18 de mai de 2013

Capitulo Único






“Você está tão perto, mas está tão longe. O meu coração diz para eu não te esquecer.” 


Parecia mais uma noite comum, uma noite normal em SP, ele chegava em casa cansado de um longo dia de trabalho, de stress e muitas brigas na empresa, cansado de tudo, e pensativo, pensando em uma proposta de emprego irrecusável, mas que infelizmente o separaria da mulher de sua vida! 

Ela chegou em casa logo atrás dele, com uma cara nada contente, os dois já eram casados há dois anos, mas, ultimamente, mais precisamente nos últimos seis meses, as brigas se tornaram constantes. 

- Oi, Arthur – disse Lua ao entrar na casa. 
- Oi, tudo bem? – ele falou olhando pro not. 
- Er, tudo, a gente pode conversar? 
- Conversar de novo, Lua? Pow, não vê que eu to ocupado, cheio de trabalho pra fazer e tu quer conversar de novo? 
- Poxa, Arthur, você nem ouviu o que eu quero falar e já ta me xingando? 
- Não ouvi, porque sei o que é, mas é uma coisa mais sem noção, sem graça e sem motivo.

Ela não respondeu, apenas foi pro quarto chorar, como todas as noites fazia. 
Ele ficou na sala, trabalhou até tarde, estranhou não ver movimentos da mulher pela casa, mas estava tão preocupado com o prazo de entrega do trabalho que não deu a mínima importância. 
Ela depois de muito chorar acabou dormindo, com a esperança que um novo dia começasse e com ele, seu marido voltasse a ser como era antes, além disso, que ela pudesse contar pra ele o que tinha descoberto aquela tarde, uma das tardes mais angustiantes da vida dela. Acordou cedo, mas não o suficiente pra ver seu marido saindo da casa. 
Ambos seguiram sua rotina normal de trabalho, mas aquele, aquele era um dia especial, dia que completavam 2 anos de casados, e ela resolveu fazer um jantar romântico para o casal, preparou tudo; a comida preferida dele, aquela era uma noite especial, tinha que ser especial, a ansiedade pela chegada dele, os planos de um belo jantar com uma notícia que, pra ela apesar da crise que estavam vivendo, era muito especial e desejada. 
Ele sempre ocupado com o trabalho, não deu a mínima importância pro dia, aliás, se perguntassem pra ele que dia era aquele, ele não saberia responder, estava apenas preocupado com os prazos de entrega, com o trabalho, e mesmo remotamente, pensando na proposta que recebera dias antes. 
Ela ansiosa esperava ele, até que as horas foram passando, e nada dele chegar, resolveu ligar pra saber se iria demorar muito. 
Ligou uma, duas, três vezes, na quarta tentativa ele atendeu. 
- Oi, Lua, aconteceu alguma coisa? 
- Oi, você vai demorar pra vir pra casa? 
- Não tenho hora pra ir, eu terminei agora um trabalho, e vou num bar com os guris aqui comemorar que conseguimos terminar dentro do prazo de entrega. 
- Poxa, num bar, Arthur? Custava me avisar? 
- Esqueci. 
- Esqueci, é fácil, né... Você falar que esqueceu... 
Ele não a deixou concluir, simplesmente desligou o telefone em sua cara, já estava cansado daquilo tudo, do ciúmes, da falta de companheirismo por parte dela. Cansado de não ter a liberdade que tinha quando era solteiro, e sabia que iria ouvir as mesmas coisas quando chegasse em casa, então simplesmente não ligou, apenas foi para o bar com os amigos comemorar um prazo de entrega.
Chegou em casa de madrugada, ela já estava dormindo no sofá, depois de ter desfeito todas as coisas que tinha preparado pro jantar, estava triste dormindo. Com medo de acordá-la e ter que ouvir sempre a mesma historia, apenas a cobriu e foi dormir no quarto. 
No meio da noite ela acordou, foi até o quarto, o viu dormindo e se sentou ao seu lado, chorando, e tentando entender por que tudo havia chegado a esse ponto. Lembrou de quando se conheceram.


“A maior parte do tempo sentei na calçada e pensei, quantas vezes eu já chorei, mentindo entender?” 

Flashback on: 


Fazia muito frio naquela cidade, e tudo pra ela era novo, recém formada no curso de jornalismo, foi chamada pra trabalhar no jornal mais importante da cidade, ele trabalhava no mesmo jornal, e logo se encantou com o sorriso daquela gaúcha que, segundo ele, era linda. 

- Oi, posso ajudar? – Arthur falou simpático. 
- Sim. Eu estou procurando o Arthur Aguiar. – Lua mostrou pra ele um papel, que havia sido dado pelo chefe de ambos, com a finalidade de pedir ao Arthur que mostrasse toda a redação do jornal, e assim ele fez. Daquele momento em diante nunca mais se desgrudaram. 
Arthur trocou de emprego alguns meses depois, ganharia mais, e cerca de um ano de namoro, acabaram se casando. 

Flashback off.


Ela sem perceber tocou o rosto dele, o fazendo acordar.


- Que foi, Lua? Que horas são? – disse Arthur sentando na cama. 
- É madrugada, que horas você chegou? 
- Ah, não, sério, eu não acredito que você me acordou a essa hora pra perguntar que horas eu cheguei? Sabia que eu trabalho cedo amanhã, e não tenho tempo pra besteiras? 
- Besteiras, Arthur? Então nosso casamento é uma besteira? 
- Não, mas essas briguinhas suas são, porra, você não vê que eu to ocupado pensando num futuro melhor pra gente? 
- E o presente, Arthur, você não nota que está deixando de viver? 
- Você só sabe me cobrar, né, não vê nada que eu faço pela gente, só pensa em você. 
- Eu só penso em mim? Eu tenho vivido pra ti, e você o que faz? Me trata como um nada. 
- NADA? Agora eu te trato como um nada, nossa como é bom ver quando as pessoas são mal-agradecidas, com o que os outros fazem por elas. Só pra ti saber, por tua causa, eu to perdendo uma proposta importante de trabalho, uma proposta onde eu ganharia por mês o que eu ganho por ano aqui no brasil, mas e você? Liga pra isso? Não, só sabe me cobrar. 
- Você não tinha me dito dessa proposta, mas se é tão importante assim, vai, aceita essa proposta e seja muito feliz, longe de mim, livre de mim. 
- Sem dramas, por favor, eu já cansei dos teus dramas, sério, já acostumei a te ver chorar, que não sinto mais nada, nem pena. 
- Eu te odeio – ela disse saindo de casa, sem direção alguma. 
Ele apenas voltou a dormir, e no outro dia aceitou a tal proposta, quando chegou em casa não encontrou mais nada dela, ela havia voltado à sua antiga cidade, carregando com ela a única lembrança que jamais seria apagada daquele casamento. Carregava com ela um filho, fruto do amor que um sentia pelo outro, mas que havia sido sucumbido pelas brigas e pela ganância dele. 


“Eu nunca acreditei, que eu iria te perder. Mas vou sentir saudades, mas sonhar enquanto eu viver”. 


Não se falaram mais e, na semana seguinte, ele viajou pra Rússia, onde passaria um ano, segundo ele, seria o melhor ano de sua vida. 
Ela voltou para Porto Alegre, sua cidade natal e começou a trabalhar em um jornal de destaque na capital gaúcha, levando a gravidez com todos os devidos cuidados possíveis, e a cada mês escrevia uma carta pra ele. 



4 meses de gestação.


Hoje faz exatamente dois meses que eu te vi pela última vez, que pela última vez eu toquei, pela última vez e sim, te beijei, porque eu não resisti, eu estava com medo do que viria pela frente, claro que jamais imaginava aquilo, mas eu te beijei, e, sinceramente, não me arrependo daquilo, não me arrependo daquele beijo, me arrependo apenas de não ter te dito as duas coisas mais importantes da minha vida.
Parece mentira que já fazem 4 meses que eu estou gerando esse pequeno ser dentro de mim, nossa vida que sonhamos por tanto tempo lembra? Descobri hoje, também, que vai ser um menino, e eu resolvi chamá-lo de Danilo, afinal, esse era o nome que havíamos escolhido, né?!
Estou com saudades, o Danilo não para quieto um minuto, é agitado como o pai, e pode ter certeza que mesmo sem você saber da existência dele, ele também sente sua falta.
Por fim gostaria que de te lembrar uma coisa, lembrar que quando te jurei amor eterno eu não estava brincando, e eu te amo ainda, não mais que tudo, porque agora o meu tudo se resumi no nosso filho, mas eu te amo, muito. 


Os dias foram passando, e a saudade aumentando, as únicas notícias que havia recebido dele, era que estava bem, havia crescido muito na empresa que trabalha, e que não queria saber absolutamente nada dela, nem mesmo deixavam tocar no nome dela perto dele. 

“Agora é acreditar em cada passo que eu dou. Não posso mais me iludir e continuar a viver”. 


5 meses de gestação


Recebi notícias tuas hoje, soube que está bem, e, sinceramente, é isso que importa, saber que você esta bem, né? Que fez a escolha certa pra você, fico feliz em não ter atrapalhado tanto a tua vida, e ao mesmo tempo triste em saber que te fiz tanto mal que, nem ao menos, meu nome você quer ouvir. Às vezes fico pensando, por que teu amor acabou, pensando se ele realmente existiu, ou se eu amei por nós dois. Fico tentando entender como chegamos àquele fim, e nas mil coisas que eu poderia ter feito, pra não ter te perdido de mim.
A saudade aumenta a cada dia, saudade de acordar com teu bom dia, do teu abraço após eu morrer chorando assistindo os dramas, saudades de tudo, tudo que eu vivi com você.
O Danilo está maior, a doutora falou que ele vai ser enorme, também mandou eu parar de dormir um pouco... É, como sempre eu tenho dormido demais, mas tenho sono, poxa, o que eu posso fazer se não dormir? Cada dia que passa eu penso mais em ti.

Te amo



Os meses foram passando, e ela simplesmente não conseguia escrever, apenas chorava, chorava com a saudade de tudo, chorava pensando na possibilidade de nunca mais vê-lo, e tentando entender o que havia feito pra merecer tanto ódio. A barriga crescia a cada dia, então resolveu escrever uma última carta, de coração, ela esperava que jamais fosse lida por ele. 
Após escrever a última cartas, as dores que já estava sentindo começou a ficarem ainda maiores e ela resolveu ir pro hospital. Era chegada a tão esperada hora de finalmente tocar no rostinho daquela “vidinha” que carregava dentro de si. 



Ou então vou chorar;

Vou escrever e dormir em "paz". 




Na Rússia, ele passara todos os seus dias trabalhando, tentando achar no trabalho forças pra esquecer aquela que foi a única mulher que amou na vida. Lembrava dos conselhos dos amigos, lembrava também do sorriso dela, aquele sorriso que ele jamais iria esquecer, a saudade era enorme e aquilo estava realmente o matando, faltavam apenas duas semanas para terminar o contrato de um ano com a tal empresa, e ele resolveu não renovar, resolveu que voltaria pro Brasil e tentaria reconquistar a mulher de sua vida. 
Duas semanas se passaram, e ele foi recebido com festa por parte de alguns amigos, nenhum teve coragem de falar o que realmente tinha acontecido com a Lua, falaram apenas pra ele ir para Porto Alegre, o mais urgente possível. Em menos de 3 horas ele chegou em Porto Alegre, foi até a antiga casa dela. Estava tudo fechado. Resolveu ir até a mãe dela, e lá encontrou alguém. A mãe dela apenas disse pra ele que a menina, a menina dele, havia deixado algumas cartas pra ele, antes de partir. “Como assim? Partir pra onde?”. Era a única coisa que ele se perguntava. 
Pegou o baú e começou a ler as cartas... 
Leu a primeira, começou a chorar, vendo que havia deixado no Brasil, além da mulher que mais amava, um filho, que sempre foi tão desejado por ambos. Leu a segunda carta continuou chorando e querendo saber onde sua amada estava. Por fim começou a ler a terceira carta.



Parece mentira, né? Mas já se passaram seis meses, já estou conseguindo levar a gravidez ao oitavo mês e, sinceramente, não sei quanto tempo mais vou aguentar.

Os dias tem sido difíceis, a saudade ta grande também, o Danilo anda inquieto, ele já ta bem esperto, e eu fico imaginando como é o rostinho dele. Fiz alguns exames e com ele está tudo bem, eu sei que não te interessa saber essas coisas e confesso que fico feliz em saber que você está bem, pode parecer tolo, besteira, mas sinceramente eu precisava escrever isso.
Bem, mas não é sobre a gravidez que eu quero falar, e sim sobre como vai ser depois dela. Tenho sentindo algumas dores, coisas normais disse a médica, mas eu sei que não é normal, e sinto que algo vai acontecer comigo, então queria te fazer alguns pedidos, não se sinta obrigado a fazer nada do que eu pedir, como eu disse são apenas pedidos.
Eu não sei quando você vai ler essa carta, não sei nem se você vai querer lê-la, mas quero que saiba e que não duvide nunca, que eu sempre te amei. E quando eu digo sempre, eu falo desde quando te vi pela primeira vez e que, apesar de tudo, eu admiro, admiro por ter tido a coragem de largar tudo para ser feliz, e gostaria de te pedir desculpas e que você conseguisse me perdoar por todo mal que eu te fiz. Eu jamais queria te fazer sofrer, todas aquelas crises de ciúmes foram coisas que eu fiz sem sentido e eu sei que estava errada, hoje eu sei, pena que aprendi tarde demais, né.
Eu ainda me lembro de tudo, me lembro das brigas, claro, mas me lembro dos momentos felizes. Esses dias contei pro Danilo de quando eu fui pra SP sem avisar e te encontrei dormindo, deitei no teu lado e me recordo do susto que tu levou haha... E depois do melhor abraço do mundo, abraço esse que eu nunca vou esquecer e que com certeza é onde eu encontro o maior conforto do mundo.
Sinto saudades de tudo, sinto saudades até das suas implicâncias. Sim, suas, porque eu nunca impliquei com você. Pode parecer besteira, mas o que eu mais queria agora era ter você do meu lado, compartilhar com você como tem sido esse último mês, queria ouvir de ti “tudo vai ficar bem” mesmo eu sabendo que não.
Bem, se você está lendo essa carta é porque alguma coisa aconteceu comigo, e a coisa não foi boa, né? Primeiro nunca se culpe por nada, você fez tuas escolhas e espero que esteja feliz. Quanto ao Danilo, uma vez, você me prometeu que quando nós tivéssemos um filho, você nunca iria abandoná-lo e que se algo acontecesse comigo, ele saberia de mim, e saberia que eu o amo muito e também que você cuidaria muito bem dele. Eu quero te dizer que não precisa cumprir com essa promessa, que eu só quero vê-lo bem, e feliz. Já deixei uma carta pra minha mãe também, e não se preocupe, porque ela vai te perguntar o que tu quer. E, se preferir, o Danilo não precisa nem saber que você existe, se isso vai te fazer melhor, e você também não precisa nem se lembrar dele, pode reconstruir sua vida, sua família, o Danilo é o fruto do nosso amor, amor que eu sempre vou guardar em mim, mas que você não precisa se culpar por ter esquecido.
Se quiser que o Danilo te conheça, se quiser cuidar dele, eu só peço, por favor, que fale pra ele TODOS OS DIAS, que eu o amo muito e que vou estar com ele sempre, em todos os momentos, que sempre vou torcer, cuidar e protegê-lo, sempre... E, por favor, não deixa ele esquecer NUNCA que ele tem uma mãe que o ama e sempre o amará.
Desculpa por estar escrevendo isso, eu apenas fiz essa carta pra que você não tenha dúvidas de nada. A única coisa que eu quero é te ver feliz, as coisas não tem sido fáceis e eu não sei o que vai acontecer comigo, confesso que tenho medo, mas prometo que estou me cuidando, sim. E, por favor, nunca duvide do meu amor por você muito, menos pelo nosso filho.

Lua. 



As lágrimas tomavam conta de seu rosto, foi quando sua ex sogra entrou no quarto, trazendo com ela um bebê lindo. Ele era realmente parecido com os dois, tinha os olhos da Lua, mas todo resto era parecido com ele. 

Ela o entregou e disse: 
- Ela estava sofrendo muito, com depressão e no segundo seguinte ao nascimento dele, após dar um beijo em seu rosto, acabou nos deixando. Mas saiba, Arthur, que ela sempre te amou e, por favor, não chore por ela, porque chorar era a última coisa que ela queria que você fizesse. 

Ela foi embora deixando com ele o fruto do amor dos dois. Ele não teve a chance de pedir perdão, não pode falar eu te amo, e carregou essa culpa sua vida toda. 

Créditos: Jessica Franciele

17 comentários:

  1. CHOREI MUITOOO!!!TAVA PRECISANDO DE UMA DESSAS HOJE...PARABÉNS!VOCE ESCREVE MUITO BEM...=)

    ResponderExcluir
  2. nossa parabens mesmo que isso impressionante incrivel progundo intenso

    ResponderExcluir
  3. nossa, que lindo. Fique com nó na garganta, até chorei. Muito linda!!

    ResponderExcluir
  4. amei to xorando ate agr! q lindo amei parabens!

    ResponderExcluir
  5. #chorandoomuito,parabéns pra quem escreveu essa web linda,amei.!

    ResponderExcluir
  6. que lindoo.. posso postar ela no meu blog ??

    ResponderExcluir
  7. Chorando muuuito que triste

    ResponderExcluir
  8. nossa! chorei pra caramba... capitulo lindo, parabéns. Paloma Passos

    ResponderExcluir
  9. Aaah Ameei! Morri de chorar akee! E olha que eu sou muito dificil de chorar, ainda mais por web's! Beijo e Parabéns, Ficou ótima!

    ResponderExcluir
  10. Cara to marror de xora..

    ResponderExcluir
  11. muito lindo chorei muito

    ResponderExcluir
  12. to chorando ate agora molhei toda minha blusa

    ResponderExcluir
  13. meu kra vc escreve MUUUIIITOOO amei essa web linda de mais

    ResponderExcluir
  14. Chorei muitooooo lindooooo

    ResponderExcluir

Não vai sair sem comentar, né?! xD

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo