27 de fev de 2014

6°Capitulo: Estou muito decepcionada com você ! // Unidos Por Uma Criança - Maratona 3/5







#Relembrando: – Desligou sem ao menos me dizer um “tchau”.

Fico ressentida com isso, conheço a Sophia ela odeia o Arthur. O motivo? Bom o motivo é por eu ter falado mal dele durante anos, e nunca ter contado a ela o lado bom dele. – Respiro fundo e ponho o telefone de volta no lugar, me jogo no sofá tentando esquecer todas as besteiras que fiz na última hora. [...]
Após uma hora, ouço duas batidinhas na porta, suponho que seja Sophia. Caminho rapidamente até a porta e vejo que Sophia está completamente descabelada, ela nem fala nada comigo e nem ao menos me olha nos olhos, ela passa por mim, me dando um leve esbarrão  e se senta no sofá, cobrindo o rosto com as mãos .
– Eu não acredito que você fez isso Lua! – Sophia falou com a voz fraca e ainda com as mãos tampando o rosto. Fecho a porta e caminho até uma poltrona que fica a alguns centímetros de distancia do sofá.
Olho para o nada e tento não chorar.
– Sinceramente eu não consigo acreditar, que você tenha feito isso ! – Tive a impressão que ela já me olhava, mais não tive coragem de confirmar a minha impressão. – Depois de tudo o que ele te fez, você teve coragem ? – Sinto um  nó se fazer na minha garganta e meus olhos se encherem de lagrimas . – Lua eu estou muito decepcionada com você ! – Assim que Sophia disse isso eu tomei coragem e a encarei. 
– Sophia... – Não tinha palavras, estava envergonhada por tudo que fiz, acho que eu estava mesmo bêbada e não sabia.
– Lua... – Sophia respirou fundo e rapidamente se levantou e começou a andar de um lado para o outro. – Você foi uma idiota, em fazer isso, você sabe por tudo o que passou ! – Continuou a andar de um lado para o outro. – EU AINDA NÃO ACREDITO QUE VOCE FOI TAO IDIOTA AO PONTO DE TRANSAR COM O ARTHUR. – Começou a gritar, e quando alguém começa a gritar comigo, por mais que eu esteja errada, eu viro um bicho, me levanto da poltrona e começo a me defender.
– Sophia, para de gritar. – Peço a ela. – Transei, transei e me arrependo, então não me julgue, eu não estou precisando ser julgada, eu estou precisando de uma amiga ! – Falei, tentando manter a calma e olhando Sophia que me olhava com o que parecia ser, raiva.
– VOCE É UMA IDIOTA ! – Continuou a gritar e eu não me aguentei. 
– IDIOTA É VOCE QUE TEM UM HOMEM AOS TEUS PES E NÃO DAR VALOR A ELE, PARA DE SER MIMADA, SOPHIA. – Comecei a falar tudo o que estava entalado a anos na minha garganta. – PARA COM ISSO E CRESCE, JÁ ESTÁ NA HORA ! – Finalizei, deixando a sala ser tomada pelo silencio, os olhos cheios de lagrimas de Sophia, caíram em cima de mim, e eu pude ver que o que eu tinha falado a magoou muito, e isso não era o que eu queria fazer . – Desculpa ! –Tentei me desculpar... Mais já era tarde Sophia pegou sua bolsa e caminhou pisando firme até a porta, e quando lá ela chegou olhou para mim como se eu fosse uma qualquer, um olhar de nojo. Eu não acredito que eu briguei com a minha melhor amiga por causa do Arthur . NÃO ACREDITO.
Volto a me sentar na poltrona e começo a pensar em tudo o que o Arthur já me fez , e começo a achar que a Sophia tem razão, EU SOU UMA IDIOTA .

**
– Arthur eu estou grávida ! – Falei tentando chamar a atenção dele, mais mesmo assim ele continuou a sua atenção para o computador. 
– E daí ? – Perguntou digitando alguma coisa.
– E daí? – Franzo o cenho e continuo a falar . – E daí, que o filho é seu! – Falei, mais parecia que nada chamava a atenção  dele.
– Lua dá o teu jeito... – Falou me olhando por alguns segundos, mais sendo interrompido por um telefonema, e como eu esperava, ele atendeu e me deixou, ali... plantada esperando. – ARTHUR! –gritei, fazendo com que ele me olhasse assustado, mais ao mesmo tempo zangado. Ele inventou uma desculpa qualquer e desligou o telefone, agora sim com sua atenção voltada para mim.
– O que você quer, hein Lua? – Perguntou se levantando da cadeira onde estava sentado. – Dinheiro? – Caminhando lentamente Arthur se aproximava a cada vez mais de mim.
– Claro que não!  – Falei. – Eu quero que você me ajude! – Falei, sentindo meu rosto começar a arder por conta da raiva e um nó se formar na minha garganta, pedindo para que eu chorasse.
– Lua, faz o que você quiser ! – Falou, com desdém chegando mais perto de mim e me olhando nos olhos . – Só sei que essa coisa, não vai me prender a você . 
**

Coisa? Eu nunca me esqueci desse dia, eu esperava que o Arthur reagisse mal, mais não assim... Ele foi um grosso, rude, idiota... Chamar o próprio filho de coisa ? . Nesse dia eu percebi que o Arthur não era o cara certo pra mim... Não mesmo. – Sinto as lágrimas descerem rasgando pelo meu rosto... Não sei como eu consegui me deixar abater por um idiota desses: da pior espécie. Eu prometo a mim mesmo que eu não vou mais ter nenhuma recaída, nenhuma... NUNCA mais, NUNCA! – Seco as minha lágrimas com as costas das mãos . – Prometo também que agora eu vou focar no meu trabalho e na minha filha... nada de namorados por enquanto. – Me levanto da poltrona e caminho até a cozinha e indo até a geladeira pegar uma jarra de agua, assim que a pego caminho até o armário onde ficam os copos e lá eu pego um, o encho de agua e ponho-o encima do balcão da cozinha e volto ate a geladeira para guardar a jarra. Assim que guardo volto ate o balcão e pego o copo de agua, dando um gole longo. – Vai ser difícil, mais eu vou conseguir. – Falei para mim mesma .
[...]

Já é segunda, estou sentada na sala de estar checando os meus e-mails enquanto espero Elena terminar se tomar café. Ontem meu dia foi muito difícil pois passei o dia todo aos prantos, Elena já está fazendo perguntas e isso começa a me irritar, por mais que ela não tenha feito nada de errado. Estou com raiva de tudo e de todos,  e o meu mal humor ? Só Deus pra ajudar a minha assistente hoje.
– Elenaaaaaaaa! – Grito da sala, para apressa-la .
– Já voooooo! – Respondeu também gritando.
– Rápido! – A apressei mais.
Continuei a checar meu e-mail, respondi a alguns e me desconectei. Guardei o tablet dentro da minha bolsa e caminhei firme tentando me equilibrar no salto. –  Eu vestia um vestido curto de ceda na cor preta. Ele não havia detalhes ou coisas assim, era simples mais chique. Carregava um cinto na cintura da mesma cor que o vestido. A bolsa que eu usava era também preta e tinha alguns detalhes em prata, combinando com o bracelete e o detalhe do meu sapato. O mesmo era fechado e tinha uma fivela prata na frente dando um detalhe nada chamativo, mais bonito, o salto era alto mas muito confortável  como hoje o meu dia seria corrido, teria várias reuniões o salto é mais que necessário para que eu me sinta mais que confiante e faz eu me sentir mais segura. – Em direção a cozinha. 
– Vamos logo filha! – Falei aparecendo na cozinha e fazendo Elena me olhar brava.
– Calma, mamãe plechiso temina de cume! – Falou tomando suco de laranja.
– Emilly, você pode levar a Elena na creche ? – Perguntei a Emilly que lavava a louça.
– Posso! – Respondeu, ensaboando um copo.
– NÃO, MAMAE ... JÁ CABEI! –Elena falou alto mais não gritou. Se levantou da cadeira e pegou a mochila que estava na cadeira ao lado, correu em minha direção e começou. – Não quelo ir com a Milly quelo ir com vuxe ! – Fez bico, e eu não consegui ficar seria, abri um sorriso e pegue a mochila da pequena .
– Tá bom, vamos ! – Falei e me virei para sair. – Tchau Emilly ! – Acenei já de costas . 
– Tchau ! – Ela respondeu.
– tiau, Milly ! – Olhei para Elena e ela fazia a mesma coisa que eu.
Ouvi a gargalhada de Emilly e após a resposta.
– Tchau! – Falou. – Saímos de casa em rumo ao meu carro abri a garagem e coloquei Elena sentada no banco do carona, apesar de eu estar atrasada, a creche fica a cinco quadras daqui então eu acho que não teria nenhum problema em ela sentar no banco da frente, dei a volta e abri a porta para entrar também no carro e assim fiz, liguei o carro e sai da garagem depois a fechando com o controle... Sigo em rumo a creche de Elena.
– Mamãe, to cum xaudadi du papai ! – Ai meu Deus...
– Elena, o que eu te disse ? – Perguntei séria, mais sem desviar minha atenção da pista.
– Que naum quer qui eu fali du papai peto di voxe ! – Respondeu. – Maix eu to cum xaudade, mamãe ! – Continuou .
– Tá filha... eu vou pedir pra tia Emilly ligar pro seu pai ! – A olhei rapidamente. – Okay ? – Ela assentiu sorrindo.
[...]

Cheguei ao trabalho e entrei direto para minha sala, haviam  vários papeis na minha mesa, desfiles que eu ainda havia de confirmar a minha presença, propostas de novas parcerias... entre outras coisas. – Bufo ao ver que a minha semana seria mais corrida do que imaginava, mais pelo lado bom tudo isso me distrairia da minha vida pessoal que agora está definitivamente uma droga . – Começo a enviar alguns e-mails confirmando a minha presença em desfiles importantes e também aceito algumas parcerias com lojas de roupas e fabricas . 

14:00hrs eu consigo um tempinho para almoçar, e só assim para tentar relaxar, mas nem pude sair da minha sala para poder comer em paz, Poliana ( Secretária/Assistente ) disse que eu teria que terminar de comer em menos de 15 minutos pois eu teria que fazer algumas entrevistas com possíveis novas costureiras .  Já que Poliana já havia comprado minha comida, só pedi para que ela a esquentasse, assim ela fez e serviu na minha mesa. ( Lasanha de carne ) Estava uma delicia, comi rapidíssimo e nem tive tempo de descansar, pois assim que eu acabei de tomar o último gole do meu suco, Poliana entrou na sala e tirou a minha “sujeira”. A deixei lá limpando e fui em direção ao banheiro, escovei os dentes e dei uma retocada na minha maquiagem. Assim que sai, Poliana começou.
– Sra. Lua, aqui estão os currículos das candidatas. – Me entregou várias folhas. – São essas que compareceram e já estão lá fora a espera da sua chamada .
– Obrigada, Poliana. – Agradeci caminhando até a minha cadeira. – Pode mandar a ... – Olhei para o primeiro currículo que carregava o nome de Maria da Graça de Santanna. – A olhei e ela assentiu, caminhou até a porta e saiu, assim voltando a fechar. Comecei a digitar um e-mail para Sophia, tentei ligar várias vezes para ela ontem, mais nada de ela me atender, já estava ficando brava com o comportamento dela. 
– Senhora. – Sou interrompida por Poliana que vem sendo seguida, pelo que eu acho que é a tal Maria da Graça. 
– Olá ! – Me levanto olhando a senhora branca dos cabelos negros, baixa e um pouco gordinha. Estendo a mão para ela que aperta e depois se senta na cadeira a minha frente, também me sento e começo a falar. – Então Maria da Graça... – Falo pegando o currículo dela. – A quanto tempo você trabalha com costura ? – Pergunta básica, mais não menos importante .
– 15 anos. – Respondeu séria.
 – E vejo aqui que a senhora trabalhou, durante 11 anos em uma empresa de sucesso. – Afirmei. – Porque saiu da mesma ? – Perguntei.
– Meu salário estava atrasado, então eu resolvi me demitir . – Falou.
– Hãã... – Continuei a entrevista e até que a mulher tinha uma boa referencia, talvez eu a contrate, ainda não tenho muita certeza, pois acho que essa história esta muito mal contada. Fique quase todo o meu expediente entrevistando novas candidatas a costureiras, até que a hora de ir embora chegou e eu quase gritei de tanta felicidade, pois eu estava morta de cansaço, eu estava morta de fome, mais pra poupar meu tempo não passei em lugar algum para comer, fui direto para casa e quando cheguei encontrei Elena sentada no chão da sala de estar jantando.  – Filhaaaa... – A chamei e ela me olhou, assim se levantando ela estava só de calcinha e tinha o cabelo preso com duas marias-chiquinhas Ela correu em minha direção e eu a peguei no colo, a abraçando forte... Estava tão cheirosa, vi Emilly se aproximar. 
– Vai querer jantar agora dona Lua? – Perguntou .
– Não Emilly, pode ir! – A dispensei ela só foi pegar sua bolsa e depois voltou e deu um beijinho em Elena que ainda estava no meu colo e saiu.
– Filha... porque você só esta de calcinha ? – Perguntei pra Elena que tinha acabado de pousar no chão. 
– To cuum calo! – Respondeu, voltando para frente da tevê e começando a comer sua comida de novo.
– Ata... a mamãe vai tomar banho, okay? – Elena apenas assentiu sem me olhar e eu fui subindo a escada . – Não sai dai ouviu ? – De novo ela assentiu sem me olhar.
[...]
Estou no banho e parece que quando eu chego em casa, tudo o que eu quero esquecer volta a minha cabeça e faz um estrago, não consigo tirar tudo o que eu fiz da minha cabeça... estou confusa e me sentindo culpada. Briguei com a minha melhor amiga e transei com o meu ex, eu completamente estou maluca. – Choro por lembrar tudo o que eu passei, por lembrar do que o idiota do Arthur falou pra mim, assim que saiu do meu quarto e choro mais ao lembrar do que falei pra Sophia, acabei descontando toda a minha raiva nela. EU SOU UMA IDIOTA.
[...]
Após terminar o meu banho, coloco uma camisola longa transparente, na cor branca, e desço para sala, me assustando com o que eu via.
– O que é isso Elena ? – Perguntei sem acreditar .

5 comentários:

  1. o que a Elena fez? curiosa demais

    Ana

    ResponderExcluir
  2. coitada da Lu
    ass Sofia

    ResponderExcluir
  3. tomara que a Lua e a Sophia se entendam. as duas foram idiotas uma com a outra

    ResponderExcluir

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo