3 de jul de 2013

Uma lição de Amor - Capítulo 24. Parte 1


"Rith an ghrian"

- Sua morte Lua. Não é tão óbvio assim?

Engoli o seco tentado não me deseperar. Ótimo agora eu estava ferrada de verdade. Corri e direção as escadas quando ele apertou o gatinho e eu senti meu braço arder. Começei a ver meu sangue escorrer sobre meu braço direito oque me fez entrar em desespero. Ele me prensou na parede apontando uma arma pra mim. Engoli o seco mais uma vez e ele gargalhou

- Com medo Blanco?
- Não tenho medo de você.
- Mais tinha tinha que ter. Agora você não me escapa vadia.

Me arrastei na parede ficando sentada no chão em quanto ele gargalhava andando com a arma de um lado pro outro pela sala enorme da mansão. - Por que você faz isso? - Perguntei incrédula e ele riu balançando a arma pelas suas mãos secas e asperas.

- Vou te contar uma coisa... Mais não conte pra ninguém. Como se você pudesse contar – Ele gargalhou. - Vai morrer daqui a alguns minuto.
- Então me conta... - Perguntei tentando manter todo o máximo de tempo até alguém chegar na mansão. Eu sábia que era quase impossível mais eu queria aproveitar meus últimos minutos de vida nesse mundo em que eu sábia que em alguns minutos não iriam mais me pertencer

- Quando eu era pequeno, nenhuma menina me dava bola... O Diretor do colégio onde eu estudava pegava todas as garotas. Elas todas morriam de amor por ele... Até que um dia eu conhecia a Ketlin. Ela foi o meu primeiro amor. - Ele sorriu debochado e eu continuei o encarando. - Ela gostava de mim... Gostava mesmo... Depois que aquele idiota do diretor novinho e galanteoso roubou de mim. Desgraçado.
- E oque aconteceu? - Perguntei curiosa.
- Eu o matei! - Ela gargalhou com um sorriso nos rostos e eu senti vontade de vomitar.
- Por que o matou? - Perguntei calma.
- Ele roubou o único amor da minha vida... DESGRAÇADO! Ele gritou jogando um vaso da pratilheira no chão.
- Por isso que se formou em diretor? Pra poder abusar das garotas? - Ergui as sobrancelhas e ele riu assentindo com a cabeça.
- Fiz todas elas pagarem por tudo que eu sofri. Abusei de cada uma e depois matei.
- Por que? Elas não tinham culpa!
- CLARO QUE TINHAM. VADIAS. São todas iguais. Eu perdi uma pra quele diretorzinho. Vadias, ninguém me dava bola por causa disso. Então me formei em diretor pra dar o troco.
- Mais não eram as mesmas alunas digo...
- SÃO TODAS IGUAIS. SÃO TODAS CACHORRAS. - Agora chega de papo. - Quais são duas últimas palavras antes da morte Lua Blanco?

Engoli o seco e percebi uma lágrima solitária invadir o meu rosto e um vento frio passar sobre a minha pele.

- Eu vou te amar por toda eternidade Arthur Aguiar. - Falei baixinho e senti o barulho do tiro. Fechei os olhos tentando amenizar toda a dor da minha morte. Um, dois, três segundos depois do tiro. E eu não senti nada. Eu não tinha morrido? - Abri os olhos lentamente e vi o corpo de Adam Scott jogado no chão com um tiro que perfurou seu cranio. - Quem havia o matado? - Levantei com dificuldades colocando a mão no braço que estava sangrando. Fui na cozinha, corredor, e copa. Não havia ninguém ali.

- Quem havia o matado?

............

Abri os olhos devagar ainda sonsa minha visão estava completamente em basada. Percebi que estava em um lugar azul, com o teto branco leve. Levantei o braço direto com dificuldades e vi que ele estava engessado. Tinha aparelhos pelo meu corpo e um barulhinho irritante ao meu lado. Ah claro! Eram meus batimentos cardíacos.

- Hey pequena... Que bom que acordou... - Vi uma voz doce alisar meus cabelos e eu pisquei algumas vezes os olhos para ver quem era
- Will... - Disse simplesmente e ele sorriu.
- Vai ficar tudo bem pequena... Pode dormir – Ele falou baixinho e eu exitei
- Oque aconteceu, cadê o Arthur? E o Adam? - Perguntei sonolenta e ele continuou alisando meus cabelos
- O Adam morreu... O Arthur ficou o tempo todo aqui com você, ele saio faz uns 10 minutinhos antes de você acordar.
- Quem o matou?
- Ninguém sabe Lu... O assino fugiu. Assassino não... Ele fez um favor pra todos nós. Quem seja lá a pessoa que matou ele, se não fizesse isso eu mesmo teria feito.
- Minha cabeça tá doendo... A quanto tempo eu to aqui?
- Dois dias. O médico resolveu te manter dormindo esse tempo todo, foi melhor... Pra evitar a dor do seu braço.
- Oh céus! O meu braço! - Gemi e ele riu.
- Acho que ele tá melhor agora.
- É, acho que sim... - Sorri.
- As meninas estão loucas pra ter ver, o Chay está lá na porta feito uma mulherzinha procupado com você. 
 - Oun Chay! - Sorri lembrando. - Pode pedir pra ele entrar? - Perguntei o olhando e ele assentiu com a cabeça. Mais nem precisou se movimentar ele já estava entrando pela aquela porta

- Five Colours! - Chay apareceu sorrindo e eu sorri sincera
- Chay!
- Que susto em menina? Quer me matar de preocupação? - Perguntou sentando ao meu lado e eu apenas sorri fraco.
- Não foi essa a ideia.
- Eu sei querida. Melhora logo tá bom?
- Eu vou melhorar. - Sorri
- Agora você tá livre, ninguém mais vai ter perturbar – Will falou baixinho e eu sorri sem graça.

* * * * *

Encostei a cabeça no travesseiro  ainda entediada minha cabeça estava rodando, e rodando, com certeza seria efeito do medicamento que haviam me dado. Já tinha se passado meia hora que o Will e o Chay saíram para assinar alguns papéis e eu estava completamente sozinha naquele quarto branco e frio. Girei de um lado pro outro na cama inquieta e aqueles fiozinhos colados no meu corpo não ajudavam muito. Fechei os olhos de vagar e vi alguém girar a maçaneta da porta era uma mulher magra de cabelos loiros ela vestia um jaleco branco e em seu crachá estava Doutora Sallie PerterssonEla sorriu pra mim assim que me viu e eu sorri fraco.

- É mocinha você deu um belo susto na gente! - Ela sorriu se aproximando de mim medindo minha pressão.
- É, acho que sim... - Mordi o lábio inferior - Já posso ir pra casa? - Perguntei franzindo o cenho e ela sorriu
- Claro, você só precisa ficar algumas horas em observação e eu já posso te dar alta.
- Ótimo, odeio hospital – Sorri sem graça
- E quem ama? - Ela riu – Bom, vou deixar meu cartão com você, caso você precise de alguma coisa é só me ligar ok? Aqui está meu número com o endereço do meu consultório. - Ela me deu o cartão e eu assenti com a cabeça. - Seu namorado está muito procupado com você, ele quase fez um escandalo por que não deixaram te ver,parecia que estava preste a ser papai – Ela riu e eu ri junto. 
- É a cara dele.. -Sorri 
- Em falar nele olha ai. - Ela sorriu meiga e eu fiquei sem graça. Arthur sorriu pra mim e falou com a doutora.
- Bom vocês devem querer ficar sozinhos com licença. - Ela sorriu saindo do quarto e nós assentimos com a cabeça

- Iai como você tá? - Arthur sentou no meu lado na cama e eu fiz um careta engraçada o fazendo rir. - To bem.. - Sorri fraco
- Eu não deveria ter te deixado sozinha pequena..
- Hey para com isso, não foi a sua culpa. E não aconteceu nada alguém matou ele por você
- É, mais você ainda tá machucada, eu não devia ter te deixado sozinha lá, depois de tudo oque aconteceu naquele dia
- Para Arthur! Para! Para de se culpar, eu não sou uma menininha indefesa eu sei me proteger sozinha.
- Sabe tanto que tá ai nesse hospital né?
- A agora a culpa é minha? - Falei e já tinha uma lágrima escorrendo no meu rosto
- O céus, Lu desculpa... foi sem querer - Ele me abraçou e eu respirei fundo.
- Tá tudo bem agora... - Sussurrei enfiando o rosto em seu pescoço
- Eu amo você - Ele sussurrou
Eu amo você.- Eu também te amo seu idiota

Um comentário:

  1. Islânia Camily04/07/2013 17:13

    áh que fofo essa pequena fraze"EU TE AMO" adorei preciso ler outra urgente posta + por favor eu imploro ^_^...

    ResponderExcluir

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo