24 de out de 2013

"Uma lição de Amor"


Capítulo 34 "Eu não sei, mais fico feliz de ter você do meu lado"

- Os outros vão vim depois, na verdade eu sai escondido queria falar com você sobre ela. Você tem que me dizer tudo oque sabe sobre ela. Preciso te ajudar Arthur...
- Eu não sei quem é ela chay, mais eu sonhei com essa garota todos os dias que eu tava dormindo. E quando eu acordei eu ouvi a voz dela... Eu preciso saber quem é ela. Eu preciso falar com ela
- Arthur... a Lu é a sua ex namorada, e cara, a única que você amou de verdade, e ainda ama.
- Se eu amo ela, porque ela é a minha ex namorada?
- Ela teve que viajar pra uma faculdade, e vocês acabaram terminando, logo depois você acabou beijando a Jhullie em uma balada e ela soube e ficou pe da vida com você, e vocês acabaram brigando. Você deixou ela muito triste Arthur...E depois disso vocês nunca mais se falaram, e você acabou pedindo a Jhullie em namoro, mais ainda ama a Lu, e eu tenho certeza que ela ainda te ama.
- E porque a Lu tá aqui? Porque ela tá aqui depois de eu ter magoado ela? - Arthur perguntou ainda não entendendo, ela só podia ser estupida de ainda fazer isso por ele se oque Chay tinha dito fosse verdade.
- Eu não sei Arthur, mais quando ela soube de você ela abandonou tudo e pegou o primeiro avião pra vir pra Londres.

[...]

Calsei os meus chinelos e bucegei sentindo uma enorme dor de cabeça. Tomei um banho e coloquei a primeira roupa que eu vi, pentiei meus cabelos ondulados, minha cara não era a mesma, estava completamente pálida e sem vida. Suspirei alto e sai do quarto andando lentamente para a cozinha onde Sophia, Mel e Anne tomavam café da manhã.

- Bom dia flor do dia! - Sophia disse depois de bebericar um pouco de café na xicara e eu sorri, se setando junto a elas.
- Bom dia! - Disse empurrando a cadeira pra frente e me servindo de café e torrada
- Você tá bem Lu? - Mel perguntou preocupada e eu assenti
- To sim – Disse depois de tomar um gole de café e colocar a xicara de volta mesa mordendo uma torrada
- A Gente tá indo visitar o Arthur... Você que ir com a gente? - Anne perguntou paciente e eu acenti
- Tudo bem... só vou me trocar – Falei calma depois de mastigar uma torrada  e ir para o quarto ver oque tinha sobrado no meu closet.

Entrei no quarto e peguei qualquer roupa, tudo bem eu era estudante de moda, seria a mais nova estilista de Londres, mais eu não tava nem ai agora. Eu só queria vê-lo logo. Coloquei sapatilhas e um vestido simples meio rodado. Pentiei meus cachinhos ondulados e passei um uma maquiagem básica. É eu tava pronto e pra quem estava com pressa, meu look parecia até bom.

Paramos o sivic preto da Sophia no estacionamento do hospital, caminhamos de vagar até o elevador e entramos.

- Tinha esquecido de como eu odeio elevadores – Quebrei o silêncio em quanto subia para o 5° andar.
- Relaxa Lua... Viu já chegamos – Sophia disse saindo do elevador assim que ele abriu a porta. Encontramos Sra Aguiar e os meninos na sala de espera que graças a Deus estava fazia.

- Lua! Querida... a quanto tempo! - Sra Aguiar me abraçou assim que eu me aproximei e eu sorri
- Que saudade! - Eu disse meiga e ela sorriu
- Arthur precisa muito de você Lu...
- Eu vou ajudar ele no que for preciso, estou aqui por isso. - Sorri
- Você é uma nora de ouro Lu... E eu tenho certeza que um dia vocês vão se acertar – Ela falou meiga e eu sorri envergonhada.

[…]

- Porque tá demorando tanto? - Perguntei em quanto estava encostada no ombro de Micael que mexia no celular entediadamente como todos daquela sala de espera
- Não sei Lu, só pedemos entrar quando a pessoa que tá visitando o  Arthur sair de lá...
- E quem é o infeliz que tá lá? - Perguntei
- Não sei...
- Sabe Lu, quando você foi embora... O Arthur mudou muito, ele ficou triste nos primeiros meses, nos outros ele ficou estressado, e depois ele ficou irreconhecível, isso tudo porque ele sentia a sua falta...
- E se drogou pra esquecer? - Falei consigo mesma e ele concordou
- To me sentindo culpada Micael. Se eu não tivesse ido embora nada disso teria acontecendo... - Afundei minha cara em seu peito e ele me abraçou forte
- Vai ficar tudo bem Lu... não é sua culpa! Não se sinta culpada
- Eu to tentando... - Choraminguei
- Queria ter um amor assim...- ele falou simplesmente depois de algum tempo em silêncio
- Assim como? - Falei ainda encostada em seu ombro
- Como o seu e do Arthur... Mesmo depois de ele ter beijado a Jhullie, vocês terem discutido, de ele ter magoado, você tá aqui... você não abandonou ele mesmo assim. - Sorri consigo mesmo ao ouvir isso
- Minha história com ele não começou no colégio Micael.. você sabe.
- Eu sei... Você entrou na casa dele pra cuidar dele que tava com asma por causa das drogas, ele acabou se apaixonando por você, você por ele, vocês brigaram porque ele descobriu que você tava lá por causa do dinheiro pra ir pro show da Miley, você saiu de lá, se separaram se reencontraram no colégio, começaram a se pegar, foram pra itália junto com a gente, começaram a namorar e construíram uma das histórias mais lindas que eu já conheci. - Ele sorriu
- Nossa, vendo por esse lado... É verdade – Sorri
- Mais porque queria ter uma história assim? E você a Sô Micael?
- Eu amo ela de mais Lu... Mais não sei se ela faria isso por mim..., eu sei que ela me ama, e que terminou comigo porque tinha medo que eu a traísse. Mais o fato é. Eu não a trai. Ela não confiou em mim.
- Os dois tão errados. Os dois se amam. Ponto final. - Sorri. Olhei em volta e vi Chay saindo do quarto de Arthur. Então era ele que estava lá
- Heey, porque não avisou que vinha? Porque demorou tanto? - Will falou pro amigo e ele riu
- Lu, vai lá.. - Ele sorriu pra mim e eu tentei dar o meu melhor sorriso que pude levantando da cadeira e seguindo em frente.

Fui de vagarzinho e abri a maçaneta  Chay disse que ele tinha pegado no sono... então eu não queria fazer barulho.... Entrei no quarto de vagar e fechei a maçaneta com cuidado.
- Lu? - Ouvi a sua voz eu o meu coração disparou.

[...]

- Oi... - Eu me aproximei dele de vagar e cheguei perto de sua cama e o olhei em seus olhos e peguei uma das suas mãos como se todos esses meses separados nunca tivessem existido, ele ainda era o mesmo, mãos macias e quentinhas e aquele sorriso encantador que só ele sábia ter. Só ali eu vi o motivo de eu pegar um avião e voltar, era que  eu o amava incondicionalmente.
- Você ainda se lembra de mim? - Eu ri chorosa pegando em uma de suas mãos
- Pra ser sincero é a única pessoa que eu lembro – Ele riu
- Por que?.. - Eu olhei pra ele e fransi um cenho confusa e ele respirou fundo
- Eu ainda não sei... Mais eu juro que quando eu descobri, você vai ser a primeira a saber.
- Nossa – Eu ri – Fico feliz de saber disso - eu ri mais pra si
- Lu? - Ele quebrou o silêncio e eu respondi;
- Oi?
- Você ainda me ama?
- Arthur, eu poderia mentir pra eu ficar numa boa mais eu não vou fazer isso. Sim... é lógico que eu amo você.

 - Então me perdoa? - Ele fransiu o cenho com aquela cara  de cachorrinho que caiu da mudança. E eu sorri consigo mesma ainda olhando pros seus olhos. Era de partir o coração ver ele naquela cama.
- Se eu não tivesse te perdoado, eu não estaria aqui agora... - Eu sorri em quanro brincava com seus dedos, eu ainda não tinha coragem de olha-lo
- Eu não me lembro de quase nada, mais sei lá... eu sinto aqui dentro que eu amo você. - Ele olhava nos meus olhos, e só ouvindo aquilo eu tive coragem de encara-lo, eu soltei um sorriso sincero mais pra si do que pra ele, eu tinha ficado feliz de saber isso... Eu realmente o amava.

- Se quiser eu posso te ajudar a lembrar das coisas, os médicos disseram que logo logo você vai recuperar a memória, você só tá um pouco confuso... - Eu quebrei o silêncio depois de alguns minutos e ele sorriu
- Obrigada Lu... - Ele falou simplesmente e eu ri
- Porque?
- Por está aqui.
- Não tem que agradescer por eu está aqui Arthur, você sabe que eu iria atrás de você até no fim do mundo – Quando eu acabei de dizer ele simplesmente me puxou pra um beijo fazendo a metade do meu corpo parar em cima dele. Que safado, como eu sentia saudade daquele beijo, eu não tinha acreditado que tinha ficado sete meses sem beijar aquela boca. Como ele fazia falta absolutamente em tudo.

- HEY HEY!! Podem acabar com a putaria que aqui é um lugar de respeito! - Will apareceu na porta me fazenso soltar da cama e ficar em pé limpando a boca barroda de batom vermelho, eu corri rápidinho pora porta e e sai desesperadamente indo direto pro banheiro.

Cheguei lá e me olhei no espelho, eu estava tremendo. Abri a bolsa e limpei a marca de batom vermelho retocando com a mesma cor até Sophia aparecer no meu bannheiro me assustando

- Iai, como foi? - Ela perguntou curiosa e eu virei pra ela com as mãos enclinadas no balcão enorme da pia do banheiro
- A gente se beijou – Eu ri mais pra si me lembrando da cena e ela bateu palminhas
- AI AMIGAAAAAAAAA! Viu, eu sábia que vocês iam voltar, vocês se amam. Qualquer minuto perto do outro podem dá em uma cama ou em um beijo quente e apaixonado  – Ela riu
- Sophia! Nós não voltamos ok? Só foi um beijo, e foi ele quem me beijou... - Eu disse saindo do banheiro e indo pra sala de estar... Sra Aguiar, Anne, Mel e Micael já tinham entrado, e Sophia aproveitou o trem e foi junto só restando eu e Chay na pequena sala de espera reservada.

- Iai? Como vai a vida monk? - Chay quebrou o silêncio depois de minutos sem falar nada. Na verdade eu estava com a cabeça debruçada no ombro do meu melhor amigo em quanto ele brincava com o meu cabelo com uma mão em quanto a outra estava concentrada no celular.
- Beem... - Eu disse
- E o Nick?
- Acho que terminamos quando eu saí de lá. Não tenho certeza mais ele deve ter ficado um puto
- Coitado... Tinha que ser a minha Lu. - Ele soltou uma gargalhada e eu ri com ele
- Porque as coisas tem que ser tão complicadas Chay?
- Porque se não fossem complicadas não teriam graça. Ás coisas fáceis não tem graça... Mais as difíceis você tem orgulho porque você chega pra uma pessoa e fala ' viu, eu consegui. '
- É... acho que você tem razão – Eu ri manhosa

Fechei nos olhos aproveitando o máximo de silêncio que pude, eu estava cansada e entendiada, queria ir embora, mais eu também queria ficar... e dizer tudo oque eu sentia por ele, queria ficar mais com ele, dizer e dizer que eu o amava mais e mais vezes. Mais eu não tinha coragem o sufuciente pra isso. Precisava pensar.  Um salto de sapato alto correndo me despertou do transe fazendo abrir os olhos e me deparar com uma pirua ridícula que mal sábia se vestir direito no balcão do corredor falando com alguma infermeira. Ela era ridícula, pelo menos suas roupas, eu tinha vontade de rir mais eu ainda tinha educação suficiente para engolir o riso. Espera ai... Ela é a Jhulie, a namorada do Arthur.

- AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA CHAAY! Cadê o meu bebê? Ele tá beeem???? - Ele falou piruamente gritando pra Chay me fazendo levantar a cabeça para olha-la de cima baixo.
- Meu BEBÊ? - Eu levantei e olhei cara a cara e ele arqueou as sobrancelhas – QUEM É VOCÊ PRA CHAMAR ELE DE BEBÊ? GAROTA PARA DE SER RIDICULA. Quando ele mais precisou de você, você tava lá deslifando mostrando a bunda pra todo mundo, agora que dar uma de namorada preocupada?
- QUEM VOCÊ PENSA QUE É PRA FALAR ISSO DE MIM?
- Sou a ex dele, mais parece que a EX tá ligando mais pra atual né. Porque... - eu ri olhando pra ela que rolou os olhos
- Ele é o meu namorado, eu vim o mais rápido que eu pude! - ela se defendeu e eu ri cruzando os braços
- É tão baixa que beijou o MEU NAMORADO, naquela porra de boate quando ele ainda tava namorando comigo. SUA VACA.
- OLHA COMO VOCÊ FALA COMIGO – Ela berrou e eu bufei
- Olhem só, aqui é um hospital então se quiserem brigar vão lá pra fora – Uma enfermeira entrou no meio da briga e eu bufei
- Olha Jhulie, vai embora... Arthur precisa de sucego e com você aqui ele não vai ter, além do mais ele nem sabe o seu nome, ele perdeu a memória – Chay falou sem paciência e ela rolou os olhos outra vez, minha vontade era de pular no pescoço dela.
- Vou mesmo – ela levantou a cabeça e saio de lá rebolando me fazendo bufa e me jogar no sofá junto com Chay. E de repente nós dois começamos a rir daquilo tudo, no fundo era engraçado discutir com alguém daquele nível, ainda mais de saber que Arthur tinha ficando logo com ela.

Depois daquela cena ridícua, fui pra casa morta de ódio daquela garota. Como ela ousa falar “Meu bebe?” Ele era meu. Não dela. Mesmo separados, eu nunca conseguia aceitar isso. Mesmo estando longe dele, mesmo estando com outras pessoas ele sempre iria ser meu. Não dela.

- Nossa, oque aconteceu margarida? - Sophia tinha entrando alguns minutos depois que eu. Daí eu lembrei que tinha tempo de ela chegar do hospital. Eu tinha passado no starbucks antes de vir pra cá que por sinal aqueles mufins acabou aliviando um pouco a minha inocente raiva.
- Aquela Jhulie. Ridícula “Cadê o meu bebê” - Imitei a voz da garota e Sophia deu uma gargalhada ficando vermelha e eu não tinha achado graça. Não tinha achado mesmo. Não tinha graça nenhuma porra.
- Não tem graça Sô.
- Você com cíumes é o cão Lu
- Não tenho cíumes de uma coisa que eu já sei que é minha
- Você tem certeza que ele é seu não é? Isso é um dos melhores sentimentos do mundo
- Eu sei... - Falei pegando a bolsa no sofá. - Preciso acabar de arrumar umas coisas – Disse indo pro quarto – Quer ver as roupas escosesas que eu trouxe? - gritou do corredor e Sophia soltou um sorriso enorme – É CLARO QUE EU QUEROOOOOOOOO

- Iai como tá indo a faculdade? -  Sô perguntou em quanto em quanto estavamos sentadas na minha cama vendo as roupas que eu tinha trouxido
- Vai bem... Senti falta da faculdade daqui de Londres; rever os amigos sempre é bom.
- Verdade...
- Mais conta, já fez amizades por lá? - Sophia perguntou e eu sorri
- Uhuum, Julia é a minha colega de quarto e ela é super legal.  Ashley e Kimberly são meio patricinhas mais são maneiras. O Rafa é super pegal e o Oliver... Ah o Oliver é muito gato amiga!
- Hmm, manda a rede social dele depois pra eu ver amiga? - Sophia perguntou com um olhar malicioso e eu ri
- Ok... agora olha essas peças aqui – Mostrei pra elas pegando na mão e ela começou a da gritinhos istéricos. Minha amiga era igual eu.

[…]

- Naaaaaa, olha essa – Eu ri de novo mostrando as fotos pra Arthur que já estava começando a lembrar de tudo de novo. Isso me tornou feliz. Já tinham se passado 4 dias que eu iria visita-lo e em todos nós se divertiamos. Mesmo mal, ele conseguia fazer graça e segundo o médico ele teria alta amanhã.
- São ridículas Lu, olha a minha cara – Ele riu e pegou outra foto
- Hey, eu me lembro disso –  Ele disse pegando a foto dele e dos meninos reúnidos em um show em Bolton.
- Olha a cara do Chay – comentei e ele começou a rir
- Essa foi no colegial... - Disse entregando outra foto pra ele. Nessa estavamos os sete juntos. Só como amigos na quadra de futebol depois de os meninos ganharem o jogo de bascket
- Foi no mesmo jogo que o Will e a Anne se beijaram?
- Uhuum – respondi
- Viu, tá lembrando..
- Aham... - Ele concordou
- Promete uma coisa pra mim? - Pedi com uma voz de cachorrinho abandonado e ele sorriu
- Qualquer coisa...
- Promete que nunca mais vai fazer isso de novo? Por favor... eu não iria aguentar Arthur... eu não iria aguentar perder mais uma pessoa que eu amo.
- Eu fiz isso porque eu achei que tinha te perdido pra sempre. Eu queria morrer Lu
- Você nunca vai me perder Arthur. Nem que quisesse.
- Fico  feliz de saber disso – Ele sorriu e eu sorri envergonhada.
- Jhulie não deve tá gostando das minhas visitas. Tivemos uma briga outro dia – eu ri – Precisava falar algumas coisinhas pra ela.
- Ela é uma idiota... Terminei com ela. - Ele simplesmente disse
- Hm.. - Eu não podia disfarçar o sorriso. Cara eu tava feliz pra caralho
- Você sempre me dando lições Lu
- Por que diz isso?
- Porque a garota que eu tinha trocado por você. Era uma mentirosa Lu, ela não me amava. A prova disso é que ela não tá aqui agora. Eu pisei na bola com você feio, você deveria está me odiando agora.... Mais você tá aqui, você deixou tudo pra tá aqui. Você não sabe o quanto eu me arrependo por isso.
- Todo mundo erra Arthur, no dia que deixamos de errar, vamos parar de aprender.. E você aprendeu uma lição muito boa hoje. E eu não posso falar nada um dia pode ser eu, eu posso precisar do seu perdão. E hoje eu te dei uma lição – eu ri sem humor – Amanhã você pode me dar uma.
- Uma lição de amor – Ele surrurrou e eu sorriu
- Uma lição de amor.. - repeti

* * * * * *

1 dia depois...

- Pronto pra ir casa guri? - Chay ajudou Arthur a se levantar e apertou a mão do amigo que sorriu
- Hey, olhem só eu vou deixar ele voltar pra casa com vocês. Mais pro favor cuidem bem do meu bebê. Se eu souber de alguma coisa eu tiro o Arthur de lá e ainda dou um cascudo em vocês – Sra Aguiar falou em uma voz autoritária fazendo eu , Anne, Mel e Sophia rirem.
- Calma tia, a gente vai tratar bem dele – Chay falou na defensiva fazendo todos rirem enclusive Arthur
- Sra Aguiar, prometo que vou na casa deles toda a tarde pra ver oque os senhoritos então aprontando – Mel abraçou Arthur e Sra Aguiar agradeceu com um olhar
- Obrigada Mel
- Agora chega de papo e vamos que eu ainda não acabei de vencer o Aguiar no vídeo game – Will falou apresando o amigo e eu fiquei indignada
- HEY seu pamonha, é pra deixar o coitado descansar – Eu ri
- Nossa Lu, obrigada pela parte que me toca. Se eu sou tão coitado assim porque você não vem cuidar de mim? Ai acho que to morrendo – Arthur fez uma cara de doente me fazendo sorrir
- Olha o abuso com a minha irmã seu perrapado! - Will deu um tapa de leve na cabeça do amigo que riu
- Sou perrapado o suficiente pra comprar uma ilha em Las vegas e te deixar lá. Sou perrapado o suficiente pra entrar deep web e vender seu rim seu idiota
- HEEY – Anne protestou
- Nossa que medo agora Aguiar. O tia Emma da uns conselhos pro teu filho aqui que daqui a pouco ele larga a banda e vira trafico ein – Will falou irônico e Sra Aguiar deu um tapa na cabeça de Will que riu mais ainda junto com Chay e Micael
- Relaxa gente, ninguém vai virar trafico aqui. E Anne relaxa que o Arthur não vai prender seu namorado numa ilha – Micael riu e Anne deu língua
- Faz isso que eu acabo de acabar com a sua raça Aguiar
- Hey não fala assim dele – Lua protestou e sentou junto com Arthur o abraçando
- Lu manda ela paraar – Arthur choramingou
- Awn parem tadinho ele mal saiu do hospital e vocês fazem isso com o coitadinho – Lua protestou fazendo carinho em Arthur que se aproveitou da situação
- Nossa que coitadinho Lua – Sophia ironizou.
- Já que ele tá mal perai... O DOUTOR O ARTHUR TÁ MORRENDO DEIXA ELE AQUI – Anne gritou altão e Arthur abriu a boca pra protestar
- Pensando bem... acho que eu já melhorei – Sorriu e Lua puxou ele pra se levantar e todos saíram do hospital rindo e falando coisas idiotas.

1 semana depois

Desci do sivic preto da Sophia parando em frente do prédio dos meninos andando pelo condomineo indo em direção a hall do prédio. Agora sábia porque em tantos apartamentos eles tinham escolhido logo esse, nunca tinha reparado em quantas garotas gostosas passavam por aqui. Senti vontade de bater em todos eles, mais lembrei que tinha que se segurar. Fui até a hall dando um Bom dia para o porteiro e subindo até o décimo andar onde o apartamento dos meninos ficavam. Desci do elevador indo até o corredor, apartamento 502 ainda lembrava. Apertei a companhia e logo foi atendida por um Chay sorridente
- Oi minha vida – Chay me abraçou e me girou pelo alto me fazendo fazendo rir.  Ele me colocou no chão novamente me fazendo rir
- ooooi, quanta animação é essa amigo? - Eu ri
- Nada não entra! - Ele deu passagem mim passar
- Oi Lu! - Micael me deu um beijo no rosto e eu sorri
- Oi..- Disse e ouviu Will batendo alguma coisa no liquido de ficador, graças a cozinha que só era dividida por um balcão – Maninha! - Ele me viu e sorriu também so
- Como vão as coisas por ai? - Perguntei animada vendo Chay e Micael no videogame
- Sabe no hospital? Quando dissemos que iriamos derrotar o Arthur no videogame quando ele chegasse? - Chay gritou da sala e eu ri e respondi
- Ahamm..
- Eu ganhei – Arthur interrompeu chegando na sala e indo até Lu que a recebeu com um abraço
- Tudo bem? - Perguntei baixinho no abraço e ele afirmou
- Como vai a cachola? - Brinquei e os meninos riram
- Eu to começando a lembrar das coisas... Graças aqueles manés ali! - Apontou pra Chay, Micael e Will que acabará de se sentar no sofá me fazendo rir quando eles deram língua
- E as fãs? Devem está procupada com você... - Comentei
- Sim..  meus recados no twitter tinha muita coisa, mais eu avisei ela que tava tudo bem... - Ele sorriu. - GRAÇAS A LU – Micael gritou me fazendo ficar envergonhada
- Graças a mim nada, não sou nenhum tipo de anjo
- É o meu anjo.. - Arthur me abraçou forte me fazendo dar beijinhos em seu rosto
- Pode sair? Queria te mostrar uma coisa... - Sussurrou
- Claro, só vou pegar um casaco – Ele disse e eu concordei esperando ele voltar.

Depois que ele chegou saímos do prédio olhando o condomineo que já estava com flocos de neve, a qualquer momento iria nevar. Eu gostava de neve, me fazia lembrar de um certo dia, que eu nunca iria esquecer  por toda a minha vida. Caminhamos juntos nas ruas vendo os flocos de neve começar a cair levemente nos carros e pelo chão, eu estava começando a ficar feliz; oque eu queria estava começando a da certo

- Lu, vai demorar muito? - Ele perguntou cansado e eu ri
- Nossa – comentei
- Oque foi?
- Na Itália quando andavamos juntos era ao contrário – Eu ri me lembrando, eu sempre era a molenga e na maioria das vezes ele me carregava na carcunda até chegamos onde queriamos
- Aaah – Ele falou confuso, não deveria se lembrar de muita coisa
- Mais eu não vou te carregar na carcunda – brinquei e ele riu. Atravessamos a rua indo até a pracinha que ficava ao lado, eu nunca mais tinha ido aquele lugar a anos
- Aaah, porque não me disse que era a praça perto da casa da minha mãe? - Ele riu se sentando comigo em um banquinho
- Queria fazer uma surpresa – comentei
- Eu costumava a brincar com Micael aqui quando era pequeno – Ele se lembrou e eu sorri
- Só isso? - Eu fransi a testa olhando pra ele
- Como assim? Tem mais alguma coisa? - Ele perguntou confuso
- É que foi aqui que nos beij... - AAAI UMA FORMIGAAA – Eu gritei interrompendo oque eu estava falando. Puta que pariu ardia pra caralho e pelo impulso eu cai nos braços dele DE NOVO. Era como um ima, um enigma como a Sophia disse. Não podiamos nos aproximar sem que nos beija-sermos. Era como um ima que puxava nossos corpos mais pra si. A minha alma precisava da dele, como eu tinha certeza que a dele precisava de mim. Senti o gosto do seu beijo novamente como se fosse a primeira vez, exatamente tinha sido como na primeira vez; aqui nesse mesmo banco, com a mesma formiga que tinha me picado,  comigo em seus braços, nosso beijo... e a neve caindo. Era exatamente igual a tudo. Daí eu tinha certeza que nada poderia nos separar. Nem o tempo.

Paramos o beijo e olhei pra ele no fundo dos seus eu olhos eu pude sentir o quão ele estava feliz, igual eu. Ele estava paralisado parecia que estava em um mundo só dele, que ele tinha voltado no tempo assim como eu.
- Oque você ia dizer? - Ele perguntou quebrando o silêncio olhando nos meus olhos
- Foi aqui que nos beijamos pela primeira vez Arthur. - eu disse simplesmente olhando em seus olhos e ele sorriu – no mesmo banco, a mesma formiga me picando, a neve... – terminei de falar abrindo a mão deixando cair um floco de neve na minha mão
- Eu sei – ele simplesmente disse colocando uma mecha do meu cabelo pra trás
- Co-como assim sabe? - perguntei
- To começando a me lembrar... Acho que seu beijo ajudou - Ele terminou de falar sorrindo maroto e eu sorri olhando em seus olhos – eu amo você – sussurrei e nem deixei dizer alguma coisa novamente. Eu já tinha o beijado de novo. 3 anos anos depois, estavamos ali, como se fosse a segunda vez, da primeira vez.

#Flasback 3 anos atrás

- Olha uma pracinha! - Sorri em quanto caminhava com ele pelas ruas e nós caminhamos até lá em silêncio me sentando junto com ele em um banquinho olhando as crianças brincarem em um parquinho próximo dali. 
- Por que fica entusiasmada com tudo que ver por aqui? - Arthur perguntou e eu ri. 
- Aé não tinha te contado, na verdade eu sou do Brasil. Vir pra cá esse ano depois que aconteceu algumas coisas... - Expliquei sorrindo torto. 
- Entendo... - Ele sorriu fraco. - Lua Blanco já te disso como está encantadora hoje? - Ele falou com uma voz engraçada e eu ri e empurrei seu braço de leve. - Há não brinca! - Eu ri. - É sério! - Ela sorriu.
-  AI UMA FORMIGA! - Gritei balançando o pé e sem querer cai em seu colo e quando fui sair nossos rostos de aproximaram como se fosse um enigma. - Você é diferente Lu, você consegue fazer eu não te odiar... - Ele disse num sussurro olhando diretamente nos meus olhos assim como eu olhava nos deles e eu corei. - Ele roçou seus lábios nos meus e me beijou inesperadamente. 

# Flasback of 

Um comentário:

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo