11 de mai de 2014

Ligações Perigosas: Cap 4 - parte 1




Roger Matarazo foi encontrado morto nesta manhã de sexta-feira num quarto de motel, ao lado da amante Lucia Casper. O atirador de elite e a garota de programa estavam com marcas de tiros e faca em seus corpos, ambos cobertos de sangue. A policia suspeita que...
- O que você quer, Matteo?
- Eu ficava me perguntando, quando eu iria ler uma noticia assim, sendo o promotor morto. Duas semanas e isso não aconteceu!
- Você é muito apressadinho, sabia?
- Sabia. E por isso eu já estou resolvendo isso! 
- Do que você está falando?
- O promotor já está comigo. Você resolveu brincar com a pessoa errada,Lua!
- Onde ele está?
- Que tal você procurar? – ele respondeu a pergunta dela, com outra e desligou o telefone.
Ela tremia. Matteo iria mata-lo e Per Dio, ela não podia deixar.

- Elisa, eu preciso que você me consiga a localização do Arthur. O celular dele tem GPS!
- É pra já!

Ela já andava de um lado a outro pela sala, totalmente nervosa. Alguns minutos depois, ouviu o telefone tocar, correu para atendê-lo.

- Então...?
- 400km ao sul. No meio floresta. 
- Certo. Preciso de algumas armas e de uma moto.
- Pra quando?
- Pra agora!
Ela dirigia a sua moto em alta velocidade. O sol já estava se pondo ao horizonte, dando lugar a lua e as estrelas. Em alguns minutos, a neblina fria começava a cobrir a estrada e ela acelerava ainda mais.
Um medo arrepiando sua espinha. E se ele já estivesse morto? Esse pensamento a fez acelerar ainda mais.

Entrou em uma estrada fina, indo diretamente para a floresta. Foi desacelerando a moto para não fazer muito barulho. Rapidamente chegou às coordenadas que Elisa havia lhe dito. Saltou do veiculo e fez o máximo para não fazer zoada. Olhava cuidadosamente todo o lugar, era uma cabana no meio das árvores. Tinham dois homens em frente à uma porta. Arthur estava ali dentro, ela tinha certeza.

Deu a volta, indo para a parte de trás da cabana se certificando que só havia vigilância na parte da frente. Babacas! Nem uma vigia eles sabiam fazer direito.

Silenciosamente sacou a sua adaga da bota, andando cuidadosamente encostada na parede, tomando cuidado ao passar pela janela para que quem estivesse lá dentro não lhe visse. Olhava fixamente para os dois homens que se encontravam na entrada da cabana, conversando distraidamente. 
A noite era gelada podia sentir a brisa em seu rosto, a adrenalina consumia todo o seu ser, seu coração batia acelerado.
Oh ela amava aquelas sensações.
Ela respirou fundo, andando até as costas de um deles e num movimento rápido, cortou a garganta, fazendo o sangue espirrar freneticamente e o jogou ao chão. Olhou para o lado, vendo o outro homem lhe olhar com desespero e fúria ao mesmo tempo.
Ah, ela adorava despertas vários sentimentos nas pessoas.

- Sua filha da puta!

Ele correu pra cima dela, para lhe dar um soco, ela desviou, dando-lhe uma cotovelada nas costas. Ele pendeu um pouco para frente, mas logo voltou para trás, olhando-a com mais raiva, acertando um murro no rosto dela, que deu dois passos para trás e sorriu, sentindo o gosto de ferro em sua boca.

- Você não devia ter feito isso, sabe? Eu adoro a minha bochecha!

Partiu para cima dele, acertando-lhe um chute nas partes intimas. Sorriu ao vê-lo se contorcendo e murmurando de dor de joelhos no chão, deu três socos seguidos no rosto dele.

- Caralho, você quebrou meu nariz! Porra! – ela sorriu.
- Está doendo, está? – ela perguntou cinicamente.
- Vagabunda! – ela revirou os olhos.
- Eu vou acabar logo com você, sua voz está me dando nos nervos!

E sem mais delongas, enfiou a faca nos estômago dele, torcendo-a de um lado a outro. Quando estava satisfeita, puxou e o olhou sem dó nem piedade. Coberto de sangue e daqui a alguns minutos sem vida.
Bem como ele merecia.
Olhou para a cabana e suspirou, tirando duas armas de sua cintura. Empurrou a porta com um chute e seu olhar já o procurava. O encontrou no centro do lugar, sentado em uma cadeira com os braços amarrados para trás e amordaçado.

- Então ela chegou! – desviou sua atenção para o lado quando escutou um homem mais alto falar, ele também tinha uma arma em sua mão.
- Então, cheguei!
- Bem que o chefe disse que você viria.
- O seu chefe é um idiota! Se meteu onde não foi chamado. A vitima é minha, eu quem mato.
- Ah vamos lá, ele não vale tanto assim.
- E você devia calar sua boca! Agora vou te perguntar uma coisinha, que tal você soltá-lo e sair vivo daqui? Ou você pode se recusar e ir direto pro inferno. Olha como estou boazinha hoje, estou te dando escolhas! – ela não pôde ver o sorriso de Arthur nos lábios, mas podia vê-lo em seus olhos e sorriu também.
- Você é uma idiota, sabia? Quem vai para o inferno é você!
- Jura neném? Estou pagando pra ver!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo