13 de jul de 2014

Foras da Lei - Capitulo 3 // Bem - Vinda (Parte 2)









Pela manhã estavam todos agitados na cozinha. Tentando por seus próprios cafés enquanto as mamães corujas os interrogavam para saber se estavam prontos para mais um dia de aula.
-Já tomou sua pílula, docinho? -Stef perguntou para Chay que estava em pé tentando comer uma torrada.
-Vou tentar tomar. -Ele respondeu indo pegar a pílula.
-É? E a torrada? -Brincou Stef.
Todos estavam conversando animadamente quando Lua apareceu ainda meio cambaleando.
-Bom dia raio de sol. Suco de laranja da mesa, sirva-se. Sinta-se em casa. -Ela ainda tentava manter os olhos abertos mas aquele cheiro de ovos fritos e suco de laranja já estava fazendo sua barriga roncar. 
Ela pegou um copo e pôs um pouco de café nele fazendo toda a cozinha se calar aos poucos. 
-Quer um pouco de creme? -Lena perguntou tentando ser educada e a menina negou sem prestar muita atenção.
-Posso tomar café também? -Perguntou Chay para as mães que responderam um sonoro "Não".
Depois do café foram todos para a escola e assim que Lena estacionou numa vaga especialmente para ela, Lua pôde admirar o Lugar. Nunca havia visto isso na sua vida mas a escola ficava na praia. A pintura era branca e vermelha, onde deveria ter uma quadra de esportes com campo de futebol e piscina, tem uma coisa muito melhor: Vôlei de areia e natação no mar aberto. Isso era incrível e ela mal podia acreditar que aquilo era uma escola publica, todas as escolas publicas em que estudou ficavam no máximo perto de um asilo de idosos. 
-Arthur, porque não mostra a escola pra Lua? Ela começa o dia na aula do Timothy -Disse Lena.-Você tem a lista das aulas, Lua? -A menina assentiu. -Você vai adorar o Timothy, ele é muito divertido.
Então quando Lena entrou na escola, Lua olhou ao seu redor e aquilo era inacreditável. Nunca havia visto uma escola na praia, onde os alunos podiam levar pranchas de surf e nadar um pouco depois das aulas.
-Você estuda aqui? -Ela perguntou para Arthur que já estava meio sem jeito. 
-Sim... bem, é... a Sala do Timothy é logo ali, vai encontra-la. -Ele disse apontando para algumas janelas. -Eu tenho 20 minutos antes da aula então vou praticar.
-Praticar o que? -Perguntou ela curiosa.
-A final da competição musica é hoje a noite.
-Certo.
-Certo. Te vejo depois. -Ele disse e depois saiu andando e deixando a morena de frente para algumas meninas que a olharam de cima a baixo torcendo o nariz e fazendo-a se sentir de volta ao reformatório.
-Espera ai! -Gritou pra ele.
Então logo os dois estava numa sala do segundo andar do colégio. Ela ficava olhando o movimento lá embaixo enquanto ouvia o garoto tocar alguma musica clássica que ela obviamente não conhecia.
-O que é isso? -Perguntou fazendo ele parar de tocar.
- O que? A musica? Eu escrevi.
-Você escreveu isso? -Ela perguntou incrédula.
-Sim, pro concurso. Você precisa de uma clássica e uma original. É sobre a noite em que as minhas mães me perguntaram se estava tudo bem sobre os gêmeos virem morar conosco.
-Como assim? Não tem nem uma palavra.
-Escuta. -Ele disse voltando a tocar. Tocou um conjunto de notas curtas mas que fizeram um som muito bom e que ela poderia ouvir para sempre. - Esse sou eu. -Ele disse  então ela percebeu que as notas que ele tocou tinham o mesmo som de quando ele diz essas palavras. Então ele tocou mais um conjunto curto que dizia "Essas são as minhas mães". Então ele deu espaço para um conjunto de notas formando um som mais demorado e tão lindo quanto os dois primeiros. "Estes são todos nós. Este sou eu, mãe,Lena e os gêmeos".
-Viu como funciona melhor? -Ele perguntou parando de tocar.
-Legal. -Ela falou sem muito entusiasmo. Afinal ela sentia seus olhos arderem com as lágrimas que queriam sair por ela não poder fazer algo assim para si mesma já que agora... ela não tinha mais família.
-Eu não sei. Continuo pensando que falta algo. -Ele disse preocupado olhando para a partitura achando que ela não havia gostado.
-Não, eu gostei. Elas perguntaram se os gêmeos podiam morar com você? Você ia dizer não?
-Digo... Não sei. Eu só soube que havia o bastante. -Ele disse.
-Bastante o que?.
-Tudo. -Respondeu.
Então um barulho de porta se abrindo chamou a atenção dos dois e logo uma loira chegou perto dele sorrindo.
-Oi Amor. -Ela disse.
-Iai? -Respondeu ele feliz.
-Como está?
-Estou bem e você? -Eles deram um selinho e em sua cabeça Lua estava falando coisa do tipo: "As palavras, Terceira e Roda, significam alguma coisa pra vocês?"
-Quem é essa? -perguntou a loira assim que viu Lua.
-Essa é a Lua. Lua está é a Pérola. Ela vai ficar conosco por um tempo. 
-Bem - Vinda á Anchor Beach.
-Valeu. -Respondeu sem muito entusiasmo.
-Ela está na aula do Timothy com você, T. Então, quer mostrar a ela onde é... -Arthur perguntou tentando quebrar o gelo.
-Sim, claro. Mas temos que ir.
Então as duas deixaram a sala. Lua não estava muito entusiasmada, na verdade a unica ponta de entusiasmo que teve hoje foi olhando para o lado de fora da escola e vendo aquela paisagem perfeita. Timothy era realmente divertido, ele havia organizado a sala num circulo para começar seu discurso sobre o assunto dado na aula de literatura.
-Será que ele participou em sua própria transformação? Será que ele queria? Será que ele queria que isso acontecesse? Ou foi algo que aconteceu com ele? Qual a sua opinião Lua?
Com essas palavras ele tirou Lua de seu pequeno devaneio onde se encontrava pensando em Jude. Então foi tirada de sua nuvem de volta para a aula de literatura.
-Eu sei que você ainda não tem o material mas me diga, o que você faria se acordasse e se encontrasse vivendo um pesadelo? -A menina não precisou responder pois neste momento o sinal para o almoço soou pelo corredor salvando-a.
Na saída Lua foi correndo atrás de um dos garotos na sua classe que pelo visto tinha um carro, era só do que ela precisava.
-Hey, você. Qual é o seu nome?
-Aiden -Ele respondeu sorrindo.
-Oh, Aiden. Prazer em te conhecer.
-Você é nova aqui certo?
-É, a garota nova, na verdade eu acabei de me mudar e eu queria que alguém me mostrasse o lugar.
-Isso pode ser arranjado. -Ele sorriu com aquela tentativa de socialização.
-Você tem um carro certo? -Aiden sorriu. -Eu estava pensando em dar uma volta em San Ysidro mais tarde. 
-San Ysidro? Lá perto de Tijuana? -Perguntou incrédulo. Era quase uma hora de viajem.
-Ouvi dizer que é legal lá.
-O que? Você vai numa festa ou algo assim? -Ele perguntou finalmente se interessando pela proposta.
-Não... eu preciso ver alguém lá. -O sorriso no rosto dele se desmanchou na hora
-Certo... Não obrigada. Boa sorte!
Lua então se deu por vencida e resolveu fazer isso sozinha... o problema era que ela não conhecia San Diego. Quando foi ao pátio viu algumas garotas sentadas numa mesa e decidiu perguntar.
-Oi, tem alguma estação de metrô por aqui? -Perguntou mas no momento em que ela chegou perto as meninas recolheram suas coisas e saíram.
Sophia viu tudo e com pena sentou-se ao seu lado.
-Quer ir á algum lugar? Conhecer seu cafetão? -Fez uma piada e pela primeira vez o dia todo Lua sorriu verdadeiramente.
-Qual é o seu problema? Tomou muitos comprimidos do seu irmão? -O sorriso e o bom humor de Sophia foram para os ares neste momento. -Não se preocupa. Eu não vou te entregar, mas a sua mãe é policial e isso é meio que uma droga.
-Eu acho... Então, você etá indo embora? Não se preocupe, não vou entregar você. 
-Eu só... preciso resolver algumas coisas. Desculpa, é melhor se você não souber. Assim se suas mães começarem a fazer perguntas... -Então ela foi interrompida pelo sinal que avisava o fim do almoço (almoço esse em que ela não havia comido nada).
-Espera... se fosse comigo, eu voltaria pelo mesmo caminho. O escritório da Lena tem vista para a entrada da frente e há um ponto de ônibus á três quadras daqui.
Na hora da saída. Sophia estava com suas amigas na praia, era por do sol e estava lindo. Estava encostada num poste teclando o celular quando Chay apareceu.
-Hey, eu preciso de dinheiro. -Disse rápido e fácil.
-Muito grosseira? Não. -Ela respondeu.
-Vai lá, eu esqueci a carteira e não comi nada, tô morrendo de fome.
-Pena pra você.
-Eu só preciso de cinco dólares, prometo que te pago hoje a noite. -Ele disse pegando a carteira dela a força. Quando tentou pegar os cinco dólares, um masso enorme de dinheiro saiu em sua mão, deveria ter uns cem dólares lá e ele não fazia ideia de onde ela poderia ter tirado esse dinheiro.
-Onde conseguiu isso? -Ele perguntou.
-Não se preocupa. Toma... -Ela tirou cinco dólares do masso. -Agora vai comer e me deixa em paz.
Não muito longe de lá, Arthur estava encostado numa árvore com Pérola enquanto a mesma distribuía beijos pelo seu rosto.
-Meus pais vão passar o fim de semana fora de casa... Você quer passar a noite lá? -Perguntou ela fazendo-o sorrir com a proposta.
-Vou ter que sair de fininho?
-É só dizer que você vai ficar com o Aiden. -Enquanto ela falava, Arthur olhou para o lado e viu Lua jogando todo o seu horário de aulas e tudo o que havia levado para a escola no lixo. -Então o que me diz?
-Dois segundo... Me dê dois segundos. -Então ele saiu correndo atras da morena que estava andando até a saída da escola.
-Onde está indo? -Perguntou para ela.
-Resolver umas coisas.
-Resolver umas coisas? Tipo agora?
-É importante.
-Tudo bem, mas você não fará isso se voltar pro reformatório. Minha mãe é policial, vai te localizar em um minuto.
-Pode cuidar dos seus problemas e da sua maldita família?
-Estamos tentando te ajudar.
-Parem.
Neste momento o celular dele toca pela milionésima vez só naquele dia com um número desconhecido.
-Estão me ligando desse numero o dia todo. -Foi quando Lua deu meia volta e pegou o celular atendendo na mesma hora.
-Oi Amor, sou eu. O que está acontecendo?... O que quer dizer? Jude, o que você está dizendo?... Me deixa falar com o Jude. -E der repente a voz dela mudou de preocupada para enraivecida. Arthur ainda olhava aquela situação sem entender nada. -Ponha o Jude de volta no telefone... -Foi então que a ligação caiu e ela devolveu o celular com raiva. 
-O que está acontecendo? Quem era? Porque estão ligando pra mim?
-Peguei seu telefone emprestado noite passada... Preciso ir. -Ela disse continuando a andar mas ele se recusava a ir embora sem saber quem estava ligando.
-Então quem era? Seu namorado ou algo do tipo?
-Não
-Então, quem era? Como conseguiram meu numero, Lua? Quem era?
-Meu irmão.
-Então deixa eu ligar pra minha mãe. -Ele pediu.
-Stef?
-Sim, ela é policial e...
-Sem policia.
-Ela não é assim.
-Se ligar pra sua mãe, ela verá o sistema com todas aquelas queixas que o meu pai adotivo fez contra mim. Vai me mandar de volta pro reformatório, e Jude vai ficar preso naquela casa... Eu preciso ir. 



Maddie:: Prontinho, este é o Jude. hahahaha gente, eu quero um colégio desse na minha vida!!! Imagina só, a gente já achava que o Elite Way era perfeito, imagina um colégio na praia? Se fosse pra fazer educação física sentindo aquele cheiro de Marísia eu faria sem nem um problema.
Até próximo domingo dears.


XOXO
Maddie






6 comentários:

  1. Vc so vai postar no proximo domingo agora? Nao faz isso :( posta outro durante a semana please e parabens essa web esta perfeita

    ResponderExcluir
  2. wow!! ta super... essa web é outro nivel, amando!!
    bell xoxo

    ResponderExcluir
  3. A lena ea stef sao lesbicas

    ResponderExcluir
  4. To adorando a web mas nao me deixa curiosa ate domingo p++++++++++ adoroooooooooooooo

    ResponderExcluir
  5. Eu tmb quero um colégio assim😍❤️ Sería um sonho😍
    Tipo assim To Amandoooo essa web❤️É como se eu tivesse vendo o The Foster de novo😍😘 aaaaaah😍OMG e que cap grande....❤️❤️ Maddie cinceramente, vc é Perfeita, e Divaa💁🎀 Posta mais S2

    ResponderExcluir

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo