar pensamentos da cabeça,
além de me responder. Me sentei de costas em seu colo e dei uma leve
rebolada em seu amiguinho de baixo.

- Você pode desabotoar o meu sutiã, por favor? - perguntei e coloquei
meu cabelo por cima de um dos meus ombros.

O olhei pelo canto dos meus olhos e ele apenas assentiu e fez o que eu
havia pedido. Atirei aquela pequena peça de roupa longe e virei me
sentando de frente pra ele em seu colo. Comecei a mexer em seu topete e
passar o dedo de leve por sua bochecha.

- Lua, para com isso - ele disse sério segurando meu pulso.

- Parar com o que? Eu não estou fazendo nada - falei acariciando sua
nuca de leve com as unhas.

- Lua, sai de cima de mim.

Ele tentou se esquivar de mim, mas foi em vão. Puxei-o pela nuca para
perto de mim encostando nossos narizes e olhei bem no fundo dos seus
olhos. O beijei de leve e após alguns segundos ele me afastou de novo.
Eu já ia desistir e ir colocar minha roupa, mas surpreendentemente
Arthur se levantou, me segurou pelo cabelo e me jogou na cama, subindo
em cima de mim e me beijando com voracidade.

Ele rasgou minha calcinha com força e eu puxei sua camiseta para fora do
seu corpo rapidamente. Empurrei com os pés sua calça junto com a cueca e
enlacei minhas pernas em sua cintura. Sem esperar nada, Arthur entrou em
mim com tanta força que a cama chegou a chacoalhar. Eu arranhei suas
costas de cima abaixo. Meu corpo parecia precisar do dele e eu o queria
cada vez mais junto a mim. Ele entrava e saia de mim com rapidez e não
demorou muito para que eu chegasse ao meu ápice. Eu o fiz deitar e subi
por cima dele e sentei em seu membro com tudo, arrancando dele um gemido
alto. Eu cavalguei sobre ele por minutos seguidos, até que ele agarrou
minhas coxas e eu senti seu líquido quente me preencher. Caí deitada ao
seu lado e ele me abraçou pela cintura juntando nossos corpos suados.

- Você é muito chata garota - ele disse ofegante e eu ri.

- Aprendeu a falar de novo, foi? - perguntei irônica e apertei seu nariz.

- Idiota - ele disse.

Arthur subiu por cima de mim e selou nossos lábios dando início a um
beijo lento, em que nossas línguas se entrelaçavam ritmadas. Em certo
momento ele passou a mão pela lateral da minha barriga, o que me causou
cócegas e eu ri em meio ao beijo.

- Então você tem cócegas, é? - ele perguntou num tom malicioso.

- Nem pense em fazer isso que você pretende.

- Fazer o que? Isso?

Ele começou a apertar minha barriga me fazendo gritar e começar a rir e
tentar fugir.

- PARA COM ISSO - gritei tentando escapar.

- Eu não.

- ARTHUR POR FAVOR.

Ele riu, parou e me beijou rapidamente e se levantou para colocar a cueca.

- Super injusto uma coisa dessas - falei tristonha.

- O que é injusto? - ele perguntou abotoando a calça.

- Você é homem e sua bunda é maior que a minha, isso não ta certo.

- Como é que é? - ele disse caindo na gargalhada.

- É ué, fico inconformada com isso - fiz bico.

- Ai meu Deus - ele riu e colocou a camiseta.

Arthur jogou minhas roupas em cima da cama e eu as vesti. Ele se virou e
assim que abriu a porta eu pulei nas suas costas quase o derrubando.

- O que você ta fazendo sua maluca? - ele perguntou rindo.

- Cavalos não falam, anda, me leva pra cozinha.

- Eu ganho pouco demais pra isso - eu dei um tapa em sua cabeça e ele
riu me ajeitando nas costas e segurando minhas pernas.

Ele me deixou em cima do balcão e lá na cozinha encontramos Kenny, Joe e
Luz.

- Agora eu durmo em casa quase todo dia, perdi meu trabalho noturno -
Kenny falou e começou a rir, sendo acompanhado por Joe.

- Engraçadinhos - eu disse irônica.

Arthur estava mexendo em algo no celular e quando viu que eu estava
começando a prestar atenção nele, guardou o aparelho no bolso rapidamente.

- Posso ir almoçar em casa? Minha mãe pediu que eu fosse - Justin me
perguntou com certa urgência.

- Ta, tudo bem. Pode ir, só quero que esteja de volta as 14:30.

- Obrigada - ele sorriu e saiu apressado.

Achei meio estranha aquela pressa toda, mas nem me importei. Almocei com
os meninos e fiz Luz se sentar conosco. Comi horrores e dei bastante
risada, fazia tempo que eu não conversava direito com os rapazes, eu
estava bem grudada com Arthur.

Resolvi que não trabalharia aquela tarde e estourei pipoca pra mim e
enchi um copo de suco, fui pra sala e coloquei um filme de terror no
DVD. O filme estava em uma das partes mais tensas e eu estava encolhida
apertando uma almofada, eu só não deixava de olhar por ser muito curiosa
demais. No momento em que o personagem principal abriu a porta de um
quarto,Arthur apareceu e pulou ao meu lado no sofá, o que resultou em
um belo de um grito meu e o pote de pipoca voando pelos ares.

- VOCÊ FICOU LOUCO?

- Relaxa aí - ele disse rindo.

- Você quase me matou do coração - falei com a mão no peito - Olha que
sujeira que você fez - falei mostrando o monte de pipoca no chão e o
suco que havia caído.

- A sujeira que EU fiz? A senhorita que estava comendo, portanto quem
sujou foi você mesma.

- Para de enrolar e busca um pano e um balde lá na lavanderia.

- Palavrinha mágica?

- Por favor - falei revirando os olhos.

Enquanto Arthur saiu pra buscar as coisa de limpeza, eu me agachei e
comecei a recolher o que conseguia. Logo ele estava de volta com o balde
e uma vassoura. Eu peguei a vassoura primeiro e depois quando fui pegar
o balde eu senti que ele estava meio pesado. Achei estranho e assim que
olhei dentro eu tive uma surpresa adorável. Um filhote de chow chow com
um laço no pescoço estava deitado dentro do balde.

- Ai meu Deus que coisa mais gostosa! O que é isso Arthur? - perguntei
pegando encantada com aquela pequena coisinha.

- Gostou? Presente pra você - ele disse sorrindo de lado.

Abri a boca surpresa e sorri de volta pra ele.

- Ei coisa gostosa - falei fazendo carinho em sua barriguinha.

- Que nome você vai colocar nele?

- O que você acha de Karma?

- Karma? Que raio de nome é esse? - ele perguntou rindo.

- Minha irmã tinha uma amigo imaginário e não sei por qual motivo, esse
amigo chamava Karma. Eu gosto, me lembra minha irmã.

- Quer saber? Eu gostei. Bem-vindo Karma - ele disse fazendo uma
voizinha fina (o que me fez rir) e passando a mão em cima da cabeça dela.

 - Obrigada - falei sorrindo e ele me olhou de canto.


- Achei que você gostaria. É uma boa raça de cachorro.

 Me peguei olhando encantada para o rapaz na minha frente. Arthur havia
pegado Karma do meu colo e brincava com o filhote como se ele fosse uma
criança. Puxei seu queixo para mim e selei nossos lábios. Assim que nos
separamos ele sorriu para mim. O sorriso que me conquistou.


                                              Oh gente ... só 5 comentários ? eu me esforço tanto pra posta e só recebo 5 comentários ? não que eu não esteja gostando eu adoro isso mas será que eu mereço mais alguns comentários ? Por favorzinho gente kk eu quero comentários viu k bjos é até o próximo

13 comentários:

  1. Amando ❤️❤️❤️❤️ apaixonada ❤️ posta maiss

    ResponderExcluir
  2. A fã mais apaixonada pela web,obg por dedicar esse capitulo para mim amei. Ñ demora para postar o outro se ñ eu sou capaz de morrer....♡♡ツツ
    XxLuci

    ResponderExcluir
  3. ♥♥♥ Cada dia melhor , já quero o próximo ♥♥♥✌

    ResponderExcluir
  4. Impossível não se apaixonar por essa web ❤️❤️❤️

    ResponderExcluir
  5. Essa web tá muito apaixonante, a cada capítulo vc nos surpreende mais. Posta mais logo pq eu to quase morrendo de ansiedade
    Xx Mila Mozart

    ResponderExcluir
  6. Eu amo cachorros <3 achei super fofo o ciumes *-*
    Posta maiiss
    Alice

    ResponderExcluir
  7. Ameiiiii.... Ta muito perfeitoo, lindoo!!! Posta maisss

    ResponderExcluir
  8. A cada dia mais eu amo mais essa web

    ResponderExcluir
  9. mirella vasconcelos24/08/2014 11:00

    Amando posta ++++++++++++++++

    ResponderExcluir
  10. Me acabei de rir quando a lua disse q a bunda do thur é maior q a dela kkkkkkkkkkkkk Xx adaline

    ResponderExcluir
  11. Posta +++++++++++
    Ameeii *-*
    O jeito da Lua de convercer o Arthur foi top ..!.!

    ResponderExcluir
  12. Kkk merece
    Muito bom
    Posta mais

    ResponderExcluir
  13. Nova aki. Me apaixone p essa web, super viciante. Quero q Lua e Arthur se declarem logo *---* Posta mais. By: Lela

    ResponderExcluir

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo