10 de jun de 2013

New Feelings : Capitulo 28


Eu o Amo ?





– A única pessoa que amei foi o Diego. – Responde curta e seca a menina. Liberta-se da mão do rapaz e lhe olha de modo desagradável.
– Amou, do verbo passado, não ama mais!
– Não me atormenta moleque.
– A verdade não faria mal.
– Teimosia é o teu nome do meio não é?
– Acho que sim.
– Detesto gente assim, não me dá prazer de estar ao seu lado! – Brada ficando cada vez mais irritada. Como Roberta é marrenta.
– Não te dá prazer? – Sorri provocativo assustando a garota parada e de braços cruzados. Ele a prende na parede. – Tem certeza?
O jogo baixo começava de novo, o jovem sopra a sua nuca deixando-a excitada. Essa aproximação, esse tom de voz sexy e cheio de saliência, o olhar pervo, o sorriso maldoso, a loira sentia saudades e muita disso, mas como essa é a Roberta que adora esconder seus sentimentos dentro de algum lugar de seu coração, ela nunca admitiria.
– Acho que é você que me ama. – Ele a desprende da parede, um pouco azucrinado com a frase.
– O que? Você tá louca minha filha? O que te deram no café? – O garoto também gostava de ocultar seus sentimentos.
– Aí, ficou todo nervosinho.
– Você é chata.
– Novidade!
– Olha. Eu não vou ficar perdendo tempo aqui, preciso ir ver a Carla!
– Ah claro, porque lhe convêm. – Murmura. Tomás controla-se mentalmente para não pular em cima da garota e enche-la de socos, crueldade e covardia.
Ao ver que o rapaz sumira de sua vista, uma cama de gato forma-se na cabeça conturbada da jovem moça. A pergunta grudara como chiclete gruda no sapato. A loira já sabia que a única coisa que sentia pelo ex-namorado era um carinho de irmão ou amigo, nada a mais, realmente aquele garoto não era a metade de sua laranja, mas será que era o Tomás? Quase todos os dias, sonhava com este menino importuno. A garota estava parada em um corredor estreito de um hospital fazendo uma rápida reflexão sobre tudo o que havia rolado entre ela e ele. Desde o primeiro capítulo desta história confusa até o de hoje, era uma meditação para encontrar a solução e a resposta, mas tudo isso já estava claro na vida dessa menina, só ela que não via.
Mas os seus pensamentos são interrompidos quando suas narinas recebem aquele cheiro de perfume raro e caro, só podia ser o Diego, sem dúvidas.
– Diego! – A menina o chama. Quando o mesmo centraliza os olhos na figura, parada a sua frente, recua.
– Não faz isso comigo, precisamos esclarecer as coisas.
– Já estão muito bem claras, não acha?
– Você não me ouviu.
– Não escuto gente mentirosa.
– Me dá uma chance, pô! – Exclama entediada daquele rodeio todo que ele fazia para não escutá-la. Diego estava errado, ela também tem o seu direito, a verdade dói, mas sara ao longo do tempo. Ele também precisa aprender a ouvir, não só a falar e julgar.
– Estava bom demais o meu sossego, aí eu vim aqui para ver a Carla e no que deu? Vejo você a minha frente tentando dar uma de santinha da novela das oito, quando parece mais a vilã!
– Santinha de novela não, muito menos a vilã, cuide de suas palavras antes de proferi-las contra mim, beleza? E que você só quer saber de falar e julgar as pessoas sem o conhecimento, se ao menos ouvisse uma parte do que tenho a te dizer.
– Não é o seu dia de sorte.
– Não existe sorte.
– Nem confiança entre nós.
– Uma coisa não tem nada a ver com a outra!
– Mas você quis chegar a esse nível de conversa. E quer saber? Pra mim já deu, vou ver a Carla e consolá-la também, a banda pode ter acabado, mas a amizade nunca.
– A nossa?
– Essa sim não vale à pena continuar.
– Quer parar de me dar coice?
– Quem dá coice é cavalo Roberta!
– Tudo bem. – Estala a língua e engole o seco. Não obteria sucesso algum fazendo o Diego tentar recriar a confiança que existiam entre eles, a mágoa era grande e a ferida no coração era pior. – Sem mais insistências, fui.
Ela o empurra com violência, mas o mesmo não cai. Faz o seu trajeto até o lado de fora do hospital, já estava cheia daquele lugar, resolvera que iria voltar pra casa sozinha. Enrolou o motorista particular de Franco e Alice e conseguiu na moleza, um táxi para a Vila Lene, hora de consultar um amigo impulsivo que tinha. Quando nota que já se aproximava daquele ambiente arejado e confortante, pede ao taxista que parasse bem em frente à antiga casa de Genaro, onde agora só residia Cilene e Artur, ou seja, sua filha e seu genro.
– Valeu moço! – Entrega-lhe o dinheiro e parte para a residência de Pedro. Bate na porta umas três vezes até que o menino sai.
– Ué Roberta, pensei que estivesse na UTI com as meninas. – O garoto lhe permite espaço para entrar em sua casa. Sem ter se pronunciado, a roqueira entra e se joga – era praticamente da família – no sofá do amigo.
– Eu amo ele?
Pedro não entende bulhufas do que a menina lhe perguntara.
– O que disse? – Devolve com outra pergunta.
– O Tomás, Pedro! – Ah, a janela se abriu e os pássaros cantaram. Ela queria ser aconselhada e nada menos que o seu amigo para lhe assegurar e dar conselhos.
– Eu acho que sim. – A loira desespera-se.
– O QUE?
– Já faz tempo que você não o tira da cabeça, toda vez que ele chega perto, eu sei que uma corrente elétrica atravessa todo o seu corpo, já senti isso com a Alice, já vi o brilho no olhar de vocês todas as vezes que põem o olho um no outro, presenciei a cena do selinho no show, quase lhes peguei em um beijo no quarto de hotel lá em Porto Alegre, no dia em que resolveram fazer o trabalho. Enfim, só não acho como você o ama como também acho que ele te ama!
– Daria certo?
– Por que não?
– É tão estranho. Ele é o Tomás.
– Amar é estranho!
– Tá virando filósofo?
– Devo de tá pegando essa sua mania de ler.
– Ara, mas ler é tão bom. Ajuda a desenvolver as raízes do cérebro da pessoa, da uma sensação gostosa e você se imagina dentro da história, sendo um dos personagens, o que mais se parece com você ou o que mais te cativa.
– Como a gente chegou nesse papo de livro?
– Você que tava filosofando.
– Tá, tá. Mas e aí? Vai contar pra ele que o ama?
– Tenho medo, ele disse que só brincou comigo.
– Pura mentira do Tomás, Roberta! Isso é o medo de admitir que ama, a máscara é a melhor defensiva, mas sempre ela cai. Como a mentira que tem perna curta!
– Você tá me assombrando.
– Sem palhaçadas Roberta.
– Prefiro continuar com a máscara!
– Tá admitindo que sente algo por ele, isso já é um começo.
– Eu não sinto nada pelo Tom... – A moça é interrompida ao notar o olhar de quem não acredita em uma só palavra do amigo. A mais quem ela iria enganar? A essas alturas, até o Papai Noel já sabia da tão paixão louca e confusa dessa jovem. – Tá, eu sinto.
Roberta e seu famoso e insubstituível bico.
– Danada.
– E você é ótimo pra aconselhar.
– Vou pensar em empossar na carreira de psiquiatra. – Brinca.
– Valeu mesmo! – Ela retesa a mão para o mesmo apertar.
– Que nada, fiz o que tinha de fazer. – Momento amizade, é sempre tão lindo ver um amigo sendo solidário com o outro. No termo técnico, o Pedro tirou um grande peso da consciência da amiga, abriu seus olhos para enxergar a verdade.
“Eu o amo, isso será bom ou ruim?” – Esse pensamento não agrada.
Amor. Complicado entender tua matemática, hein?
Continua...



4 comentários:

  1. Já li esta web mas acho q ñ tem segunda temporada faz segunda temporada mas com o Tomás e a Roberta ainda juntos como na primeira! Amo LuEd! <3s2

    ResponderExcluir
  2. Eu estou planejando a 2 temporada , mas não sei se vai dar certo . To com medo dela ficr meio enjoativa , eu tenho várias idéias mas não sei como interpretá - las na Web . :/

    ResponderExcluir
  3. posta mais !!!!!!!!!

    ResponderExcluir

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo