10 de jun de 2013

New Feelings : Capitulo 27




União de Irmãs e Acidente




Aquele almoço não podia piorar. O clima briguento que reinava na casa de Franco chegava a ser incomodante, já haviam se passado três dias desde o fim da banda e as meias-irmãs continuavam sem se falarem. A roqueira mordiscava sua galinha cabidela mesmo sem sentir fome, seu prato estava cheio, mal tinha provado a comida deliciosa preparada pela empregada da casa.
– Por que estão assim? – Indaga Eva juntando suas mãos e pousando o cotovelo em cima da mesa aguardando a resposta.
– Pergunta pra ela. – Fala a patricinha secamente distribuindo um olhar ríspido sobre a loira.
– Quer um lencinho pra enxugar as lágrimas, paty? – Implica Roberta, sorrindo sínica e debochada.
– Engraçadinha.
– É o que muitos dizem.
– Você destruiu nosso sonho e ainda tenta nos enganar dizendo que já superou isso, mas foi tudo culpa dessa sua paixão confusa e errada pelo Tomás! – Alice deixa escapar, constrangendo a loira na frente de sua mãe que a encara incredulamente. Mas o amor de Roberta não era o Diego? Eva estava muito mal informada.
– Eu não gosto dele e além do, mas, isso não tem nada a ver. Acabou por que tinha que acabar, nada é pra sempre!
– Roberta, a banda nem tinha começado direito, estávamos dando os primeiros passos para uma carreira de sucesso e rola uma coisa absurda dessas! – A garota de madeixas lisas se levanta de sua cadeira e bate o garfo no prato causando um ruído chato e irregular.
– Acabou Alice, enfia isso nessa tua cabecinha lenta. – Roberta se mostra mais irritada e joga sua colher no chão gerando um barulho mais alto e arrepiante.
– Garota! Se você tivesse falado a verdade ao Diego nada disso teria acontecido! A banda dependia do nosso amor e carisma com os integrantes, mas você tinha que estragar achando que o melhor era guardar tudo pra você e que um dia isso evaporaria de sua vida!
– Alice, se a memória não me falha, foi você que me mandou não revelar ao Diego a verdade, disse até que isso acabaria com a banda e agora vem me dar sermão? Faça-me mil favores.
– Eu só estava lhe aconselhando, mas não era o conselho correto, você tinha que ter seguido seu coração.
– Para eu sofrer mais? Desculpe-me, do sofrimento eu quero me isolar.
Franco encoleriza-se com aquela peleja e as interrompe batendo palmas, calando-as.
– Tudo bem que vocês se desentendem, mas não é pra tanto.
– Foi essa tua filha que se embebedou com o fim da banda, é só nisso que pensa. A vida também nos oferece outras oportunidades Alice, você deve ter outros dons, basta procurar.
Aquilo era como um conselho, talvez realmente Alice tenha outro dom guardado em si.
– Roberta eu quero cantar!
– Ninguém está lhe impedido.
– Só que eu não sou nada sem você e eles. – A patricinha enche sem perceber os seus olhos de água, pronta para desabar no choro. Distancia-se de sua família e corre pelas escadas a caminho de seu quarto, chorava que dava pena. Roberta se cala diante aquele comentário, foi uma verdadeira declaração de amizade, todos eles estavam sofrendo com isso, o sonho não podia ter acabado tão tragicamente.
A loira deixa sua mãe e seu padrasto e sobe as escadas. Para bem em frente à porta branca do quarto de Alice, suspira levemente para acalmar o ânimo e semicerra os olhos para fitar a sua meia-irmã pela fechadura.
A garota chorava agarrada com seu caderninho que muitas vezes era utilizado para suas canções, os olhos azuis da menina estavam sem vida, sem alegria, apenas a tristeza tomando conta do seu ser. Era demais para Roberta presenciar tal cena como essa, abre a porta do quarto da jovem e entra, chorando com ela. Alice levanta o olhar para ver quem era a pessoa que entrara em seu local privado. Limpa os olhos para tirar a água que impedia dela poder ter a capacidade de ver quem estava ali, quando nota que era sua amiga, salta da cama e corre para abraçá-la.
Nada falam, só fica ali coladas uma na outra só chorando.
– Eu quero reconstituir o nosso sonho. – Diz Roberta contendo mais algumas lágrimas que insistiam em cair.
– Tem jeito?
– Tem sim, aquilo foi só um desentendimento besta nosso, uma burrada sem tamanho!
– E como vamos convencer os outros teimosos? O Diego e o Tomás estão com ódio da sua cara, não querem te ver nem pintada de ouro.
– E nem eu quero vê-los vestidos de vampiros, mas é o nosso sonho que dividimos em seis.
– Qual argumento vai usar para nos unir de novo? – Alice separa-se de sua amiga e funga.
– Sem argumentos, tudo irá correr naturalmente, eu sei que eles não vão desistir tão fácil.
– Dará certo Beta? Porque do jeito que as coisas estão fervendo.
– Confia, basta a confiança que tudo se ajeita. – A roqueira afaga as mãos nos cabelos lisos e louros da patricinha, confortando-a.
Roberta não tinha nada planejado para repor as forças dos rebeldes, reformar a liga da justiça, mas tinha algo melhor: a certeza e confiança, realmente eles não iriam desistir de correr atrás daquilo que queriam e que sentem que é o paraíso deles.
–x-
O tempo passou, as férias acabaram. Domingo, 18h22min, no outro dia já teriam que estar no Elite Way. Novo ano, nova sala, novatos, rever professores e amigos. Alice e Roberta estavam sentadas no sofá de casa, tomando um sunddae de creme e baunilha. Desde a separação da banda, essas duas grudaram-se ainda mais, ficando mais unidas. Tudo agora elas dividiam, Roberta não tinha mais essas frescuras de não querer se abrir com sua colega, a selvagem estava um pouco mais domável.
– Vixe, só de pensar que amanhã é segunda feira, eu piro. – Resmunga a garota de cabelos cacheados, pegando mais um pedaço do sunddae.
– O que? Amanhã já é segunda? Domingo congela! – Enlouquece a patricinha, dramática como sempre, uma das coisas que nunca mudaria em Alice, o drama faz parte de sua vida. Outro dom dessa menina! Deveria investir na carreira de atriz, daria certo para ela.
– Sem drama Alice, por favor.
– Será que vão chegar novatos?
– É óbvio que sim sua anta! Ano passado chegou um mutirão de gente, esse ano eu também tenho certeza que chega.
– Tá bom dona da certeza, vamos chamar a Carlinha?
– Pra que? – Se falasse sobre a Carla, as lembranças malditas do Tomás retornavam como um foguete a mente da moça loura, ela não gostava de ser lembrada por esse menino. Desde o fim da banda que não se falavam, nem tiveram mais notícias sobre nenhum, a não ser do Pedro e da Carla. Era triste saber que eles ainda não tinham acertado as brigas.
– Ela é nossa amiga Roberta.
– Tá bom, vai nessa. – Fala com puro desdém na voz.
A patricinha faz careta de quem não gostou para a amiga que lhe devolve mostrando o dedo do meio. Ela ignora e apanha seu celular do bolso da calça, procura o nome da amiga na lista telefônica e quando acha, aperta no botão verde para ligar.
– Alô? – Atende a menina com uma voz chorosa.
– É Carlinha... Cê tá chorando?
– A Becky sofreu um grave acidente de moto. Ela tava aprendendo a dirigir, mas daí se chocou contra um poste e caiu desacordada no chão, por pouco o seu rosto não fica deformado. – A garota que não acredita, põe a mão na boca.
– O que houve Alice? – Preocupa-se Roberta.
– A Becky, acidente, moto, grave, corre risco de morte.
– WHAT? – A loira toma o celular de sua meia-irmã para falar com sua amiga.
– Isso é verdade Carla?
– Nunca que eu iria brincar com a saúde da minha irmã, só hoje o seu coração ameaçou parar quatro vezes e nessas quatro vezes eu tive que ser dopada!
– Nós vamos praí, você precisa de auxílio. Tchau!
A moça desliga a ligação e pega sua jaqueta preta e a veste. Alice ajeita seu cabelo meio bagunçado e coloca sua bolsinha azul de lado. Elas saem de casa e a patricinha chama pelo motorista de seu pai que já se encarregava de levar e trazer as meninas de todos os locais.
Já dentro do automóvel, Roberta lembra-se que não sabe em que hospital a mulher está instalada.
– Precisamos saber em qual hospital ela tá.
– Liga do teu celular, os meus créditos acabaram juntamente com os bônus. – Lamuria a outra.
Impaciente, a jovem arranca seu celular da bolsa e disca o número da colega.
– Em que hospital vocês estão?
– Hospital Samaritano, na UTI.
– Valeu! – Agradece e desliga – na cara – o celular. – Hospital Samaritano, Cláudio.
As meninas vão olhando pela janela o céu nublar-se, a preocupação era grande. Um dia desses a Becky estava cuidando deles no tour e agora está em coma na UTI, toda encubada, só respirando por ajuda de aparelhos.
Enfim, as rebeldes chegam ao hospital. Saem do carro às pressas e adentram no local. Era uma correria em tanta, vários enfermeiros passando com as pranchetas para entregá-las aos médicos, vários cirurgiões em suas salas executando seu trabalho, pessoas feridas a bala, com golpes de faca ou outras coisas chegavam ali nas macas, apenas com os atendentes e enfermeiros tentando estancar o sangue. Procuram impacientemente pela placa UTI até que acham. Lá elas vêem Carla chorando desolada.
– Amiga! – Alice apressa o passo e abraça sua amiga, consolando-a. – Tem fé em Deus que tudo dará certo, vamos vencer, ela vai vencer.
– O estado dela tá se agravando Alice, eu to com medo. Não quero perdê-la, só a tenho nesse mundo cruel e maldoso.
– Não, você tem a nós também. – Corrige a roqueira, envolvendo seus braços com os da morena.
Horas ali acalmando a jovem que temera em perder sua irmã, a fome começa a atacar Roberta. Alice jamais comeria os salgadinhos de um hospital, para ela era tudo contaminado pelos ratos e pelos vírus, claro! Só entrava doentes ali, mas Roberta nunca foi dessas menininhas frescurentas e sem medo, foi até a lanchonete do lugar.
Foi até aquelas máquinas de salgados e doces, pôs a moeda no buraco e tirou de dentro um salgadinho de churrasco. Solitária, saiu caminhando pelos arredores daquele imenso hospital que agora estava menos tumultuado e as pessoas que berravam de dor na entrada do estabelecimento, já haviam sido atendidas depois de tanto protesto. Não prestando atenção em quem vinha a frente, se chocou em um corpo de uma outra pessoa, pelo tamanho e o modo de andar, parecia um rapaz.
– Ô seu tonto! Você não tem olhos?
– Tenho sim, só que eu tropeço com os pés e não com os olhos. – Estremece por dentro, petrifica-se por inteira. A voz aperreada era dele, Tomás Campos Salles.
– Vem cá garoto. Você colocou um GPS atrás de mim? Me rastreou até aqui foi? Que perseguição, desde as férias que não nos falávamos mais, estava tão bom. – Mente. Roberta não estava nada feliz sabendo que sua amizade não existia mais.
– Primeiramente, eu vim aqui por causa da Becky e da Carla.
– Não estavam brigados?
– Ela precisa de apoio.
– Já tem eu e a Alice para apoiarmos ela, não precisa de um idiota pra piorar a situação.
– Ficou com ciúme? – O velho Tomás nunca sumiria do mapa.
– Só quando os porcos voarem, os gatos latirem, as galinhas cavalgarem, os cavalos miarem, o elefante for magro e o Osama Bin Laden reviver. Aí sim eu terei ciúme de você!
– Piadinha agora?
– Deve de ser contagioso.
– Pelo jeito o Diego fez bem em acabar com o namoro de vocês.
– Sim mesmo, assim ficam livres vocês dois para irem morar em um castelo branco enorme e todos os dias irem passear pelas pradarias.
– Roberta, quando você vai parar com as piadas?
– Pare de me amolar.
– Não sou faca pra te amolar!
– Quer saber? Fui! Essa estrada de briga já está grande demais.
A menina já ia o deixando sozinho como de costume naquele corredor vazio e pequeno. Mas o garoto é vivo e puxa o seu braço fazendo-a parar.
– Você me ama né?
Ele sorri sarcástico e as pernas da jovem ficam moles. Opa Roberta! Agora ele te pegou, o circo fechou.

Continua...

Poxa gente  ,eu to muito chateada a Web esta chegando ao fim e nunca passou de 6 comentários :´( . Enfim , se esse capitulo chegar a 10 comentários eu posto mais um capítulo hoje :D . Eu sei que muita gente lê essa Web , então não seja um leitor fantasma , comentem  pelo menos nos capítulos finais  =) 

15 comentários:

  1. amo essa web!!! posta mais

    ResponderExcluir
  2. amo essa web posta maisss ela nao pode acabar :((

    ResponderExcluir
  3. postaaaaaaaaaaaa

    ResponderExcluir
  4. posta por favor
    Daniel

    ResponderExcluir
  5. posta a web e muito boa bota a robis pra ficar com o Di por favor

    ResponderExcluir
  6. E seria legal se ela ficasse com o Diego pq se eles ja namoravam

    ResponderExcluir
  7. Eu já li essa web é mt linda e estou lendo denovo. LuEd <3

    ResponderExcluir
  8. Vc podia fazer segunda temporada né? Já q ñ tem, mas a Roberta tem q continuar com o Tomás na segunda, dá mais emoção eles são lindos juntos. S2

    ResponderExcluir
  9. a roberta tem que continuar com o diego e mais legal

    ResponderExcluir

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo