21 de out de 2013

57ª Capítulo: "Tudo por uma promessa"


POV NARRADOR
Hoje era um dia especial, dia de alegria, felicidade e muita emoção! Foi exatamente pelas 10horas da manha que o ser mais novo da família Blanco de Aguiar nasceu. Um ser bonitinho, moreninho… apesar de “inho” é a coisa mais perfeita de sempre.



Lua ficou esgotada por ter lutado durante 6 horas sem parar para por aquele filho no mundo, mas foi sem duvida a coisa mais bem feita que ela fez.
Enquanto o Rodrigo estava na incubadora, Lua descansou um pouco e ao seu lado estava Arthur que, coitado, não dormiu a noite inteira. Mas em momento nenhum ele conseguia fechar os olhos e dormir, pois a ansiedade de voltar a ver o filho estava quase lhe “sufocando”. Ele não via a hora de pegar novamente no seu filho… “o primeiro de muitos” pensava ele.

Assim que ouviu a porta do quarto se abrir, Arthur se levantou para ver quem chegava. Seus olhos se admiraram quando viu Guga, Mica e Sophia. É… a menina que mais brigou com Lua e fez a loirinha se sentir mal, chegou, de cabeça baixa e um arrependimento total no rosto que quem visse, fazia até dó.
Arthur não esqueceu o que ela fez e por isso mesmo ainda está bravo com ela.

Guga: fala papai – abraçou o amigo, rindo – Cara, desculpa não vir mais cedo, mas é que eu estava trabalhando.
Arthur ri: não tem problema
Guga: cade o garanhão?
Arthur ri: ele está na incubadora, mas acho que daqui a pouco ele volta. Eu até pensei que fosse ele agora
Mica: e ai muleque! – abraçou o Arthur – Como ela tá?
Arthur: cansada… o parto foi bem puxado.
Mica: quero ver logo esse garotão. Tem a cara de quem?
Arthur ri: a Lua diz que ele é idêntico a mim, mas eu acho que os olhos são dela
Mica ri: quero só ver
Sophia: oi Arthur… - ela disse com medo da reação do garoto – Muitos parabéns pelo vosso filho.
Arthur: obrigado! – ele disse serio
Sophia: eu queria falar com voce e com a Lua, assim que ela acordar, a sos…
Arthur: olha Sophia, se é para fazer como da ultima vez, é melhor não ter conversa nenhuma ok? Porque, não sei se voce sabe, a Lua passou mal por causa disso…
Sophia: eu sei… - ela baixou o rosto e deu para ver as lagrimas correrem
Mica: Sophia, não fica assim…
Arthur: eu não queria ser grosso, desculpa…
Sophia: eu mereço… - ela respirou fundo – Só depois de ver o que aconteceu é que eu abri os olhos para a burrada que eu fiz. Peço desculpa mais uma vez…
Arthur: deixa isso Sophia… falamos outro dia.

Mais uma vez, bateram à porta e o Arthur abriu com um sorriso nos lábios pois o seu quinto sentido de pai dizia que dessa vez era o seu diamante que estava chegando e acertou mesmo.
A enfermeira trazia o Rodrigo vestido com o conjunto de roupa azul que a avó Katia deu e com a coberta que a Mel deu. Ele aprecia um anjo dormindo… parecia não, ele É um anjo dormindo.
Arthur ficou bobo quando recebeu Rodê nos braços. Ele estava até com medo de pegar aquela coisa tão pequena. Tinha medo de deixar ele cair ou de magoar aqueles bracinhos tão pequenos.

Arthur: apresento-vos o Rodrigo Blanco de Aguiar – disse com um sorriso de orelha a orelha
Guga ri: cara, é gostoso que nem eu
Mica ri: mentira cara. Ele sai a mim!
Sophia: que coisa mais linda… - disse encantada, com os olhos brilhando
Mica: ele é lindo cara. Soube fazer direitinho – riu
Guga ri: dessa vez não foi preciso desenho
Arthur ri: olha a sacanagem

Com o barulho das risadas, Lua acabou por acordar e assim que viu no colo de Arthur, o Rodrigo, os seus olhos quase saltava.

Lua: amor… - chamou ela, ainda com a voz fraca, um pouco cansada
Arthur: Lu, meu anjo, acordou… - ele foi até ela e deu um beijo sobre a sua testa – Olha quem chegou – mostrou o Rodrigo dormindo no colo dele
Lua: coisa mais linda da minha vida – ela sorriu emocionada
Arthur: quem, eu? Eu sei amor, obrigado – Todos riram
Lua ri: bobo… Mica, Guga… - sorriu ao ver eles – Oi Sophia.
Sophia: oi Lua… - ela sorriu – Como voce está?
Lua: um pouco dorida… mas é normal.
Sophia: parabéns pelo bebé. Ele é lindo – ela sorriu
Mica: bom, eu e o Guga vamos lá fora procurar algo para comer… fiquem à vontade – os dois saíram
Sophia: pronto! – disse quando a porta se fechou – Ainda bem que ficamos sozinhos porque eu quero mesmo falar com vocês
Arthur: Sophia, esse não é o momento
Sophia: é sim Arthur. o que eu fiz foi errado e ainda por cima o que aconteceu à Lua foi por minha causa… eu que comecei aquela parvoíce toda . eu queria vos pedir desculpa. Eu realmente não sei como foi passar por isso tudo e agora vos admiro por terem sofrido em silêncio… e Lua, quanto aquilo que eu disse do dinheiro e do bebé, esquece… - ela começou a chorar – Eu estava de cabeça quente
Lua: voce me magoou muito Sophia…
Sophia: eu sei… eu sou uma idiota mesmo
Lua: mas fico feliz por ao menos ter vindo se desculpar…
Sophia: estou desculpada? – ela olhou para os dois
Arthur: olha Sophia, eu vou falar a verdade… eu não sei se consigo te desculpar. O que voce, a Mel e a minha mãe fizeram podia ter trazido consequências graves. Só eu sei o que sofri quando vi a Lua deitava no meu colo, branca e cheia de dor… o que agente faz da nossa vida, é com agente e não com mais ninguém. Voce preferia estar com agente enquanto agente mentia ou preferia saber da verdade? – Sophia só baixou o rosto chorando – Quando deu para contar, agente contou. Se não contamos mais cedo, é porque não dava!
Lua: olha Sophia…

Lua foi interrompida pelo chorinho do Rodrigo que finalmente acordou. Apesar daquele chorinho ser meio barulhento, quero dizer, nem é assim tão barulhento, mas apensar de ser um choro por ele ter fome, Lua estava amando ouvir.
Com certeza era fome. Por isso, Lua fez o que a enfermeira lhe ensinou e começou a dar de mamar para o bebé. Arthur apreciava cada passo que a loirinha dava. Era um orgulho para ele estar assim.
Enquanto Lua dava de mamar para o Rodrigo, tinha uma coberta de volta dele para o bebé e a mãe terem mais privacidade. Mas mesmo assim, Arthur estava lá de volta para ver e brincar com a mãozinha pequena dele.
Sophia ficou na cadeira, tentando controlar as lagrimas.

(…)

Lua: voce vai dormir aqui?
Arthur: não quer que eu durma? – disse sorrindo, de volta do berço do bebé, ainda no hospital
Lua ri: claro que eu quero… - disse deitada na sua cama – Quando é que eu vou sair daqui?
Arthur: acho que amanhã ou depois
Lua: muito chato ficar aqui. Quero ir para casa e desfrutar do meu bebé logo – riu
Arthur: qual bebé? – Arthur a olhou com um sorrido no canto do rosto, indo até ela, pegando a sua mae e aproximando os rostos
Lua ri: aquele ali, deitadinho – apontou para o Rodrigo – E quem sabe um homem ai…
Arthur: homem? Que homem?
Lua ri: voce! – puxou a gola da camisa dele e o beijou – Estou muito feliz
Arthur ri: pior que eu também… mas um pouco desiludido – ele sentou na cadeira, perto da cama dela
Lua: porque?
Arthur: nem a minha mae, nem o meu pai vieram cá… muito menos os padrinhos do Rodrigo
Lua: a Mel e o Chay… - ela suspirou – Quando voce vai desculpar a Sophia?
Arthur: eu não consigo Lua – disse serio – Juro que não consigo!
Lua: amor, o que passou, passou… o que importa é que eu e o Rodrigo estamos bem agora.
Arthur: mas podiam não estar! Vocês hoje são a coias mais importante da minha vida e eu não vou deixar que nada, nem ninguém vos faça mal
Lua: ohwww, vem cá – ela fez bico

Arthur, com um sorrisão no rosto, sentou na beira da cama da Lua e aos poucos foi beijando o rosto da pequena loirinha, e aos poucos também foi se esquecendo que estava num hospital, mas felizmente, o Rodrigo e o seu chorinho estavam lá para o lembrar.

Arthur: ahh filho, logo agora que o beijo estava bom? – ele levantou da cama para ir buscar o Rodrigo – Você um dia vai crescer, vai ser um garanhão e pegar todas as meninas, viu?
Lua: ei ei ei, o meu filho não vai ser assim não! – Lua cruzou os braços – Ele vai ser um garotinho lindo, filho da mamae e do papai e vai ter uma namoradinha linda
Arthur ri: uma ou varias – riu, mas depois o seu sorriso desapareceu quando viu o rosto da Lua o encarando – Tá, tá, parei!

Arthur continuou andando pelo quarto do hospital de um lado para o outro com Rodrigo que teimava ter aqueles olhos lindos abertos. Dormir? Dormir é para os fracos. Rodrigo quer saber é de estar acordado vendo e ouvindo o que se passa, apesar de não entender nada do mundo que o rodeia.
Lua sorri e fica até emocionada cada vez que vê Arthur cantando para o bebé para que ele adormeça. Coisa que aconteceu muitas vezes durante a noite, pois o Rodrigo acordava para trocar a fralda ou então para comer.
Enfim, a partir de agora a vida será assim mesmo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo