18 de mai de 2013

Meu vizinho Insuportável - 2ª Temp.


Capítulo 115.



No avião Lua não continha suas lagrimas, chorava como um bebê, estava deixando a metade de seu coração de sua vida para trás, estava morrendo por dentro, enquanto observava Guto dormindo com a cabeça em seu colo, igual a Arthur dormindo, fazia o mesmo bico, Era como um castigo. agora teria que seguir sua vida, seu caminho, sem ele, não era nada fácil. Seus planos novamente haviam mudado em direção contraria a Arthur mais uma vez o havia perdido...

Uma parte de si dizia que era o melhor, e tinha que se conformar, tinha que seguir seu caminho...sem ele. sabia que era necessário tentar encontrar seu lugar, mesmo sabendo que não o encontraria em outros braços

Soluçou ao lembrar dos beijos de Arthur de suas caricias, de seu sorriso que a derretia, seus ciúmes bobos, sorriu entre lagrimas, logo sentiu uma mão tocar seu ombro, quando olhou era Daniela que estava sentada atrás, ela lhe sorriu triste.

Dany= está bem? (Lua a olhou deixando mais um par de lagrimas caírem e negou com a cabeça sincera) Own mamãe (foi ate o banco onde Lua estava e a mesma ajeitou Guto em seu colo e a Daniela sentou-se lado a abraçando, Lua desmoronou chorando)

Lua= eu vou ficar bem... (Dany assentiu sabendo que não era verdade, ela não ficaria) só queria saber como ele está,  Sei que não está bem... posso sentir que seu coração esta tão despedaçado quanto o meu... sabe dany, nunca amei tanto alguém na vida, e quando vi seu pai a primeira vez, senti vontade de cuidar dele... cuidar de você... (suspirou) ele vai ficar bem... eu vou ficar... é preciso

Lua suspirou enxugando suas lagrimas, era hora de seguir seu caminho ainda com seu coração destroçado era hora de seguir em frente e parar de chorar... seus planos agora seria erguer a cabeça e viver sua escolha de cabeça erguida como deveria ser..

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo