30 de jun de 2013

Capítulo Único - Forever and Ever

                          
                          Título: Forever and Ever
                          Tradução: Para todo o sempre.
                          Autora: Vic 
                          Web do blog: TTens RBR Forever


                          
Pov de Lua 

As lágrimas caiam insistentemente pelo meu rosto. Doi tanto pensar que ele já não me amava, que todas as nossas promessas de ser para sempre e sempre haviam acabado.
Eu olhava mais uma vez a foto do nosso casamento. Sorriamos bobos, quase não acreditando que finalmente eram um do outro. Meu vestido era tão lindo, e o Arthur estava perfeito naquele terno. Mas, parece que tudo aquilo tinha acabo.


Olhei a aliança em meu dedo, e pensei se ela já não significava nada. Nem ela, nem os "eu te amo" que falamos tantas vezes. Tudo tinha mudado de uns dois anos pra cá. Estamos a quatro anos casados. Os dois primeiros anos foram perfeitos, beijos, abraços, carinhos, amor, nos amávamos quase toda noite, e então, foi da noite pro dia, que tudo mudou. Não sei bem dizer quando, nem como, mas foi simplesmente assim. As brigas começaram, e todo o nosso amor foi desaparecendo aos poucos.
Arthur agora vive pro trabalho e para a empresa dele. Eu, vivo sonhando que tudo isso foi só uma fase, ou que é tudo um pesadelo, e que eu vou acordar e vai acabar. Grande ilusão.


Ouvi uns barulhos lá em baixo, era Arthur chegando. Sequei as lágrimas, recoloquei a foto no criado mudo e me levantei da cama. Desci até a sala.
- Vou esquentar o jantar - murmurei indo a cozinha. Senti ele me seguir com o olhar enquanto me dirigia a cozinha.
De forma rapida, esquentei a lasanha dele, e arrumei a mesa. Coloquei sua coca-cola e o chamei.
- Está ótima - ele disse comendo. Poderia ser para mim, mas infelizmente, era pra lasanha. (kkkkkkkkkkkkkkkkkkk)
Acenti, e me servi da sobremesa. Torta de chocolate. Eu estava morta de fome, ultimamente, mas não, eu não estou grávida. Eu não me relacionocom Arthur tem mais de três meses, já ele, não posso dizer o mesmo. Sinto vontade de chorar só de pensar que ele pode ter outra, outra que lhe de amor, que ele diga que ama, enquanto eu me iludo cada vez mais.


Notei que Arthur me observava, e corei. Eu estava tão perdida em mim,que não notei que estavam com a colher na boca e feições sonhadoras.
- Está bem Lua? - ele me perguntou.
- Ótima. Só com sono, limpei a casa a tarde. - menti. Na verdade, estava ficando cansada era de tudo isso.
- Certo. Descanse, não quero ver você com essa cara, fico preocupado.
Ele parecia ter falado um pensamento em voz alta, porque depois que disse, abaixou a cabeça e terminou de comer.
Após o jantar, fomos para o quarto. Coloquei minha camisola de seda vermelha, não foi de propósito, até que me lembrei que Arthur me amava ver de vermelho. Olhei para ele, e o vi me olhando paralisado.


- Arthur - chamei.
- Sim, prin... Lua - quase que ele me chamou pelo apelido carinhoso. O que estava havendo com ele? Aliás, o que estava havendo com a gente.
- Será que podemos conversar? - perguntei. Sim, eu havia decidido ou por um fim ou recomeçar. Era tudo ou nada.
- Claro. O que está havendo? - ele me perguntou.
- O que está havendo? Faz dois anos, DOIS ANOS, que estamos distantes, que não somos mais o verdadeiro casal, somos simplesmente duas pessoas morando dentro da mesma casa. Se você não me ama mais, me diz que eu vou embora.
Ele me encarou.
- Eu só... Eu... Você que não me ama mais, Lua.
Hein?


- Não amo? Eu te amo com todas as minhas forças, com toda a minha existência, você é a minha vida. É você que não me ama mais.
- Não te amo mais? Você é tudo pra mim. Eu estava assim porque... Eu pensei que você já não me amava mais, que estava tudo no fim, que já existiamos mais.
- Por isso você estava vivendo pro trabalho? - perguntei.
- Sim, pensei que não ia fazer diferença pra você, eu estando presente ou não - ele murmurou.
Uma lágrima escorreu pela minha bochecha. Mas essa, era de felicidade. De pura felicidade. Abri um sorriso.
- Eu amo você. E nós dois erramos. - eu disse.
Arthur me olhou sorrindo.
- Eu pensei que você não me amasse mais, que tudo aquilo que tinhamos prometido, tivesse acabado - Arthur me disse.
- E eu, que você tivesse encontrado alguém, especial, mais especial do que eu pudesse ter sido pra você um dia. - sussurrei.
- Ninguém, nunca, jamais, vai ser mais especial que você pra mim. Cada batimento do meu coração é por você. - Arthur se aproximou de mim, e limpou uma lágrima solitária que escorria - eu te amo, princesa.


Me agarrei em seu pescoço, agora soluçando.
- Eu te amo - sussurrei - nunca mais deixa isso acontecer, por favor. Eu não consigo mais ficar sem você, nunca mais.
Arthur me apertou contra seu peito. Percebi que ele também deixava umas lágrimas cairem. Ficamos ali, agarrados, por não sei quanto tempo. Era um momento só nosso, que não tinhamos a tempos.
- Amo você, minha princesa. Só minha - disse Arthur beijando minha testa.
- Amo você, meu principe. Sò meu - disse. Me aproximei, e o beijei.


Narradora Pov
A quanto tempo eles não sentiam o gosto da boca um do outro?
Arthur aprofundou o beijo, que virou selvagem em questão de segundos. Exploravam as bocas como nunca, cheios de vontade e desejo.
- Quero você - sussurrou Lua.
Arthur a jogou na cama, a fazendo rir maliciosa. Iniciaram mais um beijo feroz e selvagem.
- Delicia - sussurrou Arthur.
- Gostoso - Lua sussurrou.
Nunca haviam se amado daquele jeito. Selvagem e com amor. Mas eles eram unicos, então, eles podiam.


Pov de Arthur
Cara, fazia quanto tempo que eu a minha princesa não ficavamos assim? Saudade de sentir ela em mim, ela sussurrando meu nome, sua mão me percorrendo... É... Mágico o que eu sinto quando estamos eu e ela.
Lua estava em meus braços agora. Completamente nua, e eu também. Estavamos tapados pelo cobertor. Ela dormia de uma forma serena, que eu não via a tempos. Acariciei seus cabelos, e logo cai no sono também.
Acordei sentindo beijos em meu peito. Abri os olhos, e vi Lua. Ela sorriu e eu lhe retribui.
- Bom dia principe - ela disse.
- Bom dia princesa.
Demos apenar um selinho, pois estavamos com o bafo da manhã. Eca.
- Vou fazer nosso café - disse Lua se levantando com o lençol. Vestiu minha camisa e sua calcinha e saiu. 
Fui para o banheiro, me escovei, e opitei por um banho. Quando desci as escadas, senti um cheiro de café recém passado. Delicia.
- Amor, se desliga a água pra mim em cinco minutos. Vou me escovar pra poder te beijar de verdade - disse Lua.
Ela subiu e eu fiquei cuidando da água. Logo Lua desceu e foi me puxando pra um beijo de verdade. Apertei sua cintura contra mim. 
- Delicia - disse Lua sorrindo - agora sim, um beijo.
- Coisa linda - eu disse lhe enchendo de selinhos.
Tomamos nosso café, e passamos nosso dia todo assim, no in love, como ela disse.


~Epílogo ~ 


Pov Narradora


Ah,
agora estava tudo no país das maravilhas, como disse Lua. Voltaram a 
ser o casal de apaixonados que eram antes de toda aquela confusão. 
Arthur estava mais feliz do que nunca, até pediu férias da empresa, e 
partiram para uma segunda lua de mel. Paris foi escolhida para esse 
cenário de romance.
Opitaram por não ter filhos ainda, queriam 
esperar mais uns dois anos. Ainda eram jovens, e estavam naquela fase de
adolescentes apaixonados. 
- Amor, agora eu tenho certeza de que, eu você fomos feitos para durará para sempre e sempre. Haja o que houver - disse Lua.
Estavam assistindo o pôr-do-sol do alto da torre Eiffel.
-
Eu também. Quero que fiquemos assim para sempre. Sem brigas, só assim. A
final, nem uma briga de dois anos nos separou - disse Arthur.
- Nada vai nos separar - disse Lua.
Arthur a virou para sí, e a beijou de forma apaixonada e calma. O pôr-do-sol, como testemunha.


FIM!

2 comentários:

  1. o pôr-do-sol é a melhor testemunha que alguém pode ter!*_*...WEB FOFA!

    ResponderExcluir

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo