6 de mai de 2014

Ligações Perigosas: Cap 2 - parte 3




E oh Deus, aquele maldito sorriso não saia daquela boca malditamente 

saborosa. Ele apenas beijou-lhe outra vez, enquanto erguia uma das 
pernas dela, fazendo o curto vestido que usava deslizar deixando a coxa 
totalmente a mostra. As mãos dele não tardaram a acariciar a parte 
interna, chegando até a virilha dela e voltando. Ela gemia entre o 
beijo, enquanto seu corpo estremecia e ela apertava os ombros dele, 
fortemente.

E mais beijos. E mais gemidos. E mais sussurros.
Ele acariciava ferozmente os seios dela já enrijecidos por baixo do vestido, enquanto ela gemia em seu ouvido. Deixando-o louco.

Se continuar nesse ritmo eu não vou agüentar e vamos cometer uma 
loucura aqui mesmo! – sussurrou, mordendo o lóbulo da orelha dela.

- Eu amo loucuras! – a voz dela saiu rouca e ela mordeu a bochecha dele – Te quero aqui e agora!

- Estamos num lugar inapropriado!


Ela
não disse nada, apenas empurrou seus quadris em direção aos dele, 
podendo sentir toda a ereção dele já bem presente e visível. Ele soltou 
um gemido e ela riu.


- Vai dizer que nunca transou com um desconhecido num canto escuro de uma boate? – perguntou com um tom totalmente safado.

- Claro que não! – ah, ele era mesmo um santinho.

-Bem, pra tudo tem sua primeira vez! – empurrou novamente seus quadris, 
chocando-se com os dele – Eu não aguento ir para um lugar apropriado – e
então, fez Arthur quase sair voando, descendo sua mão até o membro
dele, alisando por cima da calça – E pelo visto, nem você!


Ele soltou um rugido, enquanto respirava fundo. O resquício de consciência que ainda restava nele, havia evaporado. 
As suas peles estavam ardendo. Seus corpos ansiando por um contato maior.


- Você ainda vai ser a minha morte! – ele sussurrou, invertendo as posições, colocando-a encostada na parede. Ela sorriu.
Oh sim, ela iria ser.

Ele
subiu o vestido dela, enquanto ela desabotoava a calça dele. Ele levou 
seus dedos, até o centro do corpo dela, fazendo-a gritar. Todos os sons 
abafados pela alta música.


- Mas eu posso acabar gostando disso! –
completou, enquanto fazia movimentos circulares na intimidade dela, 
deixando-a trêmula, ofegando e enlouquecidamente querendo mais. Muito 
mais.
- Eu quero você. Agora! – disse com uma voz totalmente rouca.


Ele
não esperou mais. Ergueu uma perna dela, penetrando-a de uma só vez. 
Satisfazendo o desejo desenfreado que possuíam um pelo outro. Matando de
vez a vontade de se terem.


O que tinham em comum? Era o fogo 
crescente que ardia no interior de ambos a cada milésimo de segundo. A 
vontade louca e ao mesmo tempo maravilhosa de se entregarem um ao outro.
Sem medo de nada ou de ninguém. Sem pensar nas conseqüências que aquele
desejo lhes traria. Sem pensar absolutamente em nada.
E oh, eles precisavam desesperadamente um do outro.


- Mais! Eu quero você mais forte! – e ele? Ele obedeceu. Ele daria tudo o que ela lhe pedisse.


Empurrou
mais forte dentro dela, quem procurou os lábios dele. O beijo fora 
totalmente correspondido. Estavam alucinados, loucos, suados, 
necessitados. Pegando fogo. Perigosamente pegando fogo.


O 
sussurro satisfeito saiu ao mesmo tempo. Os corpos estavam trêmulos e 
estavam vendo estrelas em sua frente. Uma euforia que jamais haviam 
sentido até aquele momento. Um prazer que nunca fora alcançado até 
aquele exato momento.
Uau! – fora o que ela conseguiu pronunciar,

deixando sua cabeça cair na curva do pescoço dele.


Os corpos se acalmavam de toda a euforia, suas respirações voltavam ao normal
aos poucos e as estrelas que estavam vendo, iam sumindo gradativamente.

Ambos soltaram um gemido manhoso, quando os corpos foram desconectados.


- Uau mesmo! – ele disse, respirando fundo – E eu sou um louco sabia? – soltou
o ar pesadamente.

- Ah, não se trate dessa forma! – riu de forma debochada.

- Como não? Eu acabei de transar com uma... Assassina! – ela não pôde se
conter de nenhuma maneira e gargalhou, arqueando a sobrancelha e o olhando da
forma mais sínica que uma pessoa pode olhar para alguém.

- E eu acabei de transar com um promotor de justiça, ora veja, não
estamos em situações muito distintas, hein?

- Sínica! – falou entre dentes – E você vai ser presa! – foi a vez dele de
sorrir sinicamente.

- Se você está dizendo... – ela deu de ombros – Mas se eu fosse você, eu
cuidaria de me prender logo agora...

- Eu julgo, não prendo. – ele falou calmamente, pincelando a bochecha dela – E
com certeza estarei no seu julgamento.

- É, vamos ver! – disse toda misteriosa e suspirou – Eu já vou indo! – o
empurrou e saiu, mas ele a puxou, fazendo voltar e chocar-se com seu peito.

- Espere! – sussurrou – Onde eu posso te encontrar? – ela sorriu.

- Pra me prender?

- Não...

- E por que você quer saber onde encontrar uma assassina se não for para
prendê-la?

- Eu quero me divertir antes de te colocar na cadeia! – então eles estavam
quites, ela pretendia se divertir antes de matá-lo

- Anote meu telefone! – disse o número, enquanto ele anotava no celular. Quando
ele levantou a cabeça para lhe perguntar o nome, pois não sabia se era mesmo Lua,
ela havia sumido. Ele sorriu.

- Eu estou definitivamente ficando louco! – sussurrou para si mesmo, colocando Ela
na agenda, para o numero que havia acabado de anotar.

2 comentários:

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo