17 de jul de 2013

Capítulo único: "Delicious Favor"

Autora: Lary F. 
Status: Finalizada 
Revisada por: Hata 
Categoria: Hot Fics
Sub-Categoria: ShortFic - Romance



"Olha pra mim, olha pra mim, olha pra mim." Eu já estava cansada de repetir aquilo enquanto olhava incansavelmente para Brandon. Nós já tínhamos tido um...caso quente, mas depois que tudo acabara, ou seja, umas 48 horas depois, o filho da mãe nem olhava na minha cara. E eu queria ele mais uma vez.
Eu estava carente e não queria sair daquela festa sozinha, e eu precisava de um plano para isso. Depois de olhar para o lado eu já tinha o plano na minha mente.

- Quando você me olha assim é porque lá vem bomba. –  Arthur , o meu melhor amigo, disse com um sorriso malandro.
- Preciso de um favor.
- Eu já soube disso quando você me olhou com esses olhinhos brilhantes. – ele riu e eu fiquei sem graça. – Vamos lá, Lua. O que você quer?
- Tem como você me ajudar a fazer ciúmes para o Brandon?

Nós dois olhamos para o cara parado na porta e ele riu mais uma vez.  Arthur achava que Brandon era um idiota e odiara quando eu ficara com ele, mas fazer o que? Eu sempre fui ligada nos piores caras.

- De novo, Lua? Qual é? Você já devia saber que esse Brandon é um Mané! – eu fiz beicinho tentando convencer  Arthur. Eu sabia que o truque do beicinho sempre funcionava com ele. Assim como o da covinha dele era golpe certo contra mim. – Ok, vamos nessa.

Eu e  Thur  fomos para o meio da sala, onde havia uma pista de dança improvisada. A música não era propícia para o meu truque de sedução, então pedi uma música especial para o DJ (N/a:solta, colega!). Os primeiros acordes de I Love Rock ‘n Roll da Britney começaram a ecoar pela casa e eu fui andando sensualmente na direção de  Thur .

- Tem certeza? – ele perguntou ansioso e eu apenas sorri maliciosa, dançando ao seu redor com sensualidade. Algumas pessoas que dançavam pararam apenas para ver a minha performance. Os olhares da sala foram atraídos para nós e eu fui até o chão e voltei apoiando minhas costas na perna de Thur  que me puxou para cima de uma vez. – Que comece o show.

Eu alarguei o meu sorriso enquanto  Thur  encaixava seu corpo ao meu e escorregávamos para o chão no mesmo ritmo. Nos levantamos e ele quase me fez fundir nossos corpos, me agarrando com vontade. Uau! Não sabia que Thur  era dono daquela pegada!
A mão dele subiu pela minha coxa até chegar na cintura e a outra no meu cabelo, me puxou pela cabeça até os lábios dele. Ele respirou fundo e ao sentir seu hálito de Halls preto, minhas pernas amoleceram.

- Brandon está olhando para cá.

Quem é Brandon? Ah! No momento eu não queria mais Brandon nenhum. Foda-se aquele Mané!  Thur  dançava comigo agora e eu estava mais interessada nos movimentos dele, que me movia de um jeito sensual enquanto eu rezava pra musica não acabar. Apoiei as duas mãos em seu peito e desci até o chão de frente para ele, quando voltei olhei em seus olhos e vi que aquilo já não era mais brincadeira.  Thur  me puxou contra ele mais uma vez e senti outra coisa, dessa vez eu tive a mais completa certeza de que as coisas ali mudaram de figura.

- Lua...Se a musica acabar e você sair daqui, eu vou ficar constrangido. – ele disse olhando para o meio de suas pernas e eu ri.
- Pode deixar. Eu não vou sair daqui. – garanti no seu ouvido e senti  Thur  arrepiar. – A não ser que você queira.
- Nem morto.

A música acabou e fomos calorosamente aplaudidos. O DJ colocou para repetir e todos da festa foram para a “pista”. Agora eu e  Thur  estávamos quase um em cima do outro, já que não tínhamos mais espaço para nos mexer. E eu estava gostando muito da situação.

- Vai parecer cafajeste, mas... - ele disse no meu ouvido já que a musica estava alta e eu não o estava escutando. - Não quer ir para um lugar mais reservado?
- Não parece cafajeste, me parece perfeito.

Eu sorri e puxei-o escada acima, no meio da escada, lá pelo quinto degrau ele não agüentou mais e me puxou para um beijo pra lá de caliente. Continuamos nos beijando até chegar a um dos quartos. Eu não via nada, era  Thur  quem me guiava, graças a Deus não rolamos escada abaixo. Ele abriu a porta do quarto e entramos sem descolar nossas bocas, fechando a porta, Thur  me empurrou contra ela e mudou o alvo de seus beijos dos meus lábios para o meu pescoço. 
E eu tinha arrepios constantes enquanto os lábios úmidos subiam e desciam pelo meu pescoço. Eu tinha a vista embaçada e as pálpebras quase fechando, o meu corpo reagia a cada toque das mãos dele em meu quadril.
Então eram essas as sensações? Eu não era inexperiente, mas para mim era a primeira vez que meu corpo reagia daquela maneira, com aquela violência.

A boca de  Thur  se abriu e senti seus dentes mordendo a minha devagar e levemente me fazendo gemer enlouquecida. Como ele conseguia? Eu passei a mão pelos seus cabelos adoráveis e não tive forças para mais nada. Os dentes dele davam mordidas por todo o meu pescoço e agora avançavam para o ombro. Eu desmaiaria se ele não me segurasse com tanta firmeza. E que firmeza! 
As mãos dele apertavam a minha cintura e se dividiam, uma subia para a curva dos meus seios e a outra descendo para a barra do meu vestido. Minhas pernas estavam moles e eu estava delirando de prazer. Eu nunca havia sentido algo como aquilo, era algo que se avolumava e fazia meu coração disparar.
Ele levantou uma das minhas pernas, a colocando ao redor dele e eu rodeei seu pescoço com os braços.  Thur  me levou até a cama e me colocou deitada nela. Eu abri os braços e fechei os olhos enquanto sentia o corpo de  Thur  se acomodando sobre o meu e seus lábios percorrendo meu rosto até encontrarem meus lábios e me beijar de um jeito doce.

Eu queria dizer alguma coisa, mas os lábios de  Thur  vieram para o meu ombro, mordendo como já fizera anteriormente e eu não consegui nem ao menos respirar. Ele desceu as alcinhas do meu vestido e o abaixou até a cintura, deixando meu sutiã branco exposto.
Por que eu não escolhi uma lingerie melhor? Agora não dava mais tempo de trocar, mas Thur  não parecia nem um pouco decepcionado enquanto passava o dedo levemente pela renda que cobria a lycra. Ele encontrou o fecho frontal e com apenas uma pressão leve, conseguiu abri-lo totalmente. Com carinho, ele desceu uma alça e depois repetiu o processo do outro lado.
Como ele conseguia inflamar meu corpo e meu interior ao mesmo tempo, com aqueles beijinhos úmidos e incendiários que estavam chegando cada vez mais perto dos meus seios?
Os lábios dele tocaram meu mamilo esquerdo e eu gritei em êxtase. Com a outra mão, a que não estava deslizando o meu vestido para baixo, ele brincava com o seio esquerdo com carícias que enlouqueciam. Eu estava ficando cada vez mais maluca de tanto prazer que Thur  me dava.

Seria justo retribuir todo o prazer que ele me dava, mas eu não conseguia pensar direito. Eu queria ter  Thur de qualquer forma.
O puxei pela gola da camisa e o beijei com firmeza. Ele soltou meu seio e jogou meu vestido enquanto ajoelhávamos na cama. Devolvi cada beijo e cada mordida em seu pescoço o fazendo respirar profundamente e gemer de um jeito gutural que me fez arrepiar.
Abri o primeiro botão de sua camisa e com a ajuda dele, abri os outros revelando aquela pele macia que eu queria ver. Quando desabotoamos o ultimo botão e tiramos sua camisa. Foi quando eu vi a estrela tatuada em seu peito. Ui! Aquilo era sensual demais para mim. Toquei a estrela com a ponta do dedo sentindo o calor de sua pele, mas eu queria sentir o sabor de sua pele também. Beijei uma das pontas da estrela e ele deu uma risada curta.

- Eu iria te mostrar a minha nova tatuagem hoje, mas você a descobriu. – eu ri também e continuei me aproveitando de  Thur .

Com um jeitinho nada sutil, eu abri o botão da calça larga que ele usava. O que não adiantava muita coisa, já que metade da cueca dele estava a mostra. Dei mais um beijo na estrela e depois mordi sua barriga sentindo a excitação de  Thur  cada vez mais evidente.
Abaixei a cueca dele e apanhei o seu membro com firmeza escutando  Thur  gemer um pouco mais alto. Os lábios dele buscaram os meus e enquanto nos beijamos com fúria, minha mão fazia movimentos repetitivos que estavam deixando  Thur  fora de orbita. Ele quis prosseguir com a loucura e o empurrei de leve, mas ele entendeu o recado e caiu na cama. Aquela estrela era hipnotizante, por isso tive de beijá-la mais uma vez antes de descer meus lábios para a virilha de  Thur .

- Não quer terminar a brincadeira agora, quer? – ele perguntou erguendo a cabeça e me puxando pra ele.  Thur  me deu um selinho rápido e me colocou sob seu corpo. Com agilidade, Thur tirou minha calcinha branca e deixou seus dedos me penetrarem intimamente, aquilo me fez agarrar o lençol com força e delirar de tão boa que foi a sensação. Como ele conseguia me deixar naquele estado?

Eu me recuperava daquela avalanche de sensações quando senti seus lábios em minhas coxas. Eu não conseguiria suportar mais uma daquelas sensações alucinantes, por isso puxei Thur  para mim e disse em seu ouvido:

- Não me faça esperar. – ele olhou em meus olhos e sorriu. Não o sorriso malicioso que geralmente todos os caras dão nesse momento, mas um sorriso doce. Daqueles que revelam a covinha que eu adoro. O corpo de  Thur  pesou sobre o meu e senti-o invadindo meu corpo bem devagar, com cuidado. Meu Deus! Como eu não percebi aquilo antes? Era tão obvio que estava até escrito na minha testa.

Fechei os olhos sentindo o corpo de  Thur  ir e vir sobre o meu, enquanto eu acompanhava o mesmo ritmo, de um jeito bom. A velocidade de nossos corpos era ditada pelos nossos desejos. Uma onda dentro de mim foi aumentando e aumentando até quebrar de uma vez em fazendo gritar de tanto êxtase, e me deixando quase desfalecida. Thur  também chegou ao clímax e nos trocou de posição para que pudéssemos tomar fôlego. Nossos corpos suados estavam colados e minha cabeça bem em cima da estrela, pude ouvir o coração dele batendo e não pude evitar algumas lagrimas. Eu estava mesmo apaixonada por ele. Então era por isso que a covinha dele me deixava desconcertada e meu coração disparava a cada vez que eu o via.

- Por que está chorando? – ele perguntou enquanto erguia meu rosto para ele. – Te machuquei? Ah! Já sei! Você está arrependida. – os olhos dele escureceram e eu apressei-me em negar. – Sei que não sou o Brandon, mas... Eu sempre te amei, Lua e acho que você merece alguém melhor que ele. Alguém como eu.

Eu sorri e o abracei com força. Sim, eu merecia alguém como ele, só não tinha percebido antes.

- Você é um chato convencido, mas como eu também sou apaixonada por você, acho que mereço a sua pessoa.

Nós rimos e só então percebemos que a musica ainda rolava lá embaixo e que a festa continuava.

- Vamos lá pra casa? – eu sorri e fiz que sim com a cabeça. – A noite vai ser longa, Dona Lua. – ele brincou mordendo meu ombro enquanto eu me arrepiava de desejo mais uma vez.
Por mim, se estivesse com  Thur , era preferível que as noites durassem pra sempre.

FIM 

2 comentários:

  1. muito linda!!!adorei...

    ResponderExcluir
  2. Que gracinhaaaa amei by:BEATRIZ

    ResponderExcluir

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo