10 de jan de 2014

" De Repente é Amor "

 

24ª Capítulo - Conversa, filme e provocações. 



- O que foi aquilo? - ele entrou no meu quarto. Eu estava de pijama e deitada com as pernas pra cima. Não é um quadradinho de oito, mas eu estava lendo, dai fico nessa posição. É mais confortável poxa!
- Chay, acho que já esta tarde para conversarmos não acha? - eu fechei o livro marcando a página em que parei. 
- Eu quero saber o que foi aquilo - ele se sentou de frente pra mim - Por que saiu daquele jeito? 
- Eu só não gostei do que ouvi, só isso - dei de ombros. 
- Ficou com ciúmes? - ele sorriu torto. Ciúmes? Claro que não. 
- Ciúmes Chay? - soltei uma risada - Claro que não. 
- Eu sei que é ridículo, mas é o que ta parecendo. 
- Eu só não achei legal você ficar combinando cineminha com a minha irmã na minha frente, ok? - cruzei os braços - Tudo bem que a gente é só amigo, mas eu acho que você tem que me respeitar. 
- Eu não tava combinando cineminha com ela... Quero dizer, tava! Mas era entre casais - o olhei - Eu e você, ela e o Arthur. 
- Certeza? - descruzei os braços. 
- Absoluta - ele segurou meu rosto - Eu te respeito muito e eu nunca ficaria com a sua irmã estando com você. 
- Então quer dizer que está afim dela - levantei cruzando os braços, ele sorriu. 
- E você está com ciúmes - ele levantou. 
- Já falei que não - revirei os olhos. 
- Então é o que? - ele se aproximou. 
- É só... Ta, é ciúmes sim, satisfeito? - bufei, ele sorriu e me beijou. 
- Deixa de ser bobinha - disse quando nos separamos, ele segurava minha cintura. 
- Você acha a Mel gostosa.
- Acho sim, não vou negar - revirei os olhos - Mas você é linda - selinho - Maravilhosa - beijou meu pescoço - Gostosa - falou bem perto da minha boca, mordeu meu lábio inferior e apertou minha cintura - Não tem motivos pra ter ciúmes. 
- Ta falando isso só...
- Porque é verdade - ele me corrigiu - Agora chega de falar, detesto DR. 

Ele me beijou. Chay fazia o contorno dos meus lábios com a língua par que eu cedesse, detesto isso, ele sabe que eu nunca resisto por muito tempo. Abri minha boca aos poucos e minha língua se encontrou com a dele. Ele apertou minha cintura me puxando para ele, minhas mãos subiam e desciam pelas costas dele. O beijo era intenso, Chay e eu caminhávamos até a cama e antes que eu perdesse o pouco de sanidade que me restava, eu interrompi o beijo. Nossas bocas estavam vermelhas e provavelmente inchadas, a dele estava. Chay coçou a nuca, ele sempre faz isso quando ficava sem graça. 

- Vamos ver um filme? - ele assentiu. 

Eu peguei um edredom e a gente desceu. Mel não estava em casa, provavelmente tinha ido ao cinema com Arthur. Minha mãe estava de plantão no hospital. Ou seja. Eu e Chay estávamos sozinhos. 

[...]

- Esse filme de novo não pelo amor da santa - Chay fez careta. Iriamos assistir Um amor pra recordar, cara esse filme é lindo. 
- Esse filme é lindo, Chay - eu apertei play. 
- Qual a graça? Você já sabe que no final a menina morre - ele pegou o controle da minha mãe e parou o filme.
- Qual o problema, eu quero assistir - eu dei play. 
- Gatinha... - ele parou novamente - Temos coisas melhores para fazer - ele ficou entre minhas pernas, eu estava deitada e debaixo do edredom. Não era uma visão inocente. 
- Tipo o que? - me fiz de desentendida, ele sorriu e mordeu meu lábio. 
- Tem certeza que não sabe? - eu assenti - Eu posso te dar uma dica. 

Ele foi trilhando beijos no meu ombro, pescoço, bochecha até chegar em minha boca. Era a primeira vez que tínhamos um contato bem próximo se é que você me entende e quer saber... A sensação foi boa. Minhas mãos trabalhavam automaticamente. A blusa de Chay já tinha ido parar na mesinha de centro e o beijo cada vez se tornava mais intenso e selvagem. 
Chay desceu os beijos novamente para meu pescoço e ali deu algumas mordidas, tenho certeza que ele deixou alguma marquinha também. Ele voltou a beijar minha boca, minhas mãos iam desde as costas dele até seu peitoral e a cada toque meu ele sorria. Chay começou a brincar com a barra da minha blusinha, a mão dele começou a acariciar a minha barriga e conforme a mão dele subia, a blusa ia junto... Até que ouvimos algumas gargalhadas. 

- O filme realmente fo... GENTE!! - era Mel, droga. Chay levou um baita susto que até caiu no chão, eu não sabia se ria dele ou ficava com vergonha de Melanie e Arthur que nos olhava. Eu me escondi debaixo do edredom, com certeza eu estava roxa de vergonha - Lua o que significa isso? - a voz dela era firme, ou ela estava constrangida ou estava nervosa. 
- Calma né cunhadinha, a gente não tava fazendo nada demais  - 3..2..1.. Ouvi uns barulhos de tapas e deduzi que seria Chay apanhando é ela estava nervosa. Gargalhadas poderiam ser ouvidas e viam de Arthur e... Chay? Chay estava rindo também. Eu descobri o meu rosto com o edredom, já estava mais calma. 
- Ei - risos - Calma, esses tapas doi. - Chay dizia tentando segurar o punho da Mel.
- Seu safado idiota - ela finalmente parou - Sai daqui. 
- Ele vai ficar maninha - eu disse me levantando - A gente não estava fazendo nada demais. 
- Mas estaria se eu não tivesse chegado - ela colocou as mãos na cintura. 
- A gente só estava se beijando - abracei Chay por trás. 
- Com ele sem camisa e você com essa marca no pescoço? - eu dei um pulo, sabia que tinha marcado - Acredito. - ela foi irônica. 
- Idiota - dei um soco nele - Olha o que você fez. 
- É só passar maquiagem que ninguém vê. - ele beijou minha bochecha e me abraçou. 
- Não acredito nisso - Mel negou com a cabeça - Olha aqui Roobertchay, se você não quiser ficar sem seu amiguinho aí - ela apontou - Acho melhor dar o fora daqui antes que pegue a faca na cozinha - Chay fez careta. 
- Acho melhor eu ir mesmo - ele me virou e me deu um selinho rápido - Outro dia a gente continua - ele falou brincando, Mel o olhou boquiaberta e ele gargalhou - Estou brincando cunha. 

Arthur, Chay e eu gargalhamos e os dois saíram. Mel me olhou e colocou as mãos na cintura, eu fui até ela e a abracei. 

- Não ia acontecer nada. 
- Não foi o que pareceu - ela mantia a pose firme. 
- Maninha... - sorri - Eu não estou preparada ainda, só não interrompi antes porque eu estava curtindo. Mas não ia acontecer nada mesmo. 
- Certeza? - assenti. Ela sorriu e retribuiu ao abraço - Você é minha irmã mais nova, me preocupo com você poxa. 
- Eu sei sua velha - ela se afastou indignada - Velha sim, você tava parecendo a mamãe, credo! - fiz careta. Ela gargalhou. 

Respondendo: 
Anony: "Tah na Hora do Arthur Perceber q Gosta dela ne" Também acho, mas eles voltaram a se falar agora né? E eu estou guardando uma situação um tanto engraçada para isso acontecer. 

Espero que tenham gostado, me diverti escrevendo =)

8 comentários:

  1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk ameiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii, posta maiss hj serioooo

    ResponderExcluir
  2. Faz o thur ter um pequeno relacionamento com q mel #MelAr

    ResponderExcluir
  3. Muito bom esse capitulo! hahahahaah Rola mais um hoje? *-*

    ResponderExcluir
  4. Ah, era pra ter deixado rolar pô :PP

    ResponderExcluir
  5. mas esses dois são safado hein!! asiuhdasuhdhddiuhad morri com a mel batendo no chay
    xx Camila

    ResponderExcluir
  6. Vai demorar muito para o arthur e a lua ficarem juntos

    ResponderExcluir
  7. Faz o arthur e a lua ficarem juntos logo :c

    ResponderExcluir

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo