24 de jul de 2013

One Shot - Recomeço

Titulo: Recomeço
Sinopse: Nem sempre a vida é como queremos. Sempre temos autos e baixos, alguns momentos que falamos mais do que deviamos, momentos em que não falamos o que queremos, e momentos que queremos guardar para sempre. Será que depois muitos momentos deixados em branco, depois de tantas promeças feitas e esquecidas, ainda pode existir um recomeço?


“As vezes tudo recomeça quando chega o fim...”



Mais uma vez, Lua estava chorando. Escorada na parede de sua casa, olhava para uma foto sua com Arthur. Abraçados, sorriam para a fotografa da vez que foi Mel, e Arthur beijava sua bochecha.
Sorriu para foto. Quantos bons momentos, que sempre estariam na sua memória, e que ela gostaria de estar vivendo até agora, e de preferência, para sempre. Mas, nem tudo que queremos, se realiza, e a realidade do momento era que: já não existia mais ela e Arthur. Ele já tinha outra, e já teve outra antes.

Será que ele havia se esquecido tão rapidamente assim de tudo que viveram? Será que as juras de amor, enquanto se amavam, enquanto viviam aqueles momentos, foram todas esquecidas? Será que ele realmente havia a amado um dia?
Sentiu o celular vibrar em seu bolso, e viu o numero dele. O que Arthur queria? Já não bastava todo esse sofrimento? Não queria ver a mensagem, mas sua curiosade foi maior.

O que você faria, se tivessemos uma chance de recomeçar?

Engoliu à seco, e releu a mensagem umas três vezes. Não podia ser, ele estava brincando com ela. Respirou fundo, e respondeu a mensagem:

Pare de brincar com meus sentimentos Arthur. 

Enviou, e e ficou a espera da resposta.


Não quero brincar, nunca quis. Eu só quero saber se você ainda me ama, se ainda pode existir eu e você.


Ela leu aquela mensagem, e deixou uma lágrima cair. "Você sabe a resposta". Enviou, e estava se sentindo uma adolescente boba no primeiro namoro. 

Estou indo pra ai. Te amo, não importa aonde a vida nos leve. Arthur.

Beijou a tela do celular, e correu para lavar o rosto e ficar apresentável.

Arthur.
O que ele estava fazendo? Quais era as intenssões dele? Esquecer um amor, a mulher que ele ama, namorando outras? Magoando todas as pessoas a sua volta, enquanto tentava seguir em frente.
A quem ele estava enganando? Ele ama aquela mulher. Porque foi aquela mulher que lhe proporcionou uma vida nova, que lhe mostrou o que era amor, que lhe mostrou o que é ser feliz com alguém ao seu lado. Aquela mulher forte, batalhadora, e ao mesmo tempo criança, uma adolescente, aquele misto de personalidades que a tornavam Lua Blanco.
E ele estava perdendo aquela mulher, se já não a tivesse perdido. Precisava agir. Precisava tê-la de volta. Depois de trocar mensagens com ela, correu para a casa dela.


Casa da Lua
Ela esperava Arthur chegar, ansiosa. Estava muito nervosa. Ouviu a campainha tocar, e correu para abrir. Ali estava ele, parado e a olhando. As bocas ficaram secas e começaram a ficar nervosos. Em um imã corporal, se abraçaram, de forma protetora, com saudade de sentir os corpos colados. Ainda abraçados, entraram, e Arthur fechou a porta com pé.
Separaram-se e se olharam.

- Você estava chorando - disse Arthur a observando.
- Como sabe?
- Seus olhos estão sem brilho, ainda tem lágrimas ai dentro querendo cair, suas bochechas estão coradas, seus lábios mais inchados - disse Arthur a olhando de forma intensa - eu conheço cada pedacinho seu, cada olhar, cada sorriso.

Lua deixou uma lágrima cair.

- Você me magoou de mais - ela disse.
- Eu sei - ele se rendendo as lágrimas - eu só queria tentar seguir em frente, mas só acabei magoando a pessoa mais importante da minha vida. Eu errei ainda mais, tentando tirar você de mim.
- Porque?
- Você vive aqui dentro - ele pegou a mão de Lua, e levou a seu coração - é impossivel tirar você de mim. Do meu coração, da minha cabeça, de cada sorriso, de cada olhar, de cada momento, de cada lágrima. 

A mão de Lua permaneceu no coração de Arthur, enquanto ela falava.

- Eu pensei que você não me amasse mais, que nunca tivesse me amado.
- Nunca mais repita isso. Cada batida do meu coração é por você - disse Arthur - só que eu sou um idiota, que nunca percebeu a grande mulher que tinha. Me perdoa, por favor. Eu quero só mais essa chance, pra provar que... Eu mereço você.
- Você tem uma namorada.
- Eu termino, mando pros cafundós de Judas, mas, por favor, me deixe te amar mais uma vez.

Lua o olhou, dentro dos olhos. Aqueles olhos não mentiam pra ela, e ela via a verdade neles. Levantou uma mão e acariciou a bochecha dele, que fechou os olhos, sentindo o carinho.

- Me deixe tentar te fazer feliz de novo - ele sussurrou. Ela se aproximou de Arthur. Passou uma mão por sua nuca, e acariciou, fazendo-o se arrepiar, Lua sorriu de leve, e se aproximou mais, encostando os narizes, as respirações se misturaram e os lábios estavam a milímetros um do outro.
- Você já me faz feliz - ela sussurrou - agora me beija.

Sem nem hesitar, Arthur colocou as bocas uma na outra. O beijo iniciou calmo, mas logo se tornou rápido e intenso, era muito saudade. As linguas em uma batalha, na mesma sincronia. O beijo tornou-se feroz a medida que Arthur ia a levando para o sofá, e a deitando.
Separaram-se sem folego.

- Eu te amo - disse Arthur beijando o rosto de Lua - eu te amo demais.
- Eu te amo - disse Lua cheirando o pescoço de Arthur - meu cheiro.
- Minha princesa, minha, minha, minha - disse Arthur afundando o rosto no pescoço de Lua.

Ficaram assim, deitados e abraçados, por um tempo.

- Vou dar um fim com ela, hoje - disse Arthur beijando o pescoço de Lua.
- Quero ficar aqui com você - ela resmungou apertando Arthur contra si. Ele riu.
- Eu também princesa, mas o quanto antes, melhor. Volto ainda hoje, ok? - disse Arthur se levantando.

Lua suspirou.

- Eu sei. E volte mesmo - ela disse beijando o pescoço dele - saudade de morder seu pescoço - Arthur sorriu e sentiu um arrepio.
- Se você não parar de me morder, não saio daqui nunca - ele sussurrou sentindo as mãos de Lua dentro de sua camisa.
- Não saia - disse Lua subindo as mãos e levantando a camisa de Arthur. Tirou-a por completo e atirou-a longe.
- Lua - sussurrou Arthur sentindo os beijos dela em seu pescoço e as mãos dela arranhando seu peito - eu.... preciso...
- Não precisa - ela corrigiu se levantando e o puxando consigo - ela não vai estragar esse momento.

Colou sua boca na de Arthur, que a levantou no ar, e Lua colocou as pernas na cintura dele.
Batendo pelas coisas pelo caminho, foram se dirigindo até o quatro de Lua. Arthur a deitou na cama e encarou-a nos olhos.

- Você me deixa completamente louco - ele sussurrou abrindo botão por botão da camisa dela. Começou a espalhar beijos por toda a extensão do corpo livre de Lua, que suspirou.
- Me faça sua, completamente sua - ela disse - do seu jeito único.

Arthur subiu os beijos até a boca de Lua, e começou a morder o lábio inferior dela, dando selinhos e mordidinhas.

- Você quem me faz ser assim. Te quero pra mim, só pra mim.
- Todos os dias da minha vida - disse Lua - pra sempre.
- Pra sempre - Entrelaçaram as mãos.
- Eu quero te fazer minha, mas quando eu não tiver mais nada me impedindo de amar livremente - disse Arthur deitando na cama, e a puxando para si.
- Você é perfeito. Demais pra mim - disse Lua sorrindo.
- Você que é demais pra mim. Eu que sou o burro idiota da história. - a apertou contra si - eu não sei o que eu faria se eu não tivesse essa chance com você de novo.
- Estaria com ela?
- Não. Eu já não aguentava mais ela, muito grude, muito nhenhenhe. Eu... ficaria perdido, sem saber o que fazer. Você é tudo o que eu sempre quis.
- Como um anjo só pra mim - Viraram o rosto, e beijaram-se de forma calma.


Ensaio para o Show
Arthur e Lua, eram só sorrisos na manhã seguinte. Melanie notou algo, mas preferiu não comentar nada. Os seis estavam rindo e se divertindo, quando o palco é “invadido” por uma Giovanna, muito, muito brava.

- Arthur Aguiar! - ela chamou com raiva - estou esperando sua ligação desde sexta-feira. Porque não me ligou?!
- Talvez porque eu não quisesse falar com você - ele disse sarcástico - Os outros abafaram risos.
- Como? O que? Do que está falando?! - ela estava confusa e irritada, mais irritada ainda.
- Venha comigo - a puxou pelo braço para os “fundos” do palco. Antes, lançou um olhar a Lua, avisando o que ia fazer.

Cinco minutos depois, ouviram gritos.

- COMO ASSIM TERMINAR? - era a voz dela.
- Terminar - ouviram a voz firme de Arthur.
- É CULPA DAQUELA... DAQUELA BLANCO! VOCÊ ESTAVA BEM COMIGO, E DO NADA...
- NUNCA MAIS TOQUE NO NOME DA LUA, ELA NÃO MERECE SAIR DA SUA BOCA. E NUNCA ESTEVE BEM, VOCÊ SABE DISSO.

Agora, Arthur também gritava.

- É VERDADE, NUNCA ESTEVE, POR CAUSA DESSA SUA BANDINHA IDIOTA, DESSA LOIRA FALSA...
- EU JÁ FALEI PRA CALAR BOCA! E QUER SABER? EU NUNCA GOSTEI DE VOCÊ! NUNCA. VOCÊ FOI SIMPLESMENTE UMA DISTRAÇÃO, ENQUANTO EU TENTAVA ESQUECER A MULHER DA MINHA VIDA!

Os dois agora, já não estavam mais nos “fundos” do palco, já estavam perto dos seis.

- VOCÊ FALA ASSIM DELA, NA MINHA FRENTE?
- Ela é a mulher da minha vida, a mulher que eu amo, que me faz feliz, que me completa, e você? É um porre na minha vida. Eu tentei ser legal, mas não deu. Você é muito metida, espalhafatosa e arrogante, que não enxergava o que estava na sua frente! Sempre ficou claro, claro como a água, que é Lua Blanco que está no meu coração, que todos os meus pensamentos são direcionados a ela.

Ela o encarou como se tivesse recebido um tapa na cara (bem que podia ter levado MUAHAHAHA).

- Eu te odeio, Arthur Aguiar! - Saiu pisando fundo, mas parou em frente a Lua - Você é a culpada! É tudo culpa sua.
- Se você não é amada, a culpa não é minha - disse Lua a olhando com raiva.

Giovanna levantou a mão para bater em Lua. Arthur saltou para frente, mas Melanie chegou a sua frente.

- Mantenha essa sua mão suja bem longe da minha amiga, se não, eu te bato tanto, que vai ir direto pro inferno.. ops, desculpa, pro cemitério. - disse Melania parando a mão dela no ar.
- Eu odeio todos vocês! - gritou Giovanna saindo com raiva.

Arthur imediatamente foi até Lua, e abraçou, apertado. Lua quase sumiu em seus braços, se encolhendo no aconchego dos braços de Arthur.

- Eu te amo - ele sussurrou.
- Eu te amo - sussurrou Lua - Separaram-se do abraço, e se olharam - Agora estamos livres - disse Lua sorrindo.
- Livres - se aproximou e beijou-a. Lua se agarrou no pescoço de Arthur que a levantou no ar e a girou.

Riram por entre o beijo. Era o recomeço de uma história de amor.

“As vezes tudo recomeça quando chega o fim...”
Só nós sabemos o que aconteceu em nossos corações nesse momento. Só nós, Luares, sabemos como dói tudo que está acontecendo, mas também sabemos, que se o amor existe, se é forte, tudo acontecerá no tempo certo, e que um amor enorme, sempre tem barreiras grandes. Vamos continuar acreditando, seguindo o nosso coração e sorrindo, porque aquela minima foto, aquela minima frase, pode ser um grande recomeço.

FIM. Ou não. Uma história de amor, nunca tem fim.

5 comentários:

  1. oiii eu lei pelo cel e ñ ta dando pra ler a web ta branca a letra eu acho mas eè só essa web arruma por favor è q pelo o titulo parece q èlegal

    ResponderExcluir
  2. Linda Demais arrasando como sempre Fanny
    By:BEATRIZ

    ResponderExcluir
  3. perfeita!!!:)

    ResponderExcluir
  4. muito lindaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa perfeita parabéns

    ResponderExcluir

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo