14 de jul de 2013

"Uma lição de amor"


 Capítulo 30 "É o nosso destino. Não podemos muda-lo de uma forma pra outra"


Coloquem Cry - Kelly Clarkson para carregar e ouçam quando eu der a nota :) 

Não acredito que já tinha passado dois meses que eu tava na Escócia, tinha passado muito rápido, e eu nem me dei conta das coisas que aconteceram durante esse mês todo. Hm, meninos no Japão, Sophia, Mel e Ane pirando. Julia com a bunda na cadeira assistindo o show dos meninos no Japão todo fim de semana, e isso de madrugada atrapalhando todo o sono que eu tenho, porque já é pouco. Nick até que em fim parou de emplicar com o Oliver, e o Rafa já era um super amigão. Ele até me ensinou como se andava de skate. Sophia me ligava quase todo dia, e justo a noite quando eu tenho que dormir e como ela fica falando falando, o meu sono vai todo embora e eu fico trocando mensagens com os meninos e com o Arthur, que pelo que o Chay disse tá super “empougado” fazendo show com eles no Japão. Sei... Empougado, filho da puta deve tá sorrindo atoa com aquelas japonezes de olhos curvados. Agrh argh agrh. E o pior de tudo era que a gente nem se falava como antes... Por fauta de assunto talvez? Mais eu acho que ele não sábia como agir, ele queria falar que tava tudo bem, mais eu sábia que não tava. Por que por mais que eu sorria, sempre vai ter uma lágrima atrás do meu olhar. Falam que escrever oque você sente é bom, coloca pra fora. Mais eu não sei se é isso que eu quero, não sei se eu quero compatilhar minha dor comigo mesma ou só deixa-la de lado assim como eu a deixo. O Fato era que eu sentia saudades dele, por mais que eu quisesse voltar, eu não podia, porque eu iria passar por cima de tudo e de todas, e passando por cima, eu ia acabar me ferindo.

- Lu, oque tanto você tá pensando ai? - Julia me despertou do transe. Balançava a caneta rabiscando alguma coisa sem sentindo no papel em quanto minha mão apoiava minha cabeça
- Uhum – Levantei e voltei a me comportar tentando manter a atenção em alguma coisa que a professora falava. Shorts, grifes, sapatos...? WHAT?!

O Sinal tocou e todos nós saímos da sala de aula, andamos pelo correndo em quanto eu segurava meus livros abraçados no peito com os fones no Iphod ouvindo mcfly, acho que o nome da música era Do ya? Acho que era, eu nunca me interessei muito por isso, as minhas músicas preferidas era not alone, foi a primeira música que o Arthur cantou pra mim...Eu me lembro como se fosse hoje, foi no dia em que eu contei sobre Adam Clash. Não, você não está sozinhorepetia aquilo pra mim mesmo. Repetia e repetia. Quando o meu celular tocou era Julia. Não essa Julia, a Julia irmã do ARTHUR. Engraçado, agora que eu fui perceber as duas tem os nomes iguais, Mais o nome da irmã do Arthur era Juliana era bem diferente.

- Juliana! Que saudade
- WAN? ESQUECEU QUE EU ODEIO SER CHAMADA ASSIM? QUANTO TEMPO EU TENHO QUE REPETIR QUE É SÓ JULIA?
- Opa! Calma, esqueci, é que tem mais uma Julia aqui do meu lado ai fica difícil né !
- Aham... Só to de olho Blanco, mais iai aprontando muito no Japão?
- Não to no Japão..
- COMO ASSIM NÃO TÁ?
- Na verdade eu to na Escócia, recebi uma proposta pra vir estudar por aqui por um ano.. E o Japão teve que ficar de lado..
- E o meu irmão também..?
- Seu irmão nunca vai ficar de lado da minha vida. Você sabe disso.
- Pior que sim... Mais deixa eu contar. EU TO NAMORANDO AMIGA, O nome dele é Brian e ele é superfofo
- Awn, aprontando muito por ai né..?! -
- Claro, não é qualquer ano que eu venho pra nova york sem a minha mãe do meu lado queridinha. E eu também já sou maior, não extressa!
- Juh, oque você bebeu amiga?
- Só alguns Wisks , eu to aqui num hotel qualquer e esse babaca tá dormindo
- SAFADA!
- EEEI
- SAFADA MESMO!
- É você sua cretina, já pegou quantos ai? Chifre do Arthur deve tá a mil
- JULIANA. PARA DE FALAR MERDA?
- Não.
- Então tchau, a gente conversa quando você estiver sóbria!

Fechei o celular com raiva mais de mim do que dela. Eu sábia que o Arthur não era santo, e eu sei que eu também não sou, a gente meio que terminou antes de vir pra cá não foi? Mais isso não tinha nada haver, eu não tinha nada com o Oliver e muito menos com o Nick. Eu iria esperar o Arthur. Eu tinha que espera-lo.

Peguei meu celular e entrei rápidinho no twitter pra postar uma frase que tava na minha cabeça a horas.

No momento que você para de cometer erros, é o momento que você para de aprender. - Miley Cyrus :)

Pronto postei. Falei pra mim mesma e passei o dedo pra baixo pra ver alguns tuites e o mais estranho que alguns fcs só falavam em ' Choque ' ' MEU DEUS ' Ou ' NÃO ACREDITO QUE ESSE É O ARTHUR ' AI QUE ÓDIO' E só eram Fcs dos mcfly, é eu seguia alguns. Cliquei no primeiro link que eu vi e os meus olhos se arregalaram e eu lágrima insistia em cair! Mais meu Deus oque eu tinha feito pra merecer isso? Será que toda essa distancia tava fazendo efeito? Arthur em um Pub abraçado com uma mulher. E tinha um CIGARRO na mão dele, ou sei lá que era aquilo. Parecia alguma droga, cocaina? ELE QUERIA MORRER? ELE ESQUECEU QUE ELE TEM PROBLEMA DE ASMA? ELE QUERIA FICAR COM OQUE UMA TUBERCULOSE? FILHO DA PUTA. E ele tava ABRAÇADO COM AQUELA VADIA. E SABE ONDE TAVA A MÃO DELE? NA BUNDA DELA. NA BUNDA! Desgraçado filho da puta do caralho. MAIS QUE ÓDIO.

- Lu, você quer ir no starbucks com a gente? - Julia chegou depois de ter saído quando eu falava com a Juliana.
- Não podem ir vocês, preciso ficar sozinha. - Sorri sem graça e ela concordou indo em direção a Rafa, Oliver, Nick, Kimberly e Ashley que esperavam na saída. Andei rápido e saí do colégio e foi pra algum lugar que eu não fazia ideia, eu andava, andava mais eu não sábia onde dava, só as lágrimas caiam pelo meu rosto. Cry (N/a:Coloquem Cry para tocar) tocava nos meus fones de ouvido até que eu cheguei em um lago que pra ser verdadeira era lindo. Me joguei na grama que dava de frente pro lado e encostando em uma pedra que era grande e começei a chorar desesperadamente. 

Eu não acreditava. Porque? Porque? PORQUE CARALHO? Ele disse que iria me esperar. Abri o Iphone e já estava espalhado na tml toda. Mais fotos e fotos, Arthur Aguiar beijando a estranha, Arthur Aguiar colocando a mão na bunda da estranha, Arthur Aguiar fumando. Oque mais podia faltar? Por que ele tinha feito aquilo comigo? Eu fui fiel a ele esses dois meses inteiros, eu fui groça com todos aqueles meninos por causa dele. Mais pra que? Pra ele me trocar por uma simples garota que não deve nem se importar com ele. Que não deve saber nem quem ele é quando acordou de manhã. É incrivel como uma pessoa troca um amor verdadeiro por uma simples noite.

Encostei a cabeça na pedra ainda sentada na grama e de repente eu olhei em volta. Aquele lugar era lindo, dava uma sensação de paz sabe?!Não tinha mais ninguém ali a não ser eu, só dava pra ouvir o barulho dos pássaros e onde do imenso lago que era o mais bonito que eu já havia visto. Até que eu observei um simples velinho escosses com uma bengala passeando sobre a trilha, seus passos eram leitos e ele havia uma grande difículdade para caminhar sentou-se no banquinho de madeira de baixo de uma árvore próximo a mim, que ainda estava sentada encostada naquela pedra observando os pequenas ondas do lago se movimentarem lentamente a casa sopro do vento.

- A uma lenda que dizia que se alguma menina bonita ficasse sozinha perto desse lago, um monstro viria e a puxava para dentro do fundo do lago. - Ele comentou olhando para o lago e eu ri sem graça
- Não acho que eu seja uma menina que acredita em contos de fadas, contos de fadas nunca tem finais felizes. Os escritores só mostram o lado bom da história. Eo ruim destaca como se fosse uma simples fase. - comentei olhando pro lago e e ele sorriu
- Acho que não deveria deixar suas fantasias morrerem. Se não tivemos uma criança dentro de nóis. O mundo seria chato.
- Eu também acho... - Sorri – Mais tem momentos na vida, que não é possível sorrir.
- Sei como é...
- O senhor vem sempre aqui? - Perguntei fitando ele mover seus olhos do lago para me olhar. Eu não deveria ter falado aquilo. Ele é um senhor. Não estamos em uma balada.
- Sim... Sempre quando me sinto sozinho. Esse lago tem várias histórias gosto de me lembrar delas quando estou triste, as histórias me fazem sorrir.
- Mais é só um lago...
- Não é só um lago... Olha em volta, olha essa paizagem – O velhinho de aproximadamente oitenta anos com uma boina xadrez olhou pro céu e sua volta. Eu fiz o mesmo e no fundo ele tinha razão. Era mesmo lindo.
- É o lago do contos de fadas...
- Como assim? - Perguntei curiosa e ele sorriu
- Você não teve infância garota?
- Ahn.. claro que eu tive! - Gaguejei... - só que eu não to num momento bom pra me lembrar da minha infância agora
- Tudo bem minha jovem... - Ele falou depois continuou. - É o lago do monstro do lago ness
- Ta de zoaeira com a minha cara né?! - Falei sem acreditar e os meus olhos brilharam.. - desculpa... - Falei me discupanpando ele era apenas um senhor. Mais eu não acreditava que eu tava ali. CARA era um dos filmes mais legais que eu já havia visto. Meu pai sempre contava essa história quando eu fazia pirraça do tipo ' Se você continuar, eu mando o mostro do lago ness vim te pegar 'sim esse era o meu pai. Sempre ridículo. E eu mais ainda por acreditar. Eu só tinha quatro anos.... era inocente.
- Essa é uma das histórias mais legais que eu conheço. Não acredito que estou mesmo aqui... - Sorri, e eu pude ver meus olhos brilharem novamente. Olhei em volta e só agora eu podia reparar. Aquela pedra que eu tava encostada era uma das ruínas do castelo. E ali atrás tinha o castelo. Era aquele lago. Eu não podia acreditar.
- Esse lago tem muitas histórias querida... - Ele falou rindo e eu apenas prestei atenção.. - O senhor sabe mais do que eu, pode me contar? Fiquei interada – Pedi.
Pronta pra embarcar em uma aventura?
- Claro! - Sorri.

Era um dia ensolarado 19 de outubro de 1920. Eu e meus amigos marcamos de pescar sobre o grande lago ness. Eramos jovens com apenas 16 anos. O lago nessa época era bastante visitado e as garotas sempre vinham tomar sol e estudar nesse gramado como você mesmo estava. Quando eu vi Maísa Falcone pela primeira vez com uma das suas amigas. Ela era linda, deslumbrante eu lembro até hoje de sua imagem na minha memória. Seus vestidos longos um pouco abaixo do joelho rodado e sua fita rosa nos seus cabelos incrivementes cachedos e brilhantes, suas luvas brancas curtas e seu olhos azuis que até hoje eu não me esqueço. Os dois amigos que estavam comigo eram incrivemente apaixonados pelas duas amigas dela. E quando eles viram eu olhando pra Maísa logo viram que quão eu fiquei encantado pela mesma. Até que fomos até elas e inventamos uma história absurda.

19 de outubro 1920

- Olá meninas! Como vão? - Os três jovens se sentaram na grama junto das duas meninas que focavam em seu livro groço de capa dura, em quanto a outra observava o mar.
- Acreditam no mostro do lado ness? - Maísa falou séria olhando pros três meninos que absolutamente riram da história.
- Você é louca, monstros não existem! - Alex falou e ela ignorou como se nunca tivesse o visto
- Maísa, tire essa ideia absurdada da cabeça. Como disse o senhor Alex. Mostros não existem. Você nunca vai achalos. Só em sua mente idiota. - A amiga falou groça mais ela não estava nem ai.
- Eu acho que a sua amiga, não deveria parar de acreditar em seus sonhos. - Stevan falou sério e vio os olhos da menina brilharem.
- Pare com isso Stevan, não iluda a menina. Não seja tolo. - O amigo falou
- EU TO CANSADA! PAREM VOCÊS CINCO. Estou cansada de ser perfeita, de morar naquela droga de castelo – apontou para o castelo em que sua família morava – Estou cansada de dizerem que sou uma idiota. - Falou estérica e saio correndo com raiva. Stevan foi atrás da menina, e logo seus passos ficaram mais distantes. E distantes, e distantes, até chagarem em um lugar afastado a margem do rio onde a garota olhava fixadamente para a água cristalina
- Ei, - gritou o rapaz mais ela não virou só continuou ouvindo sua voz – Eu acredito em você.
- Porque acredita em mim? Nem nos conhecemos. - falou rude
- Não deve desister de suas fantasias. Acredite que ele existe, que ele vai existir
- Eu vou provar que ele existe.
- E eu vou provar que amo você. - Falou sem pensar mais acabou se arrependendo.
- Como assim me ama?
- Te amo desde a primeira vez que te vi no jardim de infância, na fazenda em que seus avós contrataram meu pai... E agora te vendo aqui. Eu sei que esse amor é real.
- Não pode me amar, eu sou idiota! Acredito em coisas que não existem.

- Awn que lindo... Você acreditou nela mesmo sendo mentira... - Falei sem pensar e ele arregalou os olhos
- Quem disse que era mentira?
- Como assim não era?
- Posso acabar de contar a história?
- A vontade!

- Não é idiota Maísa. Você é linda. - Se aproximou da menina e encostou seus lábios nos seus. E sem querer acabaram caíndo no lago e se beijaram apaixonadamente. E fizeram amor por aquelas águas. 

Maísa e eu  estavamos dentro do lago e eu me afastei pra boiar quando eu a ouvi gritar e quando eu cossei meus olhos para ver melhor era ele. O mostro do lago ness, ele existe. E quando eu fui ver, ele já tinha sugado a mesma para o fundo do lago. Desde então todas as suspeitas são que eu havia a matado. Passei trinta anos no calabousso de seu pai. E só depois com muito esforço que me soltataram... Mais continuo sendo observado por eles.

- Nossa senhor, que história mais... - Eu não tinha nem palavras para falar sobre aquilo. Era intrigante. Não conseguia acreditar em monstros.
- Louca? - Ele riu – Alguns anos depois, um grupo de homens encossezes viram o monstro, mais em 2003 foi comprovado pelo governo que a o monstro do lago ness, não passa de uma lenda. Mais nunca se sabe. Mais a única coisa que eu sei, foi que o mesmo existiu.
- Nunca mais venho aqui sozinha. - Falei incredula, mais eu ria em quanto me levantava – Bom foi um prazer conhecer o senhor, mais eu tenho que ir... Tchau! - Falei correndo pegando o primeiro táxi que eu vi. Aquela baboseira toda daquele velho acabou me fazendo esquecer o Arthur. Pelo menos alguma coisa boa. 

Mais eu não consegui acreditar NADA absolutamente nada do que ele tinha falado. Mais até que tinha algum sentido, eu peguei o celular na mesma hora que entrei no táxi e procurei no google. E falava sobre os homens que descobriram o mostro e sobre a o governo ter desmentido em 2003. Mais a minha cabeça estava doendo de mais pra pensar nisso agora. Eu tinha coisas mais importantes pra fazer, e tinha uma dor enorme no meu coração. O Arthur tinha ficado com outra, e ele tava fumando, ele tava bebendo. Eu não acreditava naquilo. E ver aquelas fotos de novo pela tela do celular só fez o meu coração doer mais e mais. Eu desci do táxi e parei em um starbucks, já era de tardezinha e o tempo começava a esfriar então andei rápido e sentei na primeira mesa que eu vi, do lado da janela. Pedi um capuccino com creme de chantili e um smuffs, era só hoje. Eu precisa comer besteira pra esquecer a minha dor. Em quanto uns esqueciam se drogando, eu esquecia me engordando cada vez mais.E começou a cantar into your mars do The maine me fazendo chorar mais ainda. Eu encostei a cabeça na janela em quanto ouvia a música baixinha nos meus ouvidos. Ela me fazia lembrar mais dele. E a única coisa que eu queria, era esquece-lo. Até o meu celular tocar.


Oque foi Arthur? - Funguei tentando esconder o choro. Eu já estava chorando.
Precisamos conversar – A voz dele era rouca, ele estava chorando?
Não precisamos não.. - falei manhosa e funguei mais uma vez – terminamos quando eu vim pra cá, você pode ficar com quem você quiser... eu não vou mais te atrapalhar... - Eu já estava chorando
- Lu... por favor...
- Adeus Arthur.

I'm falling in love
But it's falling apart
I need to find my way back to the start
When we were in love
Things were better than they are
Let me back into...
Into your arms
Into your arms

Alguns calafrios passaram pelo meu braço, eu não estava bem, a minha cabeça doia e parecia que tudo estava balançando. Meu rosto já estava molhado de tanto chorar, eu precisava ser forte. Todos os relacionamentos acabam. Porque iria ser diferente? Ainda mais com um cantor de uma banda de rock. Agora pra piorar as coisas outro estava me ligando... agora era o Maker.

Oi maker.. - falei engolindo o choro
Você tá chorando?
Não..
Mentirosa... Não fica assim Lu, por favor, vamos falar com ele.
Não quero que fale nada com ele, a vida é dele...
Mais...
Mais nada, deixa ele viver, não quero ninguém preso a mim, preciso viver a minha vida assim como ele tá vivendo a dele. Só não deixa ele fazer besteira ok?
Lu, O Arthur chegou no hotel chorando. E bêbado.
Problema é dele. E você pode falar pra ele, que eu nunca mais vou correr atrás dele. Nem que ele estiver morrendo. Que aquela vadi... que aquela menina que cuide dele. Acabou Maker.
Não fala isso Lu, o Arthur te ama... Ele só falava no seu nome ontem...
Dane-se porra, ele transou com ela não transou maker?
Lu... eu não..
FALA PORRA
Eu não sei caralho, acho que sim sei lá...
Que ele morra. Que ele me esqueça assim como eu to esquecendo ele hoje.

E assim eu desliguei o celular me retorcendo de ódio e raiva. Joguei alguma nota em cima daquela mesa, e indo embora. A única coisa que eu queria era esquecer desse maldito dia.

Estava frio, e tava ventando.. E eu acabei me esbarrando com alguém no meio daquela rua. E de novo. Era ele. O Nick

- Se continuamos a nos esbarrar assim, vai ser coincidência de mais Lua! - Falou risonho.
- Ás vezes é... - Sorri olhando pra ele sem jeito
- Destino? 
- Destino sempre é bom. - Sorri fraco 
- Quer uma carona? - Sorriu maroto.
- Porque não?

Cinco meses depois....



A Gabi se confundiu a web não acabou não galera! Kkkkk'

5 comentários:

  1. ++++++++++++++++++, essa web é LINDA! Posta mais! Sem comentários pro q Arthur fez... arrrrhhh! raiva. by: Paloma

    ResponderExcluir
  2. ahhh....juro que fiquei desesperada quando ela disse que a web acabou!!! mas,não podia acabar assim né?e por favor posta mais,quero saber o que vai acontecer!!!:)#FelizPorqueNãoAcabou!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. faço minhas suas palavras

      Excluir
  3. Ainda bem!! Posta mais, quero que o Arthur se toque da burrada q ele está fazendo!!

    ResponderExcluir

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo