26 de abr de 2014

Capítulo único: Amor virtual.




Nome: Amor virtual
Autora: Fanny Rodrigues
Categoria: Romance.
Sinopse: O que era pra ser apenas amizade acabou se tornando amor... Virtual. 
Obs.: Ela sera narrada só pela Lua


Depois que nos conhecemos, Arthur eu passamos a conversar diariamente e hoje pode-se considerar que somos melhores amigos. É estranho porque eu não precisei saber seu nome completo ou ver uma foto sua, a gente foi se tornando amigo ao longo do tempo. E já fazem um ano.  

BlancoL: Oi topete. 
AguiarT: Oi Lua, e aí, como foi na escola? 
BlancoL: Foi normal. Os mesmo professores chatos, dever de casa, Cath me enchendo o saco por causa da minha festa...
AguiarT: Que festa? 
BlancoL: A Cath e minha mãe tão organizando minha festa de 15 anos, mas eu já falei pra elas que é bobagem. 
AguiarT: Uma garota normal diria que 15 anos tem que ser a "festa dos sonhos"
BlancoL: Não sou normal
AguiarT: Deu pra perceber T-T 
BlancoL: Hahaha engraçado ¬¬
AguiarT: Emoji
BlancoL: Mas me conta, como foi aí na escola? 
AguiarT: Fizeram um troll com o professor de Química, o coitado saiu da sala de aula todo sujo. 
BlancoL: Shuahsu Coitado! 
AguairT: Pois é. A turma toda foi suspensa u.u
BlancoL: Você também? *o*
AguiarT: Sim shuhahsu
BlancoL: Cretino!! 
AguiarT: Sauhsuhsuhus.. Vou ter que sair Lu, meu irmão ta enchendo o saco. Beijo. Dorme bem. Amo você.
BlancoL: Pode deixar. Você também. Beijos =*. Te amo.
*AguiarT está offline*

Desliguei o notebook e fui dormir, amanha o dia seria longo. 

No dia seguinte...

- Que saco! Jura que eu tenho que participar disso? – estava de saco cheio já, Catherina me obrigava a experimentar uma pilha de vestidos para a festa e minha mãe opinava qual ficava bom ou não. 
- Quem vai usar é você, então sim, você tem participar disso – Cath disse pegando outro vestido para eu vestir. 
- Exatamente! Sou eu quem vai usar, então eu escolho – fui até o sofá onde estavam alguns que eu já tinha provado – Vou ficar com esse e não se fala mais nisso. 
- Esse é horrível, Lua – Cath fez careta. 
- Cala a boca - eu bufei. Pela primeira vez na vida eu não aguentava mais ouvir a voz da Cath – Eu  vou pra casa.
- Não vai não - minha mãe me puxou de volta – Falta escolher seu sapato. 
- Argh! 

As duas riram. A gente passou em mais de trezentas lojas diferentes e nenhuma agradava Cath. Ok, acho que está na hora de partir pra agressão física. Pelo amor dos deuses, Cath avistou uma loja que ela adorava e achou um sapato que ela julgou ser perfeito para o vestido. Fomos pra casa depois da sessão tortura. Cath e eu sentamos de frente à TV e ficamos assistindo o final do capítulo de uma série que estava passando. 

- Fez o dever de Física? - Cath perguntou quando a série acabou.
- Ainda não. To morrendo de dor de cabeça - fiz careta - Você já fez? 
- Não. Mas como eu sou uma amiga muito boa, eu vou fazer e amanhã você copia. Tudo bem? 
- Own, obrigada coisa fofa - abracei-a de lado - Se importa se eu subir pra tomar banho? 
- Claro que não, eu já estou indo pra casa - ela se levantou e pegou as sacolas - Vou guardar lá em casa porque eu sei que você vai deixar jogado em qualquer canto - eu assenti. Ela estava super certa - Vê se não passa a madrugada toda conversando com o bofe e vá dormir, ok?!
- Tchau Catherine - eu praticamente a expulsei de casa, mais cinco minutos com ela e eu a matava. 
- Eu também te amo - ela disse antes de eu fechar a porta. Catherine era é minha melhor amiga desde que eu me mudei pro Rio de Janeiro, ela é super desencanada, patricinha e super amiga. Amo forte essa bitch. Eu subi pro meu quarto e fui tomar o banho, meus pés estavam me matando odeio andar de salto e minha cabeça parecia que ia explodir. Eu coloquei meu pijama, deitei na cama e peguei meu celular. Tinha uma mensagem do Arthur:

"Posso te ligar?"

Esse topetudo me ama, só pode. Abri a caixinha de resposta e digitei: 

"Se tiver afim de aturar meu péssimo humor, fique a vontade"

Não demorou nem 10 minutos e o toque do meu celular soou no quarto, peguei-o e me certifiquei de que era ele mesmo. 

Ligação on:

Lua: Quem me incomoda? - ouvi uma breve risada.
Arthur: Boa noite coisa irritante - sorri - Por que está de péssimo humor? 
Lua: Porque minha mãe e a Cath me fizeram experimentar uma pilha de vestidos, andar o shopping inteiro de salto alto e agora eu estou morrendo de dor de cabeça e com os pés todo dolorido. Ta bom pra você?
Arthur: Poxa! - ele fez uma pausa - Quase fiquei com pena de você. 
Lua: Idiota! - bufei e ele gargalhou - Ficou com saudade, foi? Não faz nem 24h que nós conversamos. 
Arthur: Conversamos por Skype, eu queria ouvir sua voz.
Lua: Ah, que fofo! Fiquei quase convencida de que me ama.
Arthur: É sério. Faz quase dois meses que não conversamos por telefone. 
Lua: Você contou? 
Arthur: Er.. Eu olhei nas chamadas - ele me pareceu nervoso. Ouvi uma voz no fundo, parecia ser de uma criança. Niiiick
Lua: Quem ta aí? 
Arthur: Meu irmão, quer falar com ele? 
Lua: Quero, coloca no viva-voz. 
Nicolas: Oi - Ele disse e deu uma risadinha tímida, meu deus que coisa fofa. 
Lua: Oi coisa gostosa.
Nicolas: (ele riu tímido, ouvi Arthur dizer "É a Lu, fala com ela") Sabia que eu ganhei um carrinho?
Lua: É? E de quem você ganhou?
Nicolas: Althu  (Arthur) 
Lua: E como foi na escolinha?
Nicolas: Eu blinquei com a plofessola, com a Bia e também fiz um dodói - meu deus acho que vou morrer com tanta fofura. Ouvi a risada de Arthur no fundo.
Lua: Onde você machucou?
Nicolas: Aqui - acho que ele apontou pra algum lugar, então Arthur falou "Fala onde você machucou, Nick" - No queixo.
Arthur: Vai lá brincar com o carrinho - Nick deu risada e deu pra ouvir ele correndo.
Lua: Que coisinha goxtosa.
Arthur: Claro, puxou o irmão aqui - gargalhamos.

Ficamos conversando por mais um tempo até meu pai chegar em casa bêbado, odeio isso, eu desliguei e fui ajudar minha mãe. A noite seria longa.

No dia seguinte...

- Cath, eu juro que se você voltar a falar dessa maldita festa eu te bato aqui mesmo – estávamos no intervalo. Cath tinha me enchido o saco a aula inteira falando sobre uma banda que ela estava pensando em contratar que quase fomos expulsas da sala – Eu já disse, não ligo pra essas coisas.
- Só que “essas coisas” é a sua festa – ela disse indignada – Lua! A gente não faz 15 anos todo dia.
- Pois é. Nem dezesseis, dezessete, dezoito... – Cath fez cara de deboche – É serio, por mim não teria nem festa.
- Você é impossível garota – ela revirou os olhos – Você ainda vai me agradecer – eu dei de ombros, então ela voltou a falar da tal banda. Saco.

Algumas horas depois...

Cheguei em casa por volta das 16h da tarde. Eu tinha ido pra casa da Catherine fazer um trabalho chato de Biologia. Almocei e fui tomar um banho para tirar o suor que já tinha secado – tive aula de educação física. Coloquei uma roupa leve, estava fazendo um calor insuportável. Verifiquei meu celular e não tinha mensagens, o Arthur também não estava online no Skype então resolvi me deitar um pouco. Esse pouco acabou se tornando muito e quando me dei conta já eram quase 23h da noite.

Não tinha ninguém em casa. Olhei na sala, quarto, cozinha e realmente estava tudo deserto. Foi então que reparei um bilhete, provavelmente seria da minha mãe.

“Oi filha, a mamãe teve um imprevisto no trabalho e teve que fazer uma viagem as pressas. A Cath ficou de organizar tudo e fique tranquila que eu volto antes do seu aniversario. Te amo. Já estou com saudades”

Legal. Vou ficar sei lá quantos dias sozinha com o Scooby – meu cachorro. Peguei um copo de suco de laranja e alguns biscoitos e fui pro meu quarto, liguei o ar e peguei meu notebook.

AguiarT: Apareceu a margarida.
BlancoL: Oi topete Emoji
AguiarT: Tudo bem? Sumiu o dia todo :s
BlancoL: Cheguei em casa vc não estava on, daí eu fui dormir. Acordei agora Emoji
AguiarT: Preguiçosa. 
BlancoL: Chato.
AguiarT: Boba.
BlancoL: Idiota. 
AguiarT: Ok, chega shuahs 
BlancoL: shushuahu. Thur, to sozinha em casa =(
AguiarT: 69'
BlancoL: É sério seu babaca, eu tenho medo e outra, eu não vou dormir tão cedo. 
AguiarT: Quer que eu te faço companhia até te dar sono? 
BlancoL: Sério? ><
AguiarT: Aceita logo antes que eu desista u.u
BlancoL: Chatooooo
AguiarT: Emoji
BlancoL: Thur? 
AguiarT: Oi? 
BlancoL: Sabe que eu não vou pegar no sono tão cedo né? 
AguiarT: Estou disposto a perder uma noite de sono por você.
BlancoL: shuahsua Te amo. 
AguiarT: Eu sei <33
BlancoL: Como você consegue ser tão babaca garoto? ¬¬
AguiarT: Do mesmo jeito que você consegue ser linda.

Ok, eu não esperava por isso.

BlancoL: Quer ligar a cam? Sem paciência pra ficar catando feijão no teclado.
AguiarT: As vezes me pergunto como você consegue ser tão preguiçosa...
BlancoL: Liga logo u.u

~AguiarT está te convidando para uma chamada de vídeo~

- Oi pirralha.
- Oi babaca.
- Por que está sozinha? 
- Minha mãe teve que fazer uma viagem de última hora e meu pai... Bom, você sabe  suspirei. 
- Sei  ele estalou os dedos  Vou viajar semana que vem, não vai dar pra passar e te desejar feliz aniversário. 
- Sabe que eu não ligo. 
- eu sei, mas eu queria  ele fez bico. Dei risada.
- Bicudo – ele sorriu – Cadê o gostoso do seu irmão?
- Muito obrigado pela atenção – ele fingiu de ofendido – O pirralho ta dormindo, caso não tenha relógio, são quase 00h. 
- Caraca! Nem percebi. E você não tem aula amanhã? 
- Tô suspenso, lembra? 
- Vagabundo – ele riu. 
- Vou pra sala, cuidado pra não ficar tonto.

Eu desci as escadas segurando o notebook e morrendo de medo de tropeçar e sair rolando, sentei no sofá e Arthur começou a fingir tontura. Gargalhamos. Liguei a TV para não me sentir sozinha – não sei vocês, mas eu preciso de alguma coisa fazendo barulho quando eu estou sozinha em casa, caso contrário, em penso em todos os filmes de terror que eu já assisti na vida. 

- Eu tava pensando numa coisa – Arthur disse. Ele parecia meio nervoso.
- Você pensando? – fiz cara de deboche – Ta ai uma coisa que não se vê todo dia. 
- Boba. Tô falando sério – ele riu de leve e depois voltou a face séria. 
- Tudo bem, no que estava pensando? 
- A gente se conhece há uns doze meses, certo? – assenti – Muito tempo. E certas coisas acontecem...
- Ta me deixando nervosa Arthur, fala logo. 
- Eu acho... Não eu não acho, eu... – ele suspirou – Eu não sei como falar.
- Que tal do começo? – ele sorriu. 
- Eu to apaixonado!
- Sério? Ér... Que bom... Parabéns! – eu virei gaga agora? Droga, Lua. Ele vai achar que você não gostou, idiota! Espera.. Eu odiei – Thur, eu preciso sair. 
- Espera! Eu não terminei – agora ele vai me dar um relatório? Tudo bem, espero que ela seja gostosa pelo menos. 
- Tudo bem. Continue. 
- Eu to apaixonado por uma garota que eu conheci num chat qualquer. E é estranho porque eu nunca toquei ela. Nunca beijei. Ou pelo menos a vi pessoalmente. Eu me apaixonei pelo seu sorriso, pelos olhos lindos dela que eu só vi através de uma tela de computadoe. E a sua voz... A voz mais linda que eu já ouvi na vida.
- Arthur... – eu não conseguia dizer nada.
Quando eu te conheci, pensei que iria ter uma grande amiga. Mais o meu amor foi nascendo... Foi crescendo... E hoje, ele já está maior que o universo  eu sequei algumas lágrimas que insistiam em querer sair. Arthur também estava com lágrimas nos olhos  Eu não sei como criei coragem pra falar tudo isso, mas eu te amo Lua e... 
- Arthur!!  eu disse um pouco mais alto. Ele se calou  Eu aceito. 
- Aceita? Aceita o quê? 
- Aceito ser sua namorada  sorri e ele sorriu junto comigo  Eu também te amo... Topete!  nós rimos e eu deixei que as lágrimas corressem pelo meu rosto. Não eram lágrimas só de felicidade, eu o queria aqui por perto, mas se Deus quis assim eu suporto ama-lo de longe. 

Como é que eu pude assim
Gostar de alguém
Que só vejo de longe
E nunca beijei
Foi como uma luz
Forte atração
Foi como ver o sol
Em plena escuridão

***

Já tinha se passado quase uma semana. Minha mãe ainda não tinha chegado e meu pai não era tão presente. Ele é alcoólatra só não assume, é quase rotina ele chegar em casa bêbado e fazer aquele escândalo antes de cair no sofá e dormir. Arthur sempre me ajudou em relação a isso, nesses últimos dias que minha mãe esteve fora meu pai chegou bêbado duas vezes, e nessas duas vezes Arthur me acalmou e cantou pra mim, mesmo que por telefone. Ele sempre faz isso. Ele diz que é uma forma dele se sentir perto de mim. Nosso relacionamento estava indo bem, a gente não deixou nossa amizade de antes de lado. Continuamos tendo as mesma conversas bestas, só que agora sempre rola apelidos mais íntimos. 

***

- Faltam três dias - Cath soltou um gritinho animado. 
- Essa é a hora que eu fico feliz? - eu fiz cara de debochada, ela revirou os olhos. 
- Já disse que te odeio? - eu neguei com a cabeça - Eu odeio você, Lua Blanco - gargalhei. 
- Ok, acredito, agora vamos pra aula porque agora é a vaca da Francisca.
- Não?! - Cath fez cara de sofrimento.
- Sim e pelo que ela disse hoje é prova de literatura - nós duas bufamos. 
- Saco! - falamos em coro.

Algumas horas depois...

- FILHA, CHEGUEI! - escutei minha mãe gritar da sala. 
- Mamãe! - corri da cozinha e pulei encima dela - Nunca mais saia sem me avisar ok? Quase morri do coração, já estava achando que tinha me abandonado. 
- Own meu bebê - ela apertou minha bochecha e deu um beijo estalado - Jamais iria te abandonar. Oi Cath. 
- Oi tia, também morri de saudades - as duas se abraçaram.
- Duas exageradas, só fiquei fora por alguns dias. 
- Ouviu só Cath, ela não ficou com saudades da gente - falei se fingindo de ofendida. 
- Poxa tia, magoei agora - minha mãe riu e finalmente entrou em casa. 
- Minhas pequenas - recebemos um beijo na bochecha - O que tem pra comer? Eu com fome. 
- Ouviu Cath? Ela está com fome - cruzei os braços. Minha mãe riu. 
- Como pude criar uma filha tão chatinha? 
- Ouviu Cath? Agor...
- Cala a boca, Blanco - Cath disse num tom de irritação. Eu gargalhei.
- Você sempre cai nas brincadeiras dela - minha mãe revirou os olhos, Cath fez o mesmo e bufou em seguida - Não me responderam. O que tem pra comer? 
- Macarrão instantâneo - minha mãe fez careta - Que foi? Não sei cozinhar - me defendi. 

***

Dia da festa - 9h da manhã.

- Como você pode estar nessa cama dormindo se seu aniversário é daqui a pouco? - entrou uma Catherine irritada no meu quarto. Cara, eram 9h da manhã, óbvio que eu estaria dormindo. 
- Cath, me deixa por favor, a festa só começa as 21h da noite. - eu virei para o outro lado. 
- Nem pensar, Lu. A gente tem muita coisa pra fazer e o salão ta marcado pra daqui meia hora. 
- Salão?- eu finalmente a olhei, ela assentiu - Cath, a festa é só de noite.
- Mas a organização é desde agora - ela puxou meu edredom - Te espero lá embaixo, não demora. 
- Insuportável - eu gritei e pude ouviu a risada fina dela. 

Passamos basicamente o dia inteirinho no maldito salão. Tudo bem, eu gosto de ir ao salão, principalmente pra colocar a fofoca em dia - risos - Mas ir ao salão com a Cath tagarelando no seu ouvido, é pesadelo.

Dia da festa. 18h da tarde. 

- Filha, tem uma caixa pra você - ouvi minha mãe gritar. Terminei de me trocar  e desci para ver o que era. 
- Começou a sessão presentes? 
- Parece que sim - minha mãe sorriu - Gostei da caixa. 
- Ainda são 18h - fiz careta - Vou colocar lá encima. 
- Não vai abrir? 
- Mais tarde. Vou começar a me arrumar se não a Cath me mata - minha mãe riu. 
- Ok. 

Subi com a caixa e deixei-a encima da cama. Tomei banho, coloquei um vestidinho e liguei meu notebook pois estavam me chamando no Skype. Eram alguns parentes distantes me desejando feliz aniversário, algumas pessoas que eu não fazia ideia de que tinha no Skype também me dando os parabéns e uma mensagem do Arthur. Estranho. Ele tinha dito que não ia poder entrar. 

AguiarT: Oi, provavelmente minha caixa já deve ter chegado na sua casa e antes que pergunte, a Cath me ajudou em tudo. Pode achar estranho, afinal a gente nunca se presenteou com nada, mas eu quero que abra a caixa roxa que provavelmente está encima da sua cama. Feliz aniversário minha loira. Eu te amo Emoji

Ele tinha enviado a mensagem á uns 20 minutos atrás. Eu caminhei até minha cama e abri a caixa. Nela tinha um colar, tipo um medalhão onde você coloca foto dentro, sabe? Eu abri e ainda não tinha nenhuma. Sorri comigo mesma e continuei a olhar o que mais tinha na caixa. O outro era um pelúcia de tartaruga e no colar dela estava bordado Arthur - dei risada, sabia o significado daquilo. A outra coisa era uma carta.



Qualquer pessoa colocaria milhares de poréns em um relacionamento virtual, e duvidaria de um amor supostamente capaz de vencer até a mais cruel distância. Eu duvidava até que você apareceu. Apareceu pra mim e mudou meu conceito de felicidade, me fez ver que a alegria que eu julgava sentir é nada comparado ao que eu sinto hoje. Porque você me mudou, me tornou alguém melhor sem nem me tocar, e eu sei que posso te sentir mesmo com a maior das distâncias. Hoje eu preciso das nossas conversas, eu preciso das nossas brincadeiras, preciso de você aqui comigo a cada instante. Talvez você não saiba, mas antes de dormir eu faço planos pra você, pra mim e pra nós. Eu crio um universo paralelo onde nada importa, nada existe, só eu e você. Eu acredito em meus sonhos, mas sei que ainda vou deixar de tratar você como sonho. Ainda vou te tratar como realidade, a minha realidade.

Cedo ou tarde a gente vai se encontrar... 

Att: AguiarT.

BlancoL: Não importa se é virtual, ou não. Não importa se você está perto ou distante. O que realmente importa é que você está no meu coração e para isso não há distância, nem obstáculos. Pois o meu amor suporta qualquer coisa, inclusive a merdinha que é a distância. Ela vai me impedir de te tocar, não de te amar Emoji

***

Só te conheço assim
Pelo computador
Me apaixonei agora
Vivo essa dor


Eu já estava quase pronta, Cath apenas terminava minha maquiagem. Vestido: clica. Maquiagem: clica. Cabelo: clica. Na visão de Cath, estava tudo perfeitamente perfeito. 

- Ajudou o Arthur a me presentear? - perguntei à Catherina enquanto ela ajeitava uns fios do meu cabelo. 
- Não fica brava, ta? Eu pensei que iria gostar. 
- Ta brincando? Foi perfeito. Eu adorei os presentes e a carta - sorri.
- Ele te mandou uma carta? - ela fez careta - Que coisa antiga. 
- Cath! - dei um tapa nela - Eu gostei, ok? 
- Ok! - ela deu de ombros - Pronto! - ela me deu a mão para que eu levanta-se - Amiga, você ta perfeita! - ela me olhou como se olhasse para uma obra de arte. Catherine...
- Ta, vamos logo pro salão da festa antes que eu desista - revirei os olhos. Admito, eu estava linda mesmo. 

Eu e a Cath fomos para o salão de festa e logo minha mãe me barrou com uma câmera enorme na mão. 

- Meu Deus você esta tão linda - minha mãe dizia com os olhos brilhando - Minha bebê ta crescendo. 
- Mãe! - eu a repreendi. Odeia quando ela faz essas ceninhas. 
- Junta você e a Cath pra eu tirar uma foto - ela disse e flash na minha cara. Parabéns mamãe, deixou sua filha cega logo na sua festa de aniversário - Pronto. 
- Ótimo, a gente já pode cantar o parabéns? - minha mãe me repreendeu com o olhar - Tudo bem, eu vou dar uma volta. 

Fui receber os convidados. Acho que isso durou uns 30 minutos, percebi que a Cath e a minha mãe ficavam de conversinhas e a cada 5 minutos elas olhavam pra mim. Depois de receber os convidados, fizemos o jantar e eu fui trocar de vestido - agora seria a parte da valsa. Saco.


Me deixa ver você
Liga o computador
Me diz onde te encontrar
Que eu já vou

Entrada do cortejo (familiares);
Entrada dos príncipes para apresentação;
Entrada das damas de honra;
A minha entrada - estava me sentindo uma celebridade de tanto flash. 

Pra falar a verdade eu ainda não sabia quem era meu príncipe, espero que a Cath tenha contratado algum modelo bonito. Um garoto veio em minha direção, eu não soube reconhecer direito, mas tive uma leve impressão de já o tinha visto (?). Quando ele chegou bem perto de mim eu levei um susto, sim, era o Arthur e ele... Estava sorrindo. Ele beijou minha mão e depois saiu. Eu fiquei sem reação, não conseguia nem controlar minha respiração. 

Logo depois teve a entrega da jóia, que foi feita pelo meu pai. Eu só conseguia prestar atenção no Arthur e no sorriso que ele lançava pra mim. Ele. O meu Arthur estava ali e eu não conseguia fazer nada. No telão de retrospectiva mostrarão algumas fotos minha e da Cath, eu com os meus pais, algumas com amigos da escola e tinha uma que era bem pessoal. Era uma montagem que eu fiz e mandei pro Arthur. Na foto a gente se abraçava e na legenda estava escrito: "Cedo ou tarde a gente vai se encontrar". A gente se olhou  e instantaneamente sorrimos nos lembrando daquele dia, era uma promessa que tínhamos feito um ao outro. E ele estava aqui para cumpri-la. 

Chegou o momento da valsa. Eu dancei com o meu pai, meu padrinho, meu tio e com Arthur. Durante toda a dança não dizemos nada, quero dizer, ele não me deixou dizer nada. 


Queria te tocar
Te acariciar
Chega de TC
Quero conversar

***

Já tinha acabo o cerimonial à uns 15 minutos e eu praticamente tinha perdido o Arthur de vista. Ele não estava na pista, nem perto das mesas de comida  e muito menos perto das bebidas. Cath estava perto do palco quase se descabelando pela banda que tocava, ah... Ela tinha contratado a galera do Fly - Caique gostoso. Troquei de vestido novamente e desci. Já estava cansada de ficar procurando o Arthur então resolvi sair um pouco pra fora e tomar um ar. Vi que tinha um garoto sentado no chão, com a cabeça encostada na parede e de olhos fechados. Era ele. 

- Ei! Você é louco ou o que? - eu me sentei ao lado dele, Arthur levou um susto. 
- Oi - ele disse com a suave e calma.
- Oi? Arthur eu fiquei te procurando igual uma idiota e tudo que você me fala é oi? - sim eu estava nervosa. Seu namorado que você nunca viu pessoalmente está na sua frente e a única coisa que fala é oi? 
- São tantas coisas pra dizer - lá vem ele com isso de novo. 
- Arthur você... - eu não terminei e comecei a chorar - Você ta aqui.
- É eu tô - ele sorriu e ele me abraçou forte. 

Nosso primeiro abraço desde que nos vimos á uma hora e meia atrás. Apesar da posição desconfortável, nos abraçamos como se o mundo fosso acabar ali mesmo. Meu Arthur, meu melhor amigo, meu amor... Estava ali. Arthur me puxou pro colo dele e com um pouco de receio, seus lábios se encontraram com os meus. Coloquei minhas mãos em volta do seu pescoço e ele colocou as dele em volta de minha cintura. Minhas lágrimas ainda escorriam pelo meu rosto, os braços de Arthur me rodeavam como se dissessem que eu não tinha o que temer e que não importa o que acontecesse eu estaria segura ao lado dele. Ficamos nos beijando por um tempo, até o ar faltar e a gente ter que se separar.

- Foi ainda melhorar de como eu imaginei - ele sorriu me deixando um pouco sem graça. 
- Como você...
- Já te disse, a Cath me ajudou em tudo - ele sorriu - Ela me procurou no Skype depois que te pegou chorando de noite, eu contei pra ela do nosso namoro e ela me pediu pra ser seu príncipe. 
- Você disse que tinha uma viagem.
- Eu ia pra casa da minha mãe - franzi o cenho - Meus pais se separaram tem quase um mês.
- Por que não me contou? 
- Foi na mesma época que seu pai voltou a beber, você tava muito mal e eu não queria te preocupar com mais um problema - ele acariciou meu rosto.
- Arthur... - eu o abracei - Sinto muito. 
- Tudo bem. Meus pais brigavam muito, foi bom para os dois lados - ele deu de ombros. 
- Você deveria ter ido pra casa da sua mãe.
- Eu estou na casa da minha mãe - ok, não entendi - Vou explicar. Minha mãe se mudou aqui pro Rio - ele sorriu abertamente. 
- Arthur isso é...
- Perfeito? - eu assenti - Eu sei.

A gente sorriu e nos beijamos novamente. Pode-se dizer que a Cath tinha razão, minha festa não poderia ser mais perfeita. Ah, tinha sim. Arthur me disse que a mãe dele morava no bairro do lado, algumas quadras da minha casa e que ele ficaria o final de semana com ela. Infelizmente eu tive que voltar pra festa pra poder tirar algumas fotos com os convidados. De todas, as minhas favoritas com certeza foram as com o Arthur. 


Deixa eu beijar você
Deixa eu abraçar você
Meu amor virtual!

No dia seguinte...

- LUA, TELEFONE! - minha mãe gritava da sala. 
- Eu já estou indo - eu desci as escadas correndo, mas quando peguei no telefone ele parou de tocar - Droga!
- Era o seu amigo? 
- Bom... Na verdade era o meu namorado. 
- Namorado? - minha mãe desligou a TV - E desde quando você tem namorado Lua?
- Desde quando ele me pediu em namoro e eu aceitei - minha mãe me encarou - É o Arthur. O Arthur é meu namorado. 
- O Arthur? Mas vocês não conversam só pela internet? 
- Mamãe... - contei a história toda pra ela - Entendeu? 
- Hum - ela deu de ombros. 
- Mamãe, eu já não sou mais criança - sentei ao lado dela - Sei me cuidar e o Arthur não é nenhum maníaco sexual - dei risada. Quando eu e o Arthur começamos a conversar minha mãe quase me proibiu de falando com ele, segundo ela: Arthur era um velho gordo, de 30 anos, divorciado e aproveitador. 
- Eu só não quero que você se machuque. Eu não posso proibir você se conversar com ele, mas namorar? - ela pegou minha mão - Sabe mesmo o que esta fazendo? 
- Sinceramente? Não - sorri - Mas eu o amo. Amo muito e eu preciso fazer isso. Não quero chegar na terceira idade e não ter experimentado nada da vida - minha mãe riu. 
- Juízo minha filha - ela beijou minha testa. 


Me deixa ver você
Liga o computador
Me diz onde te encontrar
Que eu já vou


- Nunca pensei que um dia estaria assim com você. Lado a lado - a gente estava andando na areia da praia. 
- De mãos dadas - ele continuou. 
- Abraçados - disse.
- Depois de um ano eu posso dizer finalmente - ele parou e segurou meu rosto.
- Acha mesmo que vai dar certo? 
- A gente só vai saber se tentar. 
- Eu te amo - o abracei pra cintura. 
- Eu te amo mais meu amor virtual - ele me beijou. 

Quero conversar
Quem sabe te convencer
Ao dizer
Que não é virtual
O que eu sinto por você
Meu amor virtual

Fim

N/A: Ai meu coração *-*. Eu não sei se teve algum sentido, se foi boa ou ruim. Mas eu adorei escreve-la. Obrigada a quem leu e sinta-se abraçada por mim quem comentar. Enfim, eu não sei se ficou boa pra isso eu preciso que vocês comentem o que acharam. Beijos. Até a próxima. 
Obs.: Eu coloquei alguns trechos aleatórios dessa música do sampa crew. Erros de ortografia a culpa é do teclado. (sem paciência pra revisar)

12 comentários:

  1. Perfeito, gostei muito parabéns

    ResponderExcluir
  2. Simplismente ameiii!!!
    Ass:Joyce C.

    ResponderExcluir
  3. To chorando pft

    ResponderExcluir
  4. Amei faz uma web q a lua se corta

    ResponderExcluir
  5. Nss Choreii...Pena Ki Mei Amor Virtual Num Foi Desse Jeito..Ameii!

    ResponderExcluir
  6. Tão lindoooo amei
    posta mais capitulos unicos como este... vc arrasou
    Aninha

    ResponderExcluir
  7. Adorei! Que amor!! L

    ResponderExcluir

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo