2 de ago de 2013

41ª Capítulo: "Tudo por uma promessa"


POV NARRADOR
A discussão ontem não foi nada bonita de se ver e muito menos de se ouvir. Ainda por cima, Thiago e Matilde estão vivendo num apê que como é logico tem vizinhos e todos eles ouviram a discussão acesa que os dois tiveram.



Matilde não estava em si. Ela estava, naquele momento, odiando o Thiago por tudo o que ele tinha feito.

#FlashBackOn

Matilde: SEU IDIOTAAA – empurrou Thiago
Thiago: PIROU FOI SUA LOUCA?
Matilde: ERA PARA DAR UM SUSTO NELE E NÃO PARA MATA-LO! IDIOTA, FILHO DA MAE – bateu em Thiago
Thiago: ANTES DE MAIS, FALA BAIXO QUE VOCE NÃO TÁ FALANDO COM A TUA MAE, OK? – falou arrogante e do nada ele começa a rir – É SERIO QUE ELE MORREU? – riu sem parar
Matilde: voce é tao canalha – começou a chorar, meia desesperada – voce é canalha, voce é louco da cabeça, só pode! Eu vou te denunciar – ameaçou
Thiago: faz isso que voce também vai dentro – a olhou com olhos de raiva
Matilde: voce deixou ele à beira da morte
Thiago: mas afinal ele morreu ou não?
Matilde: ele só respira pela ajuda das maquinas, sabia?
Thiago ri: mas isso é ótimo
Matilde: a Lua tá gravida sabia? Sabia que ela também está no hospital?
Thiago: como voce sabe disso tudo?
Matilde: isso não interessa! Só sei que voce foi longe de mais
Thiago: to nem ai para esses dois – deu de ombros – quero é que eles se fod*m

#FlashBackOff

Enfim, a discussão continuou mas não adianta falarmos de coisas insignificantes como esses dois. Vamos falar de coisas mais importantes como a saudade de dois grandes anjos.

Lua felizmente durante a noite acordou um pouco confusa. Ninguém estava lá com ela, o que fez ela se assustar por ver aquelas paredes brancas ao seu redor e não se lembrar de nada. Mas felizmente, ela tinha um medico super simpático que ficou tratando dela a noite inteira e a fez lembrar de muita coisa. Coisas essas que ela não queria acreditar que realmente aconteceram.

Hoje, pela manha, Lua tinha alta e Mel foi buscar ela ao hospital.

Mel: Lua, não insiste mais! Agente vai sim para casa
Lua: Mel, voce não entende né?
Mel: eu entendo tudo, mas voce aqui não vai fazer com que ele acorde daquele coma profundo
Lua: Mel, me deixa ficar com ele, por favor. Me deixa ao menos ve-lo. Eu quero ver ele, por favor – começou a chorar
Mel: aii amiga, não fica assim – abraçou ela – voce ouviu o que o medico disse, não ouviu?
Lua: ouvi – baixou a cabeça – mas eu só quero ver ele.
Mel: Lua, me ouve – pegou as mãos dela – o Arthur está num estado terrivel. Voce vai ficar com aquela imagem na cabeça e será tudo pior para voce.
Lua: mas eu tenho de ver ele – chorou ainda mais – eu sinto que se eu não ver ele, eu morro
Mel: exagerada. Mas tá bom, agente vai lá, mas é só 5 minutinhos.
Lua: tá, nada mais – limpou as lagrimas

Lua respirou fundo e com a ajuda de Mel, foram as duas até ao quarto de Arthur. chegando lá, Lua pediu que Mel a deixasse sozinha com Arthur e para entrar no quarto ela teve de colocar uma bata e uma espécie de mascara, pois realmente o estado do Arthur não era dos melhores.
Quando ela entrou naquele quarto, reparou que ele era mais frio e mais sinistro do que aquele que ela passou a noite. Era branco também, mas estava escuro pois as janelas tinham de ficar fechadas para que frio nenhum entrasse naquele quarto.

Lua se aproximou do corpo estático e frio de Arthur e não pode quase olhar para aquele rosto esbranquiçado e triste dele. Sim, ele mantinha um rosto que parecia triste e bem triste, apesar de não conseguir transmitir nenhuma palavra nesse momento. Era estranho ve-lo daquele jeito. Onde estava aquele rosto lindo e sorriso encantador? Aquele sorriso expressado pelos olhos? Cade?

(…)

Medico: bom, realmente as noticias que eu tenho para voce, não são as melhores. Mas não desanime. Agente já teve casos assim também
Lua: e eles melhoraram?
Medico: bom, foram poucos os que melhoraram. Mas o Arthur é jovem e ele sabe muito bem que o tem aqui para cuidar – se referindo a Lua e ao bebé – Agora Lua, aconselho voce a ir para casa, descançar e dar também descanso ao seu bebé que não merece tanta preocupação.
Lua: mas doutor, me fale sobre a saúde do Arthur
Medico: é como eu já lhe disse… não tem melhoras, não tem reações. Por algumas analises, vimos que ele sofreu varias interferências com os músculos o que lhe pode causar uma paralexia mas pernas.
Lua: o que? Ele não vai mais poder andar?
Medico: calma Lua – segurou a mao dele – vamos esperar ele acordar.
Lua: mas quanto tempo doutor? Eu não aguento isso! – começou a chorar desesperadamente
Mel: ok Lua, vamos embora – segurou a mao da menina
Medico: voce é familiar dela?
Mel: sim, mais ou menos
Medico: não deixe ela sozinha.
Mel: eu vou tratar disso. Obrigada doutor. Qualquer sinal do Arthur, por favor, nos contacte
Medico: pode deixar.

Mel e Lua saíram do hospital.
Lua estava com um ar irreconhecível. Pele pálida e sem reação nenhuma de sorriso, o que era compreensível numa altura dessas.
Enquanto iam para casa, Mel ia falando todos os planos que tinha para os próximos dias.

Mel: eu vou ficar na sua casa com voce. Vamos dormir juntas e voce vai desabafar comigo sempre. Não importa o Chay, não agora. Primeiro os amigos. Voce está necessitando da minha ajuda e é o que eu vou fazer. Vou ficar na tua casa até o Arthur voltar. Voce não vai ficar sozinha

Mel falava, falava mas Lua não escutava nada.
A sua cabeça ainda estava naquele quarto fechado e escuro, do Arthur. as imagens que passavam na sua cabeça, imaginavam o acidente. Como teria sido?
Ela não conseguia deixar de pensar naquelas marcações e arranhões que ele tinha espalhados pelo corpo… aquele rosto estava totalmente desfigurado.

(…)

Mel: amanha agente vai com a Sophia e…
Lua interrompe: agente vai para o hospital e se a Sophia quiser vai lá ter
Mel: Lua, voce não pode passar a vida naquele hospital
Lua: se eu estivesse no lugar do Arthur eu acredito que ele estaria a toda a hora lá para me ajudar a recuperar e é isso que eu vou fazer e nem adianta voce ou outro alguém dizer o contrario porque eu não vou aceitar tal opinião.
Mel: voce é tao teimosa… é mesmo mulher do Aguiar!
Lua: e com muito orgulho – saiu da mesa – perdi a fome
Mel: Lua, volta aqui – seguiu a menina até à sala – eu sei que esse está sendo um momento duro para voce, mas para mim também está. O Arthur viveu comigo durante muito tempo, ele é como um irmão para mim. Depois agente se afastou porque eu tive de ir trabalhar para voce, mas ele continua sendo o irmão que eu nunca tive, entende? – encarou a menina – por isso pára de me tratar desse jeito, porque para mim também está doendo ver ele daquele estado – e dito isso, as lagrimas desabaram
Lua: aii amiga, desculpa – disse, se abraçando a Mel, bem chorosa – mas é que custa tanto…


4 comentários:

  1. #Tristee!
    Continua Logo!

    ResponderExcluir
  2. Aaaaa tá tão triste ...Posta mais by:BEATRIZ

    ResponderExcluir

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo