20 de dez de 2013

" De Repente é Amor "


21º Capítulo - Primeiro apelido...

- Achei que nunca mais sairia daquele quarto - Mel comentou quando me viu descer as escadas. 
- Não ia, mas Chay me ligou - mostrei o celular - Aliais, cadê ele? 
- Oi - Chay surgiu atrás de mim - Demorou - ele me deu um selinho. 
- Estava tomando banho - dei uma voltinha, ele riu. Look.
- Pijama? - ele fez careta. 
- Não estou com cabeça pra sair hoje - puxei ele pra sentar no sofá - Fica aqui?
- Eu queria sair com você - ele beijou meu pescoço, bochecha e o canto da minha boca. Sorri.
- Gente eu estou aqui - Mel fez careta, eu e Chay rimos - Podem por favor, parar com a melação de vocês? 
- Chata - joguei a almofada nela - Vai procurar algo pra fazer. 
- Já estou fazendo - apontou para a TV, ela assistia Cidade dos Anjos. 
- Quer assistir? - perguntei à Chay, ele negou com a cabeça - Então vamos pro quarto - levantei, notei o sorrisinho no rosto dele, Eu lhe dei um tapa e ele riu. 
- Não feche a porta maninha - Mel gritou lá de baixo.

Eu e Chay subimos e ficamos um tempo namorando, mas ele acabou me convencendo a ir almoçar fora com ele já que se passava das 13h da tarde. Fomos a um restaurante bem próximo a praia, sentamos do lado de fora e eu me perdi em pesamentos enquanto sentia o ventinho gelado. Fui "despertar" quando Chay me chamou avisando que o pedido tinha chegado. Almoçamos e fomos sentar no banco do calçadão.

- Ainda ta chateada com o Arthur? - ele tocou no assunto meio receoso. 
- Chateada é pouco perto do que estou sentindo - bufei. 
- Lu ele não fez por mal. 
- Mais fez Chay! E eu não quero falar disso - cruzei os braços desviando a atenção para o mar. 
- Vocês precisam conversar, tentar se entender - ele pegou minha mão - Vai deixar anos ir pelo ralo? 
- Eu to chateada poxa! - suspirei - Preciso processar tudo que aconteceu. 
- Mais você vai conversar com ele não vai? 
- Vou - falei indiferente, ele sorriu - Por que fica tão feliz com isso? 
- Porque uma amizade de anos a gente não deixa ir pelo ralo - entrelaçou nossos dedos - E como disse uma vez... Eu prefiro te ver sorrindo do que chorando. 
- Você não existe - passei a mão pelo rosto dele acariciando. 
- Existo sim, quer ver? - ele me deu um selinho, soltei uma risada e ele sorriu - Vamos dar uma volta? 
- Ahh não - fiz manha - Ta tão bom aqui - me aconcheguei nos braços deles já que ele envolvia minha cintura. 
- Deixa de preguiça amor - riu. 
- Me chamou de que? - me separei dele para poder olha-lo. 
- Lua... Te chamei de Lua - ele coçou a nuca. 
- Não, você me chamou de amor - eu sorri de canto, ele estava timido. 
- Rápido demais? 
- Não - sorri - Eu gostei - ele sorriu aliviado. 
- Que bom, porque eu achei que ia infartar - eu ri. 
- Gay! - ele me olhou com espanto - Foi muito gay isso Chay - gargalhei. 
- Ahhh foi gay? - assenti - Beleza, deixa eu mostrar o gay.

Ele começou a me atacar fazendo cócegas e eu gargalhava alto chamando a atenção das pessoas que passava, ele parou com as cócegas e me beijou. Um beijo Chay Suede, não era rápido nem devagar, mas que sempre deixava um gostinho de quero mais


4 comentários:

  1. aaah faaiz ele fica coom o thur logoo por favor

    ResponderExcluir
  2. Eu gosto muito dessa fic!! Posta maaaaaais

    ResponderExcluir

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo